Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Momento de comunhão


postado em 16/06/2019 04:04

 Para a nutricionista e chef Pâmela Archibusacci Sarkis, a comida confortável é aquela feita com cuidado, carinho, que seja gostosa e que dê saciedade(foto: Túlio Santos/EM/D.A Press - 1/2/18 )
Para a nutricionista e chef Pâmela Archibusacci Sarkis, a comida confortável é aquela feita com cuidado, carinho, que seja gostosa e que dê saciedade (foto: Túlio Santos/EM/D.A Press - 1/2/18 )



Para a nutricionista Pâmela Archibusacci Sarkis, cada pessoa com certeza vai associar ao que mais gosta hoje ou ao que mais gostava antigamente ao definir o comfort food. “Eu, particularmente, lembro-me bem do macarrão com molho de tomates com frango e salsicha da minha bisavó quando ela era viva. Íamos a família todos os domingos lanchar lá e sempre tinha a famosa macarronada. Hoje, o que é confortável para mim? Uma comida às vezes nem tão leve, mas saudável, feita com cuidado, carinho, que seja gostosa e que me dê saciedade, aguce sentidos, traga conforto primeiramente na boca, sensação de prazer, e depois saciedade sem peso, prostração. Toda comida que remete a esse conceito, normalmente, tem alto valor calórico, então o segredo é moderar na quantidade.”

Para Pâmela, “as papilas gustativas são células muito sensíveis e quando degustamos algum alimento assim, com calma, traz a sensação de conforto e felicidade. A digestão do carboidrato começa na boca, e quando liberamos a saliva que contém a enzima amilase salivar, ativamos a digestão. Quanto mais mastigamos, mais doce o carboidrato fica, pois o amido se quebra em moléculas menores e o produto final é a glicose, que é doce. A gordura preenche os espaços entre as papilas gustativas, formando um veludo dentro da boca. Qual o alimento perfeito para essa sensação? Nem preciso falar que é o chocolate...”.



RECEITA


Almôndegas de salmão com abóbora

Pâmela Archibusacci Sarkis escolheu compartilhar uma receita versátil para despertar seu paladar. “O salmão é um peixe bastante gorduroso que provoca a sensação de saciedade, é fácil de encontrar, saudável e pode ser servido sozinho assado para quem quer um petisco, só com molho de tomates ou espaguete de pupunha, para quem quer a versão low carb, ou com espaguete comum para quem quer uma boa macarronada!

. Ingredientes: 500g de salmão processado sem pele (processar no processador), 1 colher de sopa de
semente de chia (para dar liga),
1 xícara de chá de abóbora-moranga ralada (para dar volume e fibras),
1 colher de sopa de aveia em flocos finos (para dar liga),
1 cebola picada
1 colher de chá de azeite
1 colher de chá de sal
2 dentes de alho amassados
cheiro verde e pimenta-do-reino
a gosto

. Preparo: Coloque o azeite na frigideira antiaderente e refogue a cebola com alho e sal. Quando esfriar, coloque em uma tigela grande. Misture o salmão processado, abóbora, chia, aveia, cheiro-verde e pimenta-do-reino. Faça bolinhas médias e leve para assar em tabuleiro antiaderente ou tabuleiro forrado com papel-alumínio até corar. Quando corar, sirva como quiser: bolinhas quentes ou frias, com molho de tomates, com purê de batatas...
da maneira mais confortável para
você e sua família.


Publicidade