Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Veja estas canções

Mostra no Cine Humberto Mauro apresenta 39 musicais, gênero que teve sua era de ouro nas décadas de 1930 a 1950, mas se mantém em constante renovação até os dias de hoje


postado em 13/01/2019 05:06

Gene Kelly e Leslie Caron estrelam Sinfonia de Paris, de Vincent Minelli, exibido hoje, às 20h, no Cine Humberto Mauro (foto: MGM/Divulgação)
Gene Kelly e Leslie Caron estrelam Sinfonia de Paris, de Vincent Minelli, exibido hoje, às 20h, no Cine Humberto Mauro (foto: MGM/Divulgação)


Trinta e nove longas-metragens integram a mostra Musicais de ouro, que o Cine Humberto Mauro apresenta até 11 de fevereiro. A programação abrange desde filmes clássicos, da chamada era de ouro do gênero, até produções contemporâneas.

Entre os destaques da programação estão A noviça rebelde (1965), estrelado por Julie Andrews, Amor, sublime amor (1961), com Natalie Wood, e Minha bela dama (1964), com Audrey Hepburn, vencedor de oito Oscars.

A mostra também terá sessões para crianças, com filmes dublados. Branca de Neve e os sete anões (1937), Aladdin (1992) e O rei leão (1994) serão exibidos em português. Já O mágico de Oz (1939), Mary Poppins (1964) e A fantástica fábrica de chocolates (1971) terão tanto sessões dubladas quanto com o áudio original.

Da era de ouro dos musicais norte-americanos a seleção exibe Picolino (1935), sucesso de Fred Astaire, Cantando na chuva (1952), que uniu Gene Kelly e Debbie Reynolds, além de A canção da vitória (1942), Tempestade de ritmo (1943), Copacabana (1947), Agora seremos felizes (1944), Sapatinhos vermelhos (1948) e Sinfonia de Paris (1951).

Da década de 1970 destacam-se Cabaret, musical que retrata a Berlim do início da década de 1930, The rocky horror picture show (1975) e Grease: Nos tempos da brilhantina (1978). Musicais produzidos por grandes bandas também estão na programação: Tommy (1975) reúne o The Who e The Wall (1982), com o Pink Floyd, narra o cotidiano de um músico que só consegue se apresentar com a ajuda de drogas.

Produções mais recentes como Moulin Rouge: Amor em vermelho (2001), Chicago (2002) e Across the universe (2007) também fazem parte das exibições. E ainda que a produção de musicais seja muito relacionada com a indústria cinematográfica norte-americana, há filmes de outros países na mostra: os franceses Os guarda-chuvas do amor (1964) e Duas garotas românticas (1967), ambos do diretor Jacques Demy e estrelados por Catherine Deneuve, e a produção de Bollywood Lagaan – Era uma vez na Índia (2001).


MUSICAIS DE OURO

A mostra vai até 11 de fevereiro no Cine Humberto Mauro do Palácio das Artes (Av. Afonso Pena, 1.537, Centro, (31) 3236-7400). Hoje, serão exibidos Agora seremos felizes (1944), às 18h, e Sinfonia de Paris (1951), às 20h, ambos dirigidos por Vincente Minnelli.


Publicidade