Publicidade

Estado de Minas DA ARQUIBANCADA

Mais do que ficar na elite, já dá para o América sonhar mais alto

Time vem ganhando consistência rodada a rodada. Nos últimos cinco jogos, fez 10 pontos em 15 possíveis, aproveitamento de quase 70%


14/09/2021 04:00

O Coelho engatou duas vitórias consecutivas e tem encorpado o grupo, ampliando tecnicamente a chance de ficar na Série A(foto: LEANDRO COURI/EM/D.A PRESS)
O Coelho engatou duas vitórias consecutivas e tem encorpado o grupo, ampliando tecnicamente a chance de ficar na Série A (foto: LEANDRO COURI/EM/D.A PRESS)

É preciso saber elogiar. As últimas duas vitórias, robustas e inquestionáveis – por 2 a 0 e sem
sustos – nos dão indicativos reais de que o América já acordou para o campeonato e faz uma campanha recente de time que não vai cair. Prova disso são os últimos resultados, com 10 pontos conquistados em 15 disputados, um aproveitamento de cerca de 70%, número mais do que suficiente para permanecermos na Série A.

A cada jogo, a engrenagem se mostra mais sólida e a escolha pelas peças ideais está mais certeira. O que antes era um amontoado aleatório, como já cornetei muito aqui, começa a tomar cara de equipe, com conceito e padrão de jogo e uma organização tática coerente e combativa. Menos invenção e mais jogadores cascudos, com cara de Primeirona, estão fazendo com que o América passe a ser respeitado e galgue evolução a cada partida.

Somado a isso, temos as chegadas dos estrangeiros Berrío e Zárate, que trouxeram um ar de guerrilha ao time, além da qualidade e experiência de jogadores já consagrados. Aliás, o argentino já começou com pé direito, ou melhor, com pé de coelho, com uma belíssima assistência no segundo gol.

O caldeirão de possibilidades aumentou e já podemos notar mais segurança no setor defensivo e nas laterais, o que está nos trazendo um jogo bastante regular. Juninho “Kanté” é uma maravilhosa referência, um curinga de que não podemos abdicar (nunca!). Lucas Kal chegou mesmo para ficar, com elegância e versatilidade. Patric provou que a lateral direita é dele.

Nosso goleirão Cavichioli dispensa comentários e, agora, lá na frente, temos um Ribamar já em boas condições. Felipe Azevedo deixou o dele e é muito disciplinado taticamente. Ademir é Ademir e sempre representa um perigo pelas pontas. Fabrício Daniel se mostrou um baita jogador que não se omite, com força, visão de jogo e boa presença em campo. Temos agora um conjunto de peças que se potencializam.

Paciência é necessária

Infelizmente, ainda estamos colhendo os frutos de uma campanha muito ruim no início, mas os danos estão sendo reparados jogo a jogo. É verdade que algumas pedreiras pela frente, como Corinthians e Flamengo, acendem um alerta, mas, para quem não quer cair, é preciso encarar esses jogos grandes e pontuar também. É hora de saber sofrer, ainda que nos resultados adversos, e seguir em frente. Não dá mesmo é para olhar para trás mais!

Precisamos continuar garantido vitórias tranquilas em jogos em casa contra times de pequeno e médio portes, bem como começar a beliscar pontos contra os gigantes quando formos visitantes. As condições finalmente ficaram favoráveis, o vento está soprando na direção ideal, o clima do grupo está bom e o pão parou de cair com a manteiga para baixo. Novos ares, novos tempos.

E embora nosso título seja de fato a permanência, ainda está em tempo de crescermos no campeonato – e muito! Vejam o acanhado e pouco tradicional Cuiabá que, com uma breve sequência de vitórias, conseguiu chegar à 8ª colocação. Temos todas as condições do mundo para fazer isso também. Vamos olhar para frente. Acredita, América!




*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade