Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas SEU INVESTIMENTO

Coronavírus e mercado financeiro: ameaça ou oportunidade?

Olhando para o passado iremos constatar diversos eventos que provocaram quedas fortes na bolsa de valores


postado em 07/03/2020 04:00 / atualizado em 07/06/2020 08:15

Bolsas de valores de vários países começaram a cair forte diante das incertezas em relação a desaceleração da economia global(foto: David Dee Delgado/Getty Images/AFP)
Bolsas de valores de vários países começaram a cair forte diante das incertezas em relação a desaceleração da economia global (foto: David Dee Delgado/Getty Images/AFP)

Enquanto o Brasil pulava carnaval, o mundo se preocupava com os impactos da expansão do coronavírus. As bolsas de valores de vários países começaram a cair forte diante das incertezas em relação a desaceleração da economia global. Na Quarta-feira de Cinzas, na ressaca do carnaval, o Ibovespa caiu mais de 7%, fechando a semana curtinha acumulando queda de 8,37%. Para os investidores iniciantes, que chegaram na Bolsa em 2019 e se acostumaram com mercado apenas de alta, essa semana foi um verdadeiro teste de nervos. Muitas carteiras chegaram a se desvalorizar mais de 15% em 3 dias, o que realmente incomoda até os mais arrojados.

Olhando para o passado iremos constatar diversos eventos que provocaram quedas fortes na bolsa de valores, como o mais recente, em 2018, que foi a greve dos caminhoneiros. A maioria das empresas foram impactadas pela paralisação, mas o que se viu nos meses seguintes foi o mercado retomando a tendência de alta e voltando à normalidade. Portanto, historicamente, percebemos que, no primeiro momento, o efeito do pânico e aumento da volatilidade, com muitos investidores agindo de forma irracional e se desfazendo de suas posições para, no segundo momento, os mercados retomarem à alta. O investidor precisa se acostumar com as oscilações de mercado e ter uma visão de longo prazo.

O maior erro do investidor hoje é não definir uma estratégia de investimentos. Escuto papo de investidores falando que a bolsa é longo prazo, mas “correm” para realizar lucro de 5% a 10% no mês e, muitas vezes, ficam de fora de altas de 100%, como ocorreu em PetroRio no último semestre. Da mesma forma, o investidor que prefere curto prazo, em momentos de queda, acaba fugindo da estratégia e adotando o discurso de longo prazo. Dessa forma, ficar pulando de “galho em galho” não vai ajudar a enfrentar momentos de queda no preço das ações na sua carteira. O investidor precisa definir sua estratégia, mesmo que ele adote as duas estratégias, de longo e curto prazo, porém com capital definido para ambas.

Por fim, esse momento que a Bolsa acumula queda de 10% em 2020, acredito ser uma boa oportunidade para quem ainda não investe na bolsa. Muitas empresas boas caíram de 15% a 20%. Como o atual cenário ainda é incerto, ou seja, a Bolsa pode continuar caindo, aconselho começar devagar e ir comprando aos poucos. Dê preferência para empresas ligadas ao mercado doméstico. Chamamos atenção para setores que sofrem menos com a desaceleração da economia mundial com os efeitos do Coronavírus, por exemplo, o setor de educação, o de bancos e de energia elétrica. Empresas destes setores podem, no primeiro momento, sofrer com a queda generalizada do mercado, mas os impactos nos seus resultados do 1º trimestre de 2020, tendem a ser minimizados.

Tem alguma dúvida sobre investimentos? Escreva pra mim rafael.panonko@toroinvestimentos.com.br



*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade