Publicidade

Estado de Minas

Câncer de ovário: pesquisadora mineira pode revolucionar tratamento da doença

Composto à base do metal paládio, criado por professora da federal de Uberlândia, é seletivo e potente no combate ao tumor ovariano


postado em 01/02/2020 14:00 / atualizado em 01/02/2020 14:09

A professora Carolina Oliveira descobriu composto capaz de vencer células de tumor ovariano resistentes ao tratamento convencional, com menos efeitos colaterais(foto: fotos: Arquivo pessoal)
A professora Carolina Oliveira descobriu composto capaz de vencer células de tumor ovariano resistentes ao tratamento convencional, com menos efeitos colaterais (foto: fotos: Arquivo pessoal)
Metal nobre, com aplicações que vão da odontologia ao setor automotivo, o paládio é a mais nova promessa no combate ao câncer de ovário. As moléculas desse elemento se mostraram capazes de destruir células de tumores ovarianos resistentes à cisplatina – droga usada no tratamento disponível hoje –, com a vantagem de preservar os tecidos saudáveis. A descoberta é fruto da tese de doutorado da mineira Carolina Gonçalves Oliveira, professora do Instituto de Química da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Desenvolvido junto a um grupo de pesquisadores do Instituto de Química de São Carlos da Universidade de São Paulo (IQSC-USP), além de cientistas do Reino Unido e da Itália, o trabalho foi destaque de capa do periódico britânico Dalton Transactions, editado pela Royal Society of Chemistry. O estudo contou ainda com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

POTÊNCIA  

Carolina explica que o câncer de ovário – um tipo de tumor agressivo, que precisa ser tratado rapidamente – costuma apresentar boa taxa de resposta à tradicional cisplatina. Há casos, no entanto, em que as células cancerígenas não reagem ao tratamento. Nos testes in vitro, o composto de paládio desenvolvido pela mineira demonstrou eficácia no combate a essas variantes resistentes.

A nova molécula também demonstrou maior grau de seletividade se comparada à cisplatina, ou seja, capacidade de atacar o câncer sem destruir células saudáveis. Segundo a pesquisadora, isso pode se traduzir em drogas com menos efeitos colaterais. O quimioterápico atualmente disponível no mercado, afinal, não raro causa vômitos, perda de cabelo, perda de audição, alteração no funcionamento dos rins e dos nervos, entre outros desconfortos.
 
 
Projeto foi coordenado pelo professor Victor Marcelo Deflon, do Instituto de Química de São Carlos da Universidade de São Paulo (IQSC-USP)
Projeto foi coordenado pelo professor Victor Marcelo Deflon, do Instituto de Química de São Carlos da Universidade de São Paulo (IQSC-USP)
 
ENZIMA 

 O segredo da eficiência está no mecanismo de funcionamento do novo composto. Conforme esclarece a professora da UFU, a cisplatina se liga diretamente ao DNA humano, provocando assim a morte de células boas e ruins. O composto de paládio, por sua vez, atua especificamente sobre uma enzima, a chamada topoisomerase. Trata-se de elemento fundamental do processo de replicação celular, porém, mais abundante nas células cancerígenas, já que elas se reproduzem de forma mais acelerada. O que o paládio faz é inibir essa enzima. Com isso, as células cancerosas ficam impedidas de se reproduzir e morrem. “E uma vez que o mecanismo de atuação do composto é diferente do da cisplatina, ele dribla a resistência do câncer ao tratamento”, acrescenta.

Para viabilizar o uso do paládio no combate à massa tumoral, os pesquisadores relatam que foi necessário desenvolver moléculas mais estáveis contendo o metal, uma vez que ele é absorvido muito rapidamente pelo organismo humano, o que dificulta sua penetração nas células cancerígenas.

Em sua próxima etapa, o projeto avança para os testes em seres vivos. “A ideia é começar essa fase, normalmente feita com ratos, ainda este ano. Só depois disso é que vêm os experimentos com humanos. Até que o fármaco chegue ao mercado, pode levar uma década. Os resultados alcançados até o momento, no entanto, são promissores”, diz Victor Marcelo Deflon, professor do IQSC-USP e coordenador da pesquisa.

DOENÇA AGRESSIVA  

Embora não seja o mais comum, o câncer de ovário é descrito na literatura médica como o mais grave entre os tumores ginecológicos. Segundo o oncogeneticista André Murad, professor do Departamento de Clínica Médica da UFMG, além de ser agressiva a doença costuma avançar silenciosamente, o que dificulta a detecção precoce.

“Ao contrário de cânceres como o de colo de útero, por exemplo, que o médico consegue detectar por meio de um exame simples como papanicolau, o tumor de ovário requer investigação minuciosa, com exames de imagem. Mesmo assim, há risco de falha. Com isso, o diagnóstico costuma ser tardio, ou seja, quando a massa tumoral já se ramificou. Mesmo nos Estados Unidos, país de medicina avançada, a taxa de cura é da ordem de 50%”, explica.

Ainda de acordo com o especialista, em casos em que a enfermidade é descoberta tardiamente, a taxa de resposta ao tratamento com cisplatina é baixa. “De 90 a 95% dessas pacientes apresentam tumores resistentes”, diz. O Brasil chega a registrar 6 mil novos casos de câncer de ovário por ano. O número é do Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca).





"Uma vez que o paládio se liga à topoisomerase e não direto ao DNA, as células tumorais, que apresentam essa enzima em maior quantidade, se tornam uma espécie de ímã para ele. Isso, em tese, explica por que o composto é tão seletivo, ou seja, vai direto no tumor, sem destruir os tecidos saudáveis"

Carolina Oliveira, 
Pesquisadora da UFU







Publicidade