Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Conta-Gotas


postado em 11/11/2018 05:05

(foto: Cristina Horta/EM/D.A Press %u2013 19/11/15)
(foto: Cristina Horta/EM/D.A Press %u2013 19/11/15)




Dor pode estar gravada nos tecidos do corpo
Uma frase muito comum de escutar nos consultórios médicos e clínicas de terapias alternativas é “já tentei de tudo contra a dor”. De fato, a maioria das pessoas tentou mesmo, mas, ainda assim, a dor insiste em voltar. O fisioterapeuta Sérgio Bastos Jr., que trabalha com tratamentos de saúde integrativa para combater dores e doenças crônicas, costuma a dizer: “Quando escutamos a frase ‘já tentei de tudo contra a dor’, percebemos claramente que a pessoa nos encontrou porque está no caminho certo: aquele de descobrir que outras causas, fora as físicas ou mesmo emocionais, estão por trás das dores e doenças crônicas que teimam em diminuir a qualidade de vida”. Segundo o especialista, na maioria das vezes, o agente causador está gravado nos tecidos do corpo, sob a forma de memórias traumáticas de momentos que levam as pessoas a altos níveis de estresse. Ele explica que os remédios podem amenizar os sintomas, mas não acabam totalmente com a dor. Entre os sintomas que podem estar relacionados a essas memórias e que, portanto, podem voltar mesmo com tratamentos convencionais e medicamentos estão enxaqueca, alergias, insônia, falta de apetite, apetite exagerado, síndrome do pânico, estresse crônico e ansiedade. Segundo o médico, eliminar essas memórias traumáticas que causam dor pode ajudar. “Cada um sabe a medida da própria dor e o tempo que precisa para chegar até o ponto de encarar que o problema pode ser mais próximo, e profundo, do que se imagina. Estar disposto a realizar essa transformação é o primeiro passo. Começar a viver livremente, depois disso, é o objetivo da saúde integrativa.”


Causa e tratamento
da celulite

 

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, oito em cada 10 mulheres têm algum grau de celulite. Isso ocorre porque é mais comum a gordura se acumular nas coxas, quadris e nádegas – áreas comuns para a celulite no sexo feminino. A celulite é uma alteração causada pelo acúmulo de gordura, água e toxinas nas células, fazendo com que essas células fiquem cheias e endurecidas, deixando o local com desníveis (ondulações e retrações) e nódulos, que se manifestam externamente por meio dos furinhos indesejados, com a aparência de “casca de laranja”. É causada por alterações no tecido gorduroso sob a pele, em conjunto com alterações na microcirculação e consequente aumento do tecido fibroso. Segundo a farmacêutica Juliana Ponce, existem vários fatores para uma pessoa desenvolver celulite. O excesso de peso é um fator determinante, mas muitas mulheres que têm o peso normal, ou mesmo abaixo do normal, podem apresentar alteração no equilíbrio entre a quantidade de gordura do corpo e a massa muscular. Mas existem diversos tratamentos e atividades que podem auxiliar no combate à celulite, como exercícios físicos, alimentação adequada, drenagem linfática e massagem.



Criação artificial de anticorpos

A norte-americana Frances H. Arnold, seu compatriota George P. Smith e o britânico Gregory P. Winter venceram o Prêmio Nobel de Química 2018 com um trabalho inovador no estudo das proteínas e por conseguirem desenvolver evoluções genéticas dessas macromoléculas em laboratório. Os cientistas foram reconhecidos pelo trabalho de clonar peptídeos, nome dado às moléculas formadas pela ligação de dois ou mais aminoácidos (estruturas que formam as proteínas). O trabalho possibilitou inovações no estudo das ciências biológicas, com a criação artificial de anticorpos capazes de combater enfermidades que afetam o sistema imunológico ou que são responsáveis por alguns tipos de câncer. Por serem moléculas bastante complexas e diversificadas, elas têm muitas funções benéficas para o organismo, que envolvem a produção de colágeno, hormônios e músculos. Outros benefícios do tratamento com peptídeos são proteção contra fraturas, aumento da massa muscular, diminuição da gordura corporal, melhora da capacidade de exercício e redução do risco de doenças cardíacas. Diversos estudos também demonstraram melhora no humor e bem-estar, na qualidade do sono e no tratamento de doenças crônicas.


Plástica na adolescência

A adolescência é uma fase de grandes mudanças na cabeça e no corpo dos jovens, que vem também acompanhada de grandes desafios. A aceitação social da sua própria imagem tende a ser complicada, uma vez que os padrões sociais de aparência e beleza são cada vez mais difíceis de ser alcançados. Por isso, as cirurgias plásticas se tornaram cada vez mais comuns entre os adolescentes. Entre as meninas, os procedimentos cirúrgicos mais comuns são a rinoplastia (plástica no nariz) e a mamoplastia (plástica nos seios). Já entre os meninos, o mais comum são as intervenções plásticas no nariz e nas orelhas. O cirurgião plástico Rogério Bittencourt ressalta que, nas meninas, uma cirurgia de aplicação de prótese mamária pode ocorrer de dois a três anos depois da primeira menstruação. Mas ele deixa claro que depende do caso. “Depende muito do ritmo de desenvolvimento da pessoa. Já os meninos que têm ginecomastia (aumento mamário), devido às mudanças hormonais desse período, devem esperar a fase da puberdade passar e realizar a cirurgia depois. Existem adolescentes que apresentam estrutura corporal infantil ainda com 15 anos. O corpo precisa se desenvolver naturalmente primeiro, pois, uma vez que seja feita intervenção no broto mamário, ele para de crescer. Nos outros tipos de operações plásticas, comuns nessa fase, elas podem acontecer mais cedo. De qualquer forma, tanto para meninas quanto para meninos, a avaliação médica com um cirurgião plástico é sempre fundamental”, afirma Bittencourt. A recuperação de uma cirurgia plástica em um adolescente ocorre de maneira normal, como qualquer outra intervenção cirúrgica, aponta o cirurgião.




