Estado de Minas

Megafone do Estado de Minas transmitiu estreia brasileira em Copas do Mundo, em 1930

Fundado dois anos antes da Copa do Uruguai, EM transmitiu a estreia do Brasil no Mundial por meio de um megafone em frente à sede do jornal


postado em 07/04/2018 08:00 / atualizado em 06/04/2018 17:58

Mais de 3 mil pessoas se reuniram em frente à redação do EM para saber o placar da esteria no Uruguai(foto: Arte: Lelis)
Mais de 3 mil pessoas se reuniram em frente à redação do EM para saber o placar da esteria no Uruguai (foto: Arte: Lelis)
Com cerca de 7 milhões de habitantes, Minas Gerais era o estado mais populoso do país naquele julho de 1930, quando a bola rolou para a primeira edição da Copa do Mundo, em Montevidéu, no Uruguai. Dos 37 milhões de brasileiros, 70% viviam na zona rural. Belo Horizonte havia acabado de quebrar a barreira dos 100 mil habitantes e se preparava para uma década de importantes transformações, com o processo de verticalização da região central. Mesmo jovem e pacata, a capital mineira não escapou da euforia do primeiro Mundial, que reuniu 13 seleções no Uruguai – sendo sete sul-americanas.

O campeonato foi anunciado com entusiasmo na edição do Estado de Minas de 13/7/1930: “Inicia-se hoje, em Montevidéo, o Campeonato Mundial de Foot-Ball” dizia a manchete, rivalizando o espaço nobre da capa com a guerra ao cangaço no Nordeste e a viagem da então miss Minas Gerais ao Rio de Janeiro.

Fundado dois anos antes, em 7/3/1928, o jornal dos Diários Associados trazia detalhes de como seria a cobertura da estreia do Brasil diante da Iugoslávia, no dia seguinte: dois placares seriam afixados em frente à redação, na Avenida João Pinheiro, e as informações passadas em tempo real com a “descripção minuciosa de todas as phases da lucta”. Foi assim que, na tarde de segunda-feira, 14/7/1930, cerca de 3 mil pessoas se posicionaram em frente à sede do jornal para ouvir a estreia da Seleção Brasileira, que perdeu para os iugoslavos por 2 a 1, no Parque Central.

Capa do EM de 15/6/1930 mostrava público em frente ao jornal(foto: Reprodução)
Capa do EM de 15/6/1930 mostrava público em frente ao jornal (foto: Reprodução)
Naquela tarde, o Estado de Minas se tornava o primeiro jornal do estado a usar telefone para receber e transmitir informações. “Bello Horizonte teve hontem conhecimento de todas as peripécias do embate sensacional realizado em Montevidéo, a medida que as mesmas se desenrolavam, graças ao serviço de informações do Estado de Minas que esteve, toda a tarde, em communicação com a sua sucursal no Rio que, por sua vez, se estendia directamente com o estádio do Nacional, em Montevidéo, onde se realizou o grande jogo”, estampava a capa da edição de 15/7/1930.

Para que desse conta de repassar as informações recebidas por telefone, os jornalistas precisaram recorrer a um possante megafone para narrar os pormenores da partida. Ainda coube aos jornalistas desmentir um suposto segundo gol brasileiro, que chegou a ser anunciado pelos jornais do Rio, segundo o relato.

Formada por 23 jogadores do futebol carioca, mais o atacante Araken, que estava brigado com o Santos e jogou como atleta da CBD, o Brasil voltou do Uruguai com uma derrota e goleada sobre a Bolívia por 4 a 0, em jogo de eliminados que teve apenas 1,2 mil torcedores no Centenário. O médio Fausto, o Maravilha Negra, foi eleito para a Seleção da Copa, e Preguinho, atacante do Fluminense, foi artilheiro do Brasil, com três gols.

 

Em 1938, público ouvia os jogos pelo rádio em frente à Casa Paul J Christoph Co., na Rua Tupinambás (foto: Arquivo EM)
Em 1938, público ouvia os jogos pelo rádio em frente à Casa Paul J Christoph Co., na Rua Tupinambás (foto: Arquivo EM)
 


Publicidade