Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Vacinação: idade é mais importante que comorbidades, diz especialista

Estudo sugere que, do ponto de vista da propensão para óbito em pacientes internados com COVID-19, idade influencia mais nesse desfecho do que doenças prévias


02/06/2021 11:37 - atualizado 02/06/2021 12:00

(foto: Iakovos Hatzistavrou/AFP )
(foto: Iakovos Hatzistavrou/AFP )

São Paulo é o estado brasileiro com um dos maiores números de casos confirmados e graves da COVID-19, com incidência de 294 internações por 100 mil habitantes. Isso justifica a escolha da região para estudo que comparou o quadro clínico e como se desenvolveu a doença em pacientes hospitalizados na capital paulista, considerando o perfil de cada indivíduo infectado.

Uma conclusão importante é que, do ponto de vista da propensão para óbito em pacientes internados, a idade é um fator que influencia mais nesse desfecho do que entre pessoas que apresentam comorbidades. Os riscos de morte são proporcioanais ao avanço da idade.

Na pesquisa coordenada pela equipe composta por Julio Croda, Patricia Vieira da Silva, Silvano Barbosa de Oliveira, Juan José Cortez Escalante, Maria Almiron, Daniel Henrique Tsuha, Helena Keico Sato , Paulo Rossi Menezes, Regiane Cardoso de Paula, Tatiana Lang D'Agostini, divulgada em artigo científico, participaram 120.804 pacientes, acompanhados entre 26 de fevereiro e 10 de outubro de 2020. As características dos pacientes que morreram e sobreviveram, após contrair a COVID-19, foram comparadas usando uma análise de sobrevivência.

A média de idade observada foi de 60 anos, sendo 67.821 (56,1%) homens e 61.659 (51,0%) brancos. A maioria dos pacientes hospitalizados, 79.812 (66,1%) relatou uma ou mais comorbidades. Do total de pessoas internadas, 41.708 (34,5%) foram admitidas em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) e 33.079 (27,4%) morreram.

Homens, idosos, pessoas com doença cardiovascular crônica, hipertensão, doença pulmonar crônica, diabetes e doença neurológica crônica apresentavam maior risco de morte ocasionada pelo coronavírus.

A pesquisa sugere, dessa maneira, que os mais velhos continuem com prioridade nos grupos para vacinação. Julio Croda lembra que a vacina tem um efeito protetor em potencial para os idosos, como informa a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Portanto, a entidade não recomenda um limite de idade superior para a imunização - dados recolhidos durante o uso subsequente em vários países e os dados de imunogenicidade solidária corroboram essa informação.

"Não há razão para acreditar que a vacina tem um perfil de segurança diferente em populações mais velhas e jovens. A OMS recomenda que os países que utilizem a vacina em faixas etárias mais velhas realizem monitorização de segurança e eficácia para verificar o impacto esperado e contribuir para tornar a recomendação mais robusta para todos os países", diz o infectologista.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade