Publicidade

Estado de Minas

Mineiros aderem a leilões on-line de máquinas agrícolas

Venda equipamentos por meio dos portais na internet agiliza o negócio e o cliente pode reduzir o custo da operação, mas é preciso conferir conservação dos bens


postado em 11/12/2017 06:00 / atualizado em 14/12/2017 14:57

MG é o terceiro estado que mais usa o sistema on-line(foto: Reprodução / Internet)
MG é o terceiro estado que mais usa o sistema on-line (foto: Reprodução / Internet)

Os leilões on-line de máquinas e equipamentos agrícolas conquistaram os mineiros e o estado já responde por 13,3% das ofertas, atrás de São Paulo (25,6%) e Paraná (15,1%). Outros estados expressivos na produção agropecuária, como Goiás e Rio Grande do Sul, são responsáveis, respectivamente, por 7,7% e 6,8%. Os números são da Superbid, maior empresa de leilões on-line da América Latina e que movimentou mais de R$ 135 milhões em vendas de máquinas industriais e destinadas ao campo, distribuídas em 3 mil lotes nos últimos dois anos.

 Proprietário da Boca Agrícola, autopeças de Caetanópolis, Weslei Gomes Gonçalves participa dos leilões virtuais desde 2011. “A vantagem é que não preciso me deslocar e daqui mesmo, da minha sala aciono os portais e busco os equipamentos, máquinas ou peças de que preciso e os preços são bem convidativos, chegando à metade dos praticados no mercado em geral”.

Weslei admite que a compra pode se transformar num tiro no escuro, uma vez que é preciso ter confiança no fornecedor para comprar o que não se vê fisicamente. Porém garante que em todo esse tempo que participa dessa modalidade de compras, nunca teve nada a reclamar. A dica que ele dá aos interessados é reunir o maior número de equipamentos que queiram adquirir e comprem de uma vez, escolhendo os fornecedores mais próximos. “Assim paga-se um único carreto, a valores mais baixos, devido às distâncias mais curtas”, justifica.

 Até o fim do ano, a expectativa da Superbid é fechar 2017 com receita 20% superior àquela registrada em 2016. As máquinas ofertadas no portal são de propriedade de grandes empresas dos setores de álcool e açúcar, papel e celulose, além da produção de grãos. Elas renovam a sua frota por meio de projetos de desmobilização desses ativos em todo o Brasil. A empresa responsável pelos leilões vistoria os equipamentos, posta fotos e informações sobre o estado de conservação de cada máquina. Muitas delas são vendidas em condições de operação.

 “Diferente da venda direta, o leilão possibilita negociação muito mais rápida dos bens, aproximando a oferta da demanda”, diz Jacqueline Luz, diretora Comercial do Superbid. “Além disso, os preços são melhores do que nas operações de revenda, já que não há intermediários envolvidos que também precisam lucrar com o negócio. Dessa maneira, tanto os vendedores quanto os compradores saem ganhando”, afirma.


O empresário Adilson Eugênio de Lima, da Viação Adilson de Lima Ltda, utiliza a plataforma do leilão on-line há cinco anos para fazer compras e vendas de equipamentos. Só neste ano, ele já negociou aproximadamente R$ 400 mil. Entre os itens adquiridos, estão um trator e um arado, ambos para uso próprio, para manutenção dos seus dois sítios, um com 6,5 alqueires e outro com 1 alqueire de terra.

 De acordo com Adilson Lima, o que o motiva a participar de leilões é a oferta. “Economizo até 50%.

Para fazer um lance, analiso o estado de conservação do produto e a localização. Para mim, a distância máxima de um bom negócio é 300 km. Mais do que isso, o frete não compensa”, afirma. Recomendando cuidado nas transações, o empresário diz que sempre visita o local onde os produtos a ser leiloados on-line estiverem armazenados para certificar-se de que estão em boas condições.

 De acordo com Jacqueline Luz, as pessoas interessadas nesse mercado costumam ser bem informadas sobre as oportunidades oferecidas e sabem tomar boas decisões de negócios. “Mas a relação custo/benefício varia caso a caso. A capacidade de retorno financeiro de um ativo depende dos custos logísticos, do estado de conservação da máquina e das despesas com manutenção e reparo”, afirma. Outras dois fatores importantes são a disponibilidade de mão de obra especializada local e o acesso a peças de reposição e frete”, explica a diretora da Superbid.

 REGRAS O leilão online é muito simples. A data de encerramento é determinada antes do início da oferta. Os participantes têm à disposição um cronômetro, que mostra, em tempo real, quanto tempo falta para que o lote se encerre. Quando o relógio é zerado, o maior lance é considerado vencedor. O lance é um compromisso de compra e o arrematante não pode voltar atrás. Mesmo assim, caso haja algum problema na conclusão da transação, o segundo maior lance passa a ser considerado vencedor.

 O leilão é público, mas para participar é necessário realizar um cadastro prévio no site. Para garantir a segurança dos vendedores, o cadastro inclui informações como RG, CPF e comprovante de endereço (para pessoa física) e CNPJ, contrato social e comprovante de endereço (para pessoa jurídica).

 

Agendamento
Todas as informações dos ativos ofertados ficam disponíveis no edital do leilão. Com esses dados, o interessado pode comparar os preços nos mercados de novos e seminovos e decidir se o negócio vale a pena. Além disso, é possível visitar o local onde o produto está armazenado, desde que seja feito o agendamento. Após o pagamento do lote, a liberação é imediata. O prazo médio para retirada dos lotes é de 20 dias. A retirada é previamente agendada com o vendedor e todos os custos logísticos são incluídos na conta do comprador.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade