UAI
Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Casos de COVID sobem e especialistas recomendam uso de máscaras

Pesquisa revela que positivos de testes rápidos feitos na primeira quinzena deste mês estão 54% acima do total registrado em abril


23/05/2022 19:47

Brasil tem apresentado nova alta de casos da COVID
Brasil tem apresentado nova alta de casos da COVID (foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
Depois de um respiro com o afrouxamento das restrições sanitárias, o Brasil tem apresentado nova alta de casos da covid-19. Os números subiram em janeiro, com a maior circulação de pessoas nas festas de fim de ano, caíram em março e, agora, voltam a crescer. Há ainda um problema que pode agravar a situação: a subnotificação de casos em razão do amplo uso de autotestes adquiridos em farmácias.

Uma pesquisa conduzida pela Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) revelou que positivos de testes rápidos feitos na primeira quinzena deste mês estão 54% acima do total registrado em abril. Dados do Ministério da Saúde confirmam a tendência. Na última terça-feira (17/5), a pasta divulgou um levantamento mostrando aumento de 28% na média móvel de registros de casos.

Esse movimento tem chance de ser ainda mais significativo, já que pode ser mascarado pelos autotestes — são 31 kits aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Acontece que os resultados desse tipo de exame não precisam ser notificados às autoridades, de modo que não são incluídos nas estatísticas.

“O aumento de casos neste momento já era esperado, porque a gente suspendeu as medidas que atuavam para tentar a redução da transmissão. Com isso, há uma redução dessa força de contenção, e o vírus ganha espaço”, afirma o epidemiologista e professor da Universidade de Brasília Jonas Brant. Para ele, os testes realizados em casa, “sem dúvida, dificultam o entendimento da situação”, porque perde-se a precisão do volume de casos leves, estágio em que muitos optam por não buscar atendimento.

A avaliação é confirmada por Marcelo Gomes, coordenador do Boletim InfoGripe da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). “Existe a recomendação de que as pessoas que fizerem o autoteste e tenham resultado positivo busquem atendimento, até para ter as orientações adequadas e para a própria notificação de casos, que é feita pelo profissional de saúde. Mas a gente sabe que isso, infelizmente, não vai ser a rotina.”

Na visão do especialista, o cenário preocupa e atrapalha o acompanhamento do desempenho real da doença, mas não impede a atuação dos profissionais. Ainda, os autotestes dão mais agilidade à população, já que o indivíduo pode fazer o autoisolamento sem depender da exposição em um ambiente vulnerável.

Subnotificação
 
Também não é possível bater o martelo sobre o quanto a subnotificação dos casos afeta a atuação dos gestores ou a percepção da população. Isso porque o autoteste não dá direito a dispensa para trabalho ou escola, por exemplo. Assim, grande parte dos positivados precisa recorrer aos serviços de saúde para oficializar o diagnóstico.

“Esse teste tem um grande objetivo que é isolar as pessoas que estejam com sintomas brandos, ou mesmo assintomáticas, que encontram resultado positivo e vão evitar contato com outras pessoas. Como a grande maioria de quem faz esse autoteste precisa de uma comprovação do diagnóstico e uma avaliação médica para apresentar no trabalho ou na escola, acredito que essa subnotificação não seja tão relevante”, argumenta o infectologista Hemerson Luz.

“Certamente que a subnotificação pode ocorrer. Uma forma de contornar isso é de forma educativa, orientar as pessoas que estão fazendo o teste que notifiquem o resultado. Isso pode ser feito por campanhas dentro das farmácias, ou na própria embalagem do autoteste”, completa.

Retomada de restrições
 
Devido ao aumento de casos da covid-19, algumas instituições de ensino no país decidiram restabelecer a adoção de medidas sanitárias contra o novo coronavírus. Foi o caso de três escolas públicas em São Paulo, que precisaram suspender as aulas presenciais para evitar que a doença se espalhasse, retomando o sistema de ensino remoto. Os surtos aconteceram nos municípios de Santo André, São Caetano do Sul e na capital, São Paulo.

Em Belo Horizonte (MG), duas escolas da rede privada também voltaram ao ensino a distância, por um período de pelo menos 10 dias, depois que 10% dos alunos contraíram o vírus. Além disso, as atividades no campus foram interrompidas para estudantes de Medicina e Pedagogia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Londrina (PR), Aguaí (SP), Diadema (SP) e Serra Negra (SP) determinaram o retorno do uso obrigatório de máscaras nas escolas. Em Cuiabá e Recife, a exigência do item de proteção está vigorando desde o retorno das atividades presenciais.

Inverno
 
O tempo frio também pode ser um fator do aumento de casos de doenças respiratórias, gripe e covid-19. Nessa época, as pessoas costumam ficar em ambientes fechados e abafados devido às baixas temperaturas. Além disso, há uma maior incidência de aglomerações.

“Historicamente, a gente tem um aumento de influenza e doenças respiratórias nesse período, por isso é tão importante fortalecer a vigilância da síndrome respiratória. No caso da vigilância sindrômica, da vigilância sentinela, para entender o que está circulando. Um dos vírus que vão circular nesse período é o da covid, e a gente precisa entender se é mesmo covid ou outro tipo de vírus, para alertar a população”, alerta o epidemiologista Jonas Brant.

Ele também cita ser fundamental promover a manutenção do controle e monitoramento de casos da covid-19, especialmente considerando que o vírus ainda é novo e desconhecido em diversos aspectos.

“É possível contornar isso através das ações de vigilância sindrômica que já eram desenvolvidas anteriormente pela vigilância das influenzas. A gente tem algumas unidades de saúde monitorando o número de atendimentos de síndrome respiratória e fazendo a coleta de amostra das pessoas para saber que vírus está circulando. Com isso, a gente saberia e teria noção do que está acontecendo com a saúde da população. O grande desafio é que essa vigilância no Distrito Federal até o ano passado estava fragilizada”, comenta Brant. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade