Publicidade

Estado de Minas CONTA-GOTAS

Melasma: o que É e como tratar


postado em 08/12/2019 04:00

(foto: George Doyle/Lorena Vago/Reprodução )
(foto: George Doyle/Lorena Vago/Reprodução )

O melasma é um problema dermatológico caracterizado por manchas escuras na pele, que variam do tom castanho-claro ao preto. Normalmente, elas aparecem em locais que ficam mais expostos ao Sol, como a face, o colo, o pescoço e as costas. Mas podem surgir também na parte posterior dos braços e nas mãos. No rosto, local de maior incidência, é comum que as bochechas, a testa e a região acima dos lábios sejam afetadas. As manchas de melasma têm bordas irregulares, simétricas e reticuladas. Geralmente, são maiores que um centímetro e podem ocupar grande extensão. Além disso, podem surgir dos dois lados do corpo, de forma simétrica. Dermatologista à frente da A Clinic, Fernanda Aragão ressalta que o melasma não está relacionado ao câncer de pele, sendo uma condição benigna. “No entanto, as manchas podem trazer prejuízo para o bem-estar e a autoestima da pessoa. Sendo assim, é importante realizar o tratamento para controlar e prevenir o surgimento do caso”, completa. Ela lembra que o problema não tem cura, mas tratamentos possibilitam melhorar o aspecto das manchas, como o laser Etherea, que age quebrando o pigmento em micropedaços e reduz gradativamente a produção de novos pigmentos. Ela cita também o MMP ou Microinfusão de Medicamento na Pele, que ainda pode ser usado para melhorar o aspecto de cicatrizes de acne, queloides, vitiligo, estrias e lesões decorrentes da exposição ao sol. Tem, ainda, o peeling químico, que pode ser combinado com outras técnicas para resultados melhores. “Ele é feito com ácidos que promovem a eliminação de uma camada mais profunda da pele, com o objetivo de clarear manchas, melhorar a irrigação sanguínea e a textura da pele e estimular a produção de colágeno.”



O que fazer após torcer o pé
Se o tecido lesionado não for cuidado da forma correta, o que inclui a fisioterapia, pode gerar instabilidade crônica do tornozelo. Na maioria dos casos, a entorse atinge os ligamentos do tornozelo, podendo se tratar de um estiramento ou rompimento, com lesões de intermediárias a graves. O ortopedista Renato Masagão explica que existe um paralelo entre o grau da lesão e o grau de incapacidade e de dor. "Quanto mais grave, mais dor e maior a dificuldade de mover o tornozelo". O primeiro passo para tratar é verificar a extensão do dano, e, a partir daí, é analisada a melhor opção de tratamento, que, raramente, inclui cirurgia. De uma forma geral, é uma combinação de imobilização, repouso e fisioterapia. Segundo o médico, a fisioterapia é essencial, porque diminui as dores, ajuda a fortalecer os músculos da região, trabalha e estimula a propriocepção, o equilíbrio e a flexibilidade, o que possibilita o retorno às atividades diárias, proporcionando um bom controle da articulação. “Além disso, o trabalho do fisioterapeuta é também reeducar o pé para evitar novos entorses e quedas, conquistando ainda uma postura melhor e movimentos perfeitos e eficazes", conta a fisioterapeuta Gislaine Milena Marton, proprietária da clínica Quality Fisio & Pilates. Segundo Milena, cerca de 30% dos casos de entorses evoluem para um quadro que se chama instabilidade crônica do tornozelo, que causa dor na região externa, dificuldade de caminhar, inchaço, rigidez, além de deixar a região mais suscetível a entorses de repetição, lesionando até outras estruturas ósseas, cartilagens e outros ligamentos que estavam íntegros", explica a fisioterapeuta. Portanto, é imprescindível procurar tratamento nesses casos e realizá-lo até o fim, para garantir a saúde dos tornozelos e ligamentos, bem como a qualidade de vida e capacidade de exercer todas as atividades diárias sem dor.
 