Abacate é bom para a saúde

Durante muito tempo, qualquer pessoa que procurasse um nutricionista ou nutrólogo em busca de uma dieta para emagrecimento, certamente teria a recomendação de evitar o abacate. Isso porque a fruta era tida como calórica, além de gordurosa. De fato, o alimento tem essas características, mas à medida que foi se conhecendo mais sobre sua composição foi-se percebendo que havia mais pontos positivos que negativos. É o que defende Rodrigo Polesso, especialista em emagrecimento e certificado em nutrição otimizada em saúde e bem-estar pela Universidade Estadual de San Diego. Hoje, sabe-se, por exemplo, que as gorduras naturalmente presentes nos alimentos podem, ao contrário do que se pensava, melhorar marcadores de saúde importantes, como o colesterol e triglicerídeos, o que ajuda na prevenção de doenças cardíacas, por exemplo. “O abacate é saudável, tem baixo teor de açúcar, é rico em fibras, minerais, magnésio, potássio, ou seja, é uma ótima fonte de alimento”, defende Polesso. A fruta também é rica em lipídios: 77% das calorias no abacate são de gordura. No entanto, as gorduras que compõem a fruta são de alta qualidade, assemelhando-se às propriedades do azeite de oliva. A maior parte da gordura presente no abacate é ácido oleico, um ácido graxo monoinsaturado, que tem sido associado à inflamação reduzida e tem demonstrado efeitos benéficos sobre os genes ligados ao câncer. O problema dentro da dieta é que, principalmente no Brasil, o abacate é consumido com açúcar, ou o adoçante para quem está de dieta. Para quem treina, a fruta também ajuda a melhorar o rendimento, justamente por ser uma boa fonte de energia, o que já o colocou entre os alimentos que deveriam ser evitados por quem quisesse emagrecer.


Ação solidária para a saúde do homem
Neste Novembro Azul, para ajudar na conscientização dos homens sobre cuidar da saúde em diversas áreas, chamando a atenção especialmente para a prevenção ao câncer de próstata, 230 profissionais de saúde da Doctoralia, plataforma que conecta profissionais de saúde e pacientes, oferecerão a primeira consulta sem custo. Trata-se da 1ª edição da Doctoralia Solidária pela Saúde do Homem, que vai contar com especialistas nas áreas de urologia, psiquiatria, psicologia, cardiologia, ortopedia e oftalmologia. A campanha também ocorre no México e na Espanha, totalizando mais de 600 profissionais de saúde à disposição da causa. De acordo com pesquisa sobre saúde masculina realizada pela Doctoralia com 822 pessoas, 71% dos homens assumem ter alguns tabus quando o assunto é saúde, apesar de 88% acreditarem que a internet auxiliou na sensibilização para a importância do cuidado com a saúde. O levantamento também identificou que 78% dos homens acreditam que cuidam da saúde e 62% dizem ter hábitos saudáveis. No entanto, ao contrário das mulheres, que declaram ir periodicamente ao médico (53%), os homens (43%) dizem buscar ajuda raramente: apenas quando se sentem mal. A principal preocupação dos homens é com a saúde cardiovascular (45%), que inclui pontos como colesterol, hipertensão e diabetes, seguida pela atenção com a saúde mental (43%) – depressão, estresse e fobias.

 

 

 

 

Chapinha sem danificar os fios

Grande parte das mulheres brasileiras são adeptas dos cabelos lisos e não vivem sem utilizar a chapinha ou passar no salão para fazer escova progressiva. Porém, o uso constante dessas técnicas pode causar danos sérios aos cabelos. “A chapinha, por exemplo, quando utilizada em uma temperatura muito alta e sem protetor térmico, pode causar ressecamento extremo nos cabelos e queimaduras nos fios, chegando até mesmo a formar bolhas no couro cabeludo. Os mesmos danos também podem ser causados pelo secador, quando utilizado em temperaturas muito altas. Em alguns casos o dano é tão grande que é praticamente irreversível, tornando difícil para o profissional recuperar esse fio”, alerta Rita Paixão, hairdresser do Lefil Beauty. Mas é possível prevenir esses danos por meio de alguns cuidados na hora de utilizar a chapinha, como não usá-la todos os dias, já que o excesso de calor pode deixar os fios sensíveis e desbotados, além de causar grande ressecamento, interferindo até mesmo nos processos químicos. É importante também não usar a chapinha com o cabelo molhado, pois a água facilita que os fios queimem”, alerta a especialista. Além disso, antes de usar chapinha e secador você deve passar um bom protetor térmico para evitar a desidratação do fio. E também devemos ser cautelosos na hora de realizar processos químicos, principalmente escovas progressivas e tinturas, pois esses também danificam os cabelos. Para reduzir e evitar os danos aos fios o ideal é esperar no mínimo três meses entre um processo químico e outro e, na hora de realizar a manutenção, retocar apenas a parte que cresceu, refazendo todo o comprimento só quando necessário.

 

 


Publicidade