Publicidade

Estado de Minas CONTA-GOTAS

Mau uso do fone de ouvido


postado em 05/01/2020 04:00

(foto: Nokia/Divulgação)
(foto: Nokia/Divulgação)
]
 
No trabalho, no transporte e até mesmo na hora de dormir, utilizar fones de ouvido é uma prática muito comum no dia a dia das pessoas. Mas saiba que deixar o volume além dos 80 decibéis é perigoso. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), aproximadamente 50% dos jovens, entre 12 e 35 anos, o que representa mais de um bilhão de pessoas, correm o risco de perder a audição, e uma em cada 10 pessoas sofrerá de perda auditiva incapacitante até 2050, o dobro do número atual. “A exposição a ruídos muito altos, seja em shows e baladas, ou pelo uso de fones de ouvido, é muito prejudicial. Mas é possível, com bons hábitos, evitar problemas na audição. O tempo de exposição pode fazer a diferença”, afirma Gilberto Ulson Pizarro, otorrinolaringologista do Hospital Paulista. O tempo de uso, o nível do volume e o tipo dos fones de ouvido são determinantes para manter a boa saúde auditiva. “É possível escutar música por até 8 horas, diariamente, com o volume abaixo de 80 decibéis. Porém, quanto maior o volume, menor o tempo de uso. Por exemplo, acima de 100 decibéis, o tempo cai para 4 minutos por dia”, explica o especialista. Para saber se o som está adequado, basta observar o indicador de volume.
 
(foto: Pixabay/ Reprodução)
(foto: Pixabay/ Reprodução)
 
 
Pés e mãos tendem a inchar no verão
 
O calor típico do verão brasileiro é sinônimo de pés e mãos inchados para algumas pessoas. O incômodo é resultado de um processo natural do organismo no intuito de controlar a temperatura corporal entre 36°C e 36,5°C, a fim de manter o funcionamento padrão dos órgãos. Segundo Walter Campos, cirurgião vascular do Hospital Edmundo Vasconcelos, esse controle de temperatura ocorre por meio da vasodilatação das artérias, que tendem a concentrar o calor nas extremidades e, por isso, os pés e mãos são os mais afetados com o inchaço. “O fluxo sanguíneo dos membros aumenta, dilatando as veias e causando uma maior pressão capilar – sistema responsável pela troca de nutrientes do sangue. Essa pressão tende a liberar líquidos no tecido, ocasionando o inchaço”, acrescenta. Apesar de não ser uma sensação agradável, o médico esclarece que não há nada com que se preocupar e todos estão sujeitos a esse tipo de edema periférico em dias quentes. E não há maneiras de evitar esse inchaço natural. “É importante que, quando surgir alguma característica diferente da habitual em dias de temperaturas altas, a pessoa procure um médico para investigar a causa e iniciar o tratamento adequado”, explica. 
 
(foto: Victor Schwaner/Divulgação)
(foto: Victor Schwaner/Divulgação)
 
 
Dieta de amigo? Nem pensar
 
O crescente acesso à internet e a troca de receitas entre conhecidos estimulam centenas de pessoas a arriscar seguir uma dieta passada por parentes ou amigos sem ter contato direto com o médico. Qualquer dieta de terceiros pode causar perda de nutrientes, baixar a imunidade e proporcionar ganho de peso. A situação é um alerta para 18,9% dos brasileiros obesos, conforme o Ministério da Saúde, sendo que, mais da metade da população, 55,7%, têm excesso de peso. Adauto Versiani, presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, afirma que o cuidado com dietas é importante, pois cada pessoa tem um organismo e corpo diferentes, absorve calorias de forma diferente e, portanto, necessita de vitaminas específicas. “Seguir dietas prescritas para outras pessoas sem acompanhamento médico é muito perigoso. Vale lembrar que, nem sempre, o resultado é em curto prazo e que pode não perder peso com as recomendações indicadas para outras pessoas.”
 
(foto: Leandro Couri/EM/D.A %u2013 16/7/14)
(foto: Leandro Couri/EM/D.A %u2013 16/7/14)
 
 
Dicas para manter a pele livre de manchas
 
Com a chegada da alta temperatura vem a vontade de deixar as pernas de fora. Pensando nisso, Sônia Basílio, depiladora que atende pela Singu, marketplace de beleza e bem-estar, reuniu algumas dicas para evitar o desgaste e as manchas na pele durante a depilação. Quando a pele é exposta aos raios solares, gera uma certa sensibilidade e, por isso, a cera quente pode se tornar um possível agressor no momento da depilação, causando manchas e queimaduras. “O ideal é evitar o contato com o sol antes e depois da depilação, mas caso não tenha como fugir, é fundamental o uso do protetor solar”, afirma. Descartar o uso de produtos que contenham álcool na composição, como colônias e desodorantes, também é importante para deixar o desconforto longe da pele no pós-depilatório. “Manter as regiões que serão depiladas hidratadas ajuda a amenizar a sensibilidade e faz com que os pelos não encravem”, completa a especialista. O processo da depilação começa muito antes do que parece. Esfoliar a pele com leves movimentos circulares remove as células mortas e garante que os pelos não encravem. A esfoliação deve ser feita pelo menos três dias antes da depilação por causa da sensibilidade. 
 
Cuidado com a saúde mental no tratamento do câncer
 
O primeiro mês do ano, marcado pela Campanha Janeiro Branco, serve como um alerta para que as pessoas em tratamento oncológico procurem ajuda para manter a mente saudável. De acordo com a psicóloga da Oncomed Renata Ribeiro, os impactos psicológicos dos pacientes com câncer são percebidos desde o diagnóstico da doença até o pós-tratamento devido a uma série de fatores, como medo do prognóstico e da morte, estigmatização do câncer, mudança no papel familiar e na autoimagem, entre outros. “Por isso, a depressão, o estresse e a ansiedade são aspectos psicológicos mais comuns. É importante que o paciente e sua família sejam acompanhados durante todo o processo, inclusive após o tratamento, em que podem vivenciar dificuldades de retornar às atividades sociais e ao trabalho”, destaca. A especialista afirma que todos os cânceres geram impacto psicológico nos pacientes, no entanto, na mulher, o câncer de mama costuma causar mais efeitos. “Por conta da autoimagem, já que muitas vezes a paciente precisa retirar o órgão afetado, e também pode ocorrer a queda dos cabelos por conta do tratamento, o psicológico fica mais abalado”, afirma. Além dos próprios pacientes, os cuidadores e as famílias têm a saúde mental afetada. Para uma saúde mental e emocional plena, a psicóloga sugere viver um dia de cada vez, buscando ter qualidade de vida nos aspectos emocionais, sociais, físico 
e espiritual. 


Publicidade