 
 
(foto: )
(foto: )
Homens precisam fazer reposição hormonal?
Além de falar sobre a importância de diagnosticar precocemente o câncer de próstata, a campanha Novembro Azul também alerta para outros problemas que podem afetar a saúde do homem. A hiperplasia da próstata e a deficiência de testosterona estão entre eles e podem acometer homens com idade avançada. O urologista Augusto Caparica, da Rede de Hospitais São Camilo, de São Paulo, explica que a deficiência de testosterona é uma síndrome com sinais e sintomas clínicos. Segundo ele, a deficiência de testosterona é mais frequente à medida que o homem envelhece, por isso é conhecida pela sigla Daem – Deficiência Androgênica do Envelhecimento Masculino. Entenda a seguir mais sobre essa síndrome:

» Quais os sintomas da Daem? Os sintomas da deficiência de testosterona são piora na vida sexual (queda na libido), perda de massa muscular, cansaço, obesidade central e irritabilidade.

» Como a síndrome influencia a vida do homem? O homem com deficiência de testosterona pode sofrer com alterações de humor, sensação de tristeza e desânimo, queda da libido e diminuição de energia e força muscular, influenciando seu bem-estar.

» É possível reverter? Quais os tratamentos? Há vários tratamentos disponíveis para reposição hormonal. Os mais usados são gel transdérmico ou injeção intramuscular trimestral.

» O médico frisa que o acompanhamento é feito com dosagens regulares do nível hormonal no sangue. Já a hiperplasia de próstata se caracteriza pelo crescimento do tecido glandular da próstata. Assim como a Daem, a doença é mais comum com o avanço da idade.
 
 
Grupo de Oração 
Nhá Chica
Amanhã, às 19h, o Grupo de Oração Nhá Chica realiza mais um encontro no Salão Paroquial da Igreja Nossa Senhora da Boa Viagem, na Rua Sergipe, 175, Bairro Funcionários. Informações pelo (31) 99941-9389, com o coordenador Márcio Barros.
 
 
 
(foto: Carol Reis/Divulgação)
(foto: Carol Reis/Divulgação)
Natal Solidário
O BH Shopping convida os clientes a apoiar algumas ações que beneficiam crianças carentes. A primeira delas é o projeto Árvore do Bem. São quatro árvores, localizadas nos pisos BH, Nova Lima, Ouro Preto e Mariana, contendo cartões com nomes de crianças de 2 a 6 anos de idade. Participar é fácil. Até o dia 15, o cliente escolhe um dos cartões localizados na árvore, compra um presente adequado para a idade da criança, cola o cartão no presente e devolve para as caixas dispostas pelo shopping. Ao final da campanha, o mall realizará a entrega em cada instituição inscrita. O intuito é beneficiar mais de 1 mil crianças de oito organizações: Centro de Educação Infantil Caminhando com Jesus, Creche Comunitária Casinha dos Anjos, Instituto Batista Itatiaia, Creche Madre Garcia, Creche Comunitária Recanto Verde, Creche Sementes do Amanhã, Creche Comunitária da Vila Piratininga e Creche Vovó Geralda Lucas.


Mitos sobre obesidade
A obesidade vem crescendo assustadoramente ao longo dos anos. Dados da OMS constatam que o número quase triplicou desde 1975. Tanto é que são inúmeras as ações, pesquisas, estudos e tratamentos que vêm sendo realizados com o intuito de combater essa epidemia. Porém, de acordo com o gastroenterologista Mauro Jacome, que atende pacientes obesos há mais de uma década, infelizmente, ainda existem ideias equivocadas e mitos que acabam prejudicando quem deseja e precisa perder peso. Entre eles, a de que a obesidade é uma escolha; que não tem relação genética; que as calorias dos alimentos são todas iguais; o pensamento de que metas realistas evitam frustrações na perda de peso; que algumas pessoas acima do peso não podem ser consideradas saudáveis; achar que a obesidade é problema apenas de países ricos; e que a amamentação não está ligada à doença. Ele aconselha conversar com um especialista, tirar suas dúvidas e manter uma vida com escolhas, pensamentos e ações saudáveis.


Publicidade