Publicidade

Estado de Minas CONTA-GOTAS

Durma bem e não adoeça


postado em 23/02/2020 04:00

(foto: Lucas Pacífico/CB/D.A Press)
(foto: Lucas Pacífico/CB/D.A Press)


Pesquisa realizada pela Universidade de Michigan apontou que não dormir o suficiente, entre seis e nove horas por noite, pode até triplicar as chances de cometer erros no trabalho, em decorrência da baixa concentração, além de aumentar em mais de 40% as ocorrências de doenças relacionadas à imunidade. “É preciso entender o sono como um agente regulador do organismo. A curto prazo, a privação do sono pode causar prejuízos cognitivos, mau humor, cansaço, incapacidade de concentração e acentuar a produção de cortisol, hormônio relacionado ao estresse”, comenta Renata Federighi, consultora do sono. Noites maldormidas também podem ser responsáveis por doenças cardiovasculares, câncer, diabetes e depressão. “A queda da imunidade causada pelos problemas para dormir aumenta o número de ausências, diminui a atenção nas tarefas e no raciocínio, o que faz crescer a quantidade de erros”, destaca a especialista.



(foto: AtitudeCom/Divulgação)
(foto: AtitudeCom/Divulgação)


Filtro solar, bronzeador e maquiagem ‘queimam’ os olhos
Levantamento realizado pelo oftalmologista Leôncio Queiroz Neto, do Instituto Penido Burnier, mostra que, durante dias mais quentes, 20% dos casos de conjuntivite, doença ocular mais frequente no calor, são do tipo tóxica ou alérgica, que começa com uma sensação de queimação nos olhos. “O filtro solar responde por 46% dos casos, bronzeadores por 39% e a maquiagem por 15%”. afirma. Como prevenção, o ideal é evitar o uso excessivo desses produtos, enxugar o suor na área dos olhos com lenços descartáveis e lavar os olhos abundantemente sempre que ocorrer contato com substâncias. Quando a doença já está instalada, deve-se interromper o uso do agente causador. Caso os sintomas não desapareçam em dois dias, a orientação é consultar um oftalmologista para evitar sequelas na visão.



Dentes com lentes de contato
Lentes de contato corrigem problemas de visão e de... dentes! Pelo menos as de cerâmica, que corrigem e recuperam a harmonia do sorriso. “A reabilitação oral com facetas laminadas é um importante avanço da odontologia estética, porque é uma alternativa menos invasiva que trata de forma mais ágil manchas permanentes, dentes lascados, separados ou muito pequenos, com resultados bem naturais”, afirma a cirurgiã-dentista Shalimar Salles, especialista em dentística. A técnica, que surgiu em 1980, consiste em lâminas muito finas, quase transparentes, feitas de cerâmica, que são resistentes a pigmentos alimentares, ou resina, que são coladas na superfície do dente.
 
 
 
(foto: TED ALJIBE/AFP)
(foto: TED ALJIBE/AFP)

Responda sem medo
Em Exercícios de coragem, escrito pela jornalista e coach Juliana De Mari, o leitor vai encontrar 100 cartas com perguntas para estimular a autoconfiança, de forma lúdica e leve. As questões podem ser respondidas individualmente, uma por dia, como autorreflexão, ou em grupo, para estimular a troca de experiências e visões sobre o tema.

Exercícios de coragem – 100 cartas para estimular a sua autoconfiança
» De Juliana de Mari
» Editora Matrix
»  R$ 38



Cuidado com os fones de ouvido
Segundo a Organização Mundial da Saúde, cerca de 1 bilhão de pessoas no mundo têm alguma deficiência auditiva e uma em cada dez sofrerá com perda incapacitante até 2050. Os jovens são um exemplo de “ouvinte médio” que costumam expor a audição por meio dos fones a uma altura entre 75 e 100 decibéis, seja em jogos ou música, enquanto o limite seguro é de 80. Segundo a fonoaudióloga Mariana Rodrigues, é preciso atenção a um modelo de fone muito comum nos jogos atuais – os headset. O acessório oferece a praticidade de o usuário conversar e escutar os outros jogadores. “Levando em conta que os gamers permanecem por diversas horas expostos a altos volumes, pode-se inferir que há um aumento na chance de haver perda auditiva nessa população no futuro. O nosso ouvido tem mecanismos de proteção, mas a exposição excessiva ao ruído pode gerar lesão nas células da orelha interna, acarretando perda auditiva, que é irreversível”, destaca a profissional. Alguns cuidados são imprescindíveis quando o assunto é prevenção: saber dosar tempo de exposição e altura do aparelho pode ser um bom começo.


Publicidade