Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas OPINIÃO SEM MEDO

'Suicide-se, Bolsonaro', sugere jornalista

Ministro da Justiça, André Mendonça repudia em jornalista o que Bolsonaro faz a todo momento


11/01/2021 07:11

(foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
(foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
O excelente Ruy Castro, um dos melhores e mais respeitados escritores do País, publicou uma coluna na Folha de São Paulo deste domingo (10/01), em que sugere - ironicamente ou não - o suicídio a Donald Trump. Em seguida, complementa:

“Se Trump optar pelo suicídio, Bolsonaro deveria imitá-lo. Mas para que esperar pela derrota na eleição? Por que não fazer isso hoje, já, agora, neste momento? Para o bem do Brasil, nenhum minuto sem Bolsonaro será cedo demais".

Em julho do ano passado, após o presidente ter testado positivo para COVID-19, outro colunista da Folha, Hélio Schwartsman, motivado pelo descaso com que Bolsonaro trata os doentes e familiares das vítimas do novo coronavírus, assim intitulou uma coluna:

“Por que torço para que Bolsonaro morra”. E concluiu no artigo: “Torço para que o quadro se agrave e ele morra… sua morte pouparia muitas vidas. Bolsonaro prestaria na morte o serviço que foi incapaz de ofertar em vida”.

Quem sou para julgar ética ou tecnicamente, sob as formalidades do jornalismo, a conduta de ambos. Sou um neófito no assunto, e escrevo como um amigo em mesa de boteco, batendo um papo, sem compromisso com manuais ou regras de redação.

A forma com que me expresso também em nada me autoriza a crítica, já que - sem a qualidade e o domínio da língua destes dois monstros sagrados - utilizo palavras e frases bastante agressivas para expressar minha indignação perante os desmandos deste senhor.

O que me chama a atenção e me motiva este texto, é tão somente a conduta do Ministro da Justiça, André Mendonça, que utiliza-se do cargo (público) e do aparato do Estado (financiados por nós), para investir juridicamente contra os autores dos textos.

Causa-me ainda mais espécie, suas palavras sobre o artigo de Castro: “Alguns jornalistas chegaram ao fundo do poço. Instigaram Presidentes da República a suicidar-se. Apenas pessoas insensíveis com a dor das famílias de pessoas que tiraram a própria vida podem fazer isso“.

Mendonça trabalha com grande afinco para um governo liderado por um presidente capaz de dizer: “e daí? Não sou coveiro. Se morrer, morreu. Bando de maricas. Tem de enfrentar o vírus como homem” etc, em plena pandemia que já ceifou 200 mil vidas brasileiras.

Mendonça assiste, de camarote, a seu presidente - e amigo! - pregar contra o uso de máscaras, incentivar aglomerações, receitar medicamentos e tratamentos fictícios contra a doença, e jamais insurgiu-se contra. Nem como ministro nem como, digamos, pessoa física.

Mendonça não se manifestou quando o amigão do Queiroz assim falou: “Mergulhei de máscara para não pegar COVID nos peixinhos” (seja lá o que isso signifique). Afinal, ministro, e a dor das famílias das pessoas que morreram? Bolsonaro também é um insensível?

Mas o senhor tem razão: chegamos mesmo ao fundo do poço! Ao menos nesta semana. Pois tenho absoluta certeza que seu presidente e o governo que o senhor representa conseguirão se superar nos próximos dias. Um abraço e tudibão procêis, aí na Bolsolândia.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade