Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Risco de trombose para quem toma vacina é raríssimo, afirma especialista

Complicação é possível e grave, porém, muito rara. Hematologista recomenda vacinação: 'Ter COVID-19 grave traz muito mais riscos'


19/05/2021 15:05 - atualizado 19/05/2021 15:28

(foto: Pixabay)
(foto: Pixabay)

Com o avanço das campanhas de vacinação contra COVID-19 no Brasil, algumas dúvidas começam a surgir, e alguns medos também. Afinal, a imunização contra o Sars-Cov-2 é mesmo capaz de causar quadros de trombose – formação de coágulo sanguíneo em uma ou mais veias do corpo?

Sim, porém, essa complicação em decorrência da vacina contra o novo coronavírus é raríssima, conforme o hematologista e patologista clínico Daniel Dias Ribeiro, do Laboratório São Paulo. 

Mas como isso é possível? Segundo o especialista, antes de mais nada, é importante entender os tipos de vacina e como elas agem no organismo humano a fim de provocar a trombose. “Há diferentes metodologias de vacinas. Há vacinas que usam agentes patogênicos inteiros em sua composição, mortos ou atenuados, que são inoculados no organismo humano para criar imunidade contra certas doenças.” 

“Por sua vez, em outra metodologia usada para a produção de vacinas, apenas uma proteína chamada Spike, ou proteína S do coronavírus (antígeno), que será transportada para o organismo humano por vetores (vírus que servirão de transporte). Quatro das vacinas mais utilizadas no mundo utilizam como vetor o adenovírus. É nesse cenário que algumas pessoas, após receber as vacinas que utilizam adenovírus como vetor, podem desenvolver anticorpos do tipo anti-fator 4 plaquetário.” 

Esses anticorpos, então, conforme Daniel Dias Ribeiro, fazem com que as plaquetas se agreguem, o que leva a uma diminuição no número de plaquetas e à trombose. Nesses casos, os sintomas mais comuns são o aparecimento de hematomas e petéquias – pequenas manchas marrom-arroxeadas causadas pelo sangramento sob a pele – devido à baixa de plaquetas.

Diferentemente do usual, as tromboses relacionadas à vacina ocorrem com frequência em locais pouco comuns, como vasos abdominais e seios venosos cerebrais. 

Daniel Dias Ribeiro, hematologista e patologista clínico do Laboratório São Paulo(foto: Maio Comunicação/Divulgação)
Daniel Dias Ribeiro, hematologista e patologista clínico do Laboratório São Paulo (foto: Maio Comunicação/Divulgação)
Porém, o hematologista comenta que esses quadros são raríssimos. “Estudos já comprovaram que a incidência deste efeito adverso grave é de aproximadamente 8 para cada milhão de vacinados, o que torna a incidência de trombose decorrente da vacina uma reação raríssima, tendo em vista o número de casos de trombose decorrentes de outras causas. Como exemplo, na prática clínica, temos um caso de trombose para cada mil pessoas acompanhadas durante um ano, o que estabelece uma proporção de mil casos para cada milhão de pessoas.” 

“Situações comuns do dia a dia que aumentam o risco de trombose, como voos com mais de oito horas, têm uma incidência de 217 para cada milhão de pessoas. E observando os dados divulgados pelas empresas que estão desenvolvendo as vacinas temos: a de Oxford registrou média de 8 casos para cada milhão de pessoas vacinadas. No caso da Pfizer, foram 1,3 casos por milhão e nos testes da Johnson e Johnson foram registrados 2,1 casos para cada milhão de pessoas vacinadas.” 

Segundo o médico, são números muito baixos, o que caracteriza a trombose em decorrência da vacina como muito rara. Ele, inclusive, lembra que, por ter milhares de pessoas sendo vacinadas neste momento, pode ser comum uma associação sem reação de causalidade. Isto é: terá pacientes com trombose na qual a causa não será a vacina. 

TRATAMENTO 


Nos casos em que ocorrer a trombose, Daniel Dias Ribeiro destaca que o mais importante é que o quadro seja diagnosticado com rapidez. Justamente por isso, é necessário que os pacientes fiquem atentos aos primeiros 20 dias após a vacinação.  

“As tromboses de seio venoso cerebral se manifestam com dores de cabeça importantes associadas a outros sintomas neurológicos, já as tromboses abdominais se manifestam como dor abdominal. Os locais mais comuns de trombose são membros inferiores e pulmões e tem como manifestação o inchaço dos membros inferiores e a falta do ar e dor para respirar, respectivamente. O uso de imunoglobulina e anticoagulação são as bases do tratamento”, informa o hematologista. 

OPTE PELA VACINA 


Os riscos do tromboembolismo venoso das pessoas que internam com COVID-19 é muito maior que o risco de trombose associado à vacina. É o que garante Daniel Dias Ribeiro. “Cerca de 20% a 30% dos pacientes que internam no CTI com COVID-19 vão apresentar algum tipo de evento tromboembólico”, afirma. 

Nesse cenário, o especialista pontua que a vacinação é uma medida de extrema importância para reduzir casos de trombose decorrentes do internamento por COVID-19. Em resumo, a vacina é muito mais segura do que estar exposto à doença, conforme o médico.

Ele, inclusive, recomenda: “Não deixe de se vacinar quando a vacina estiver disponível para você, e não escolha a vacina. Neste momento que estamos vivendo, o imunizante que estiver disponível é o que você deve tomar”, aponta. 

A jornalista e assessora de marketing e comunicação Clara Fernandes Santos da Silva, de 24 anos, teve receio antes se vacinar em razão de seu histórico familiar. Ela conta que diversas pessoas de sua família tiveram problemas decorrentes de varizes e má circulação, especialmente envolvendo o uso de contraceptivos. “Em 2019, meu pai passou por uma cirurgia de varizes, o que me fez ficar ainda mais atenta a possíveis sintomas.” 

O momento em que Clara Fernandes Santos da Silva, de 24 anos, se vacinou contra COVID-19(foto: Arquivo pessoal)
O momento em que Clara Fernandes Santos da Silva, de 24 anos, se vacinou contra COVID-19 (foto: Arquivo pessoal)
“Em 2020, enquanto estava trabalhando em home office, comecei a sentir muitas dores fortes nas pernas, devido entre outros fatores à falta de movimentação e o excesso de horas sentada. Esse fato me fez ficar atenta para a possibilidade de problemas de má circulação. Desde então, faço exames periódicos e pratico exercícios para prevenir o surgimento de varizes e outras questões. Quando fui me vacinar, procurei saber mais sobre e não tive medo, pois estava munida de informações.” 

Ela deixa um recado sobre um aprendizado que teve atuando com comunicação na área da saúde. “Todo ‘risco’ deve ser avaliado dentro de um quadro clínico. Para evitar pânico, é importante que todos se conheçam, saibam como anda a sua saúde e quais suas predisposições. Independentemente da pandemia, cuido da minha saúde. Além disso, fico sempre atenta aos sinais do corpo. Com essa postura e o acesso à informação confiável, me sinto segura para tomar as melhores decisões, respeitando as recomendações. Estou muito feliz de ter recebido a vacina, e recomendo a todos”, diz. 

*Estagiária sob a supervisão da editora Teresa Caram 
 


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

 

Os chamados passaportes de vacinação contra a COVID-19 estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países.

O sistema de controle tem como objetivo garantir o trânsito de pessoas imunizadas e fomentar o turismo e a economia.  


Especialistas dizem que os passaportes de vacinção impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas

[VIDEO4]

 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

[VIDEO3]

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade