Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA

Coronavírus: quais as consequências da economia do isolamento?

Nem mesmo como exercício teórico, para aguçar a imaginação dos alunos, tem-se notícia de trabalhos acadêmicos


postado em 20/03/2020 04:00 / atualizado em 20/03/2020 08:45

(foto: Pixabay)
(foto: Pixabay)

Em breve – Deus queira – a ciência mundial produzirá uma vacina para rechaçar de vez o coronavírus. Mas continuaremos devendo respostas mais eficazes às terríveis sequelas econômicas do vírus sobre as empresas e as famílias brasileiras. Que o vírus pegou a todos de surpresa, não há dúvida nem discussão. E que a área da saúde no governo federal – ministro Mandetta e colaboradores – tem tido um papel esclarecedor à população, desde antes que o surto da nova gripe aqui chegasse, isso tampouco se põe em questão. O problema da gripe corona está localizado nas consequências do isolamento social requerido para o controle da disseminação do vírus.

Podemos chamar de “economia do isolamento” ao tema pouco ou nada estudado nas faculdades de economia. Nem mesmo como exercício teórico, para aguçar a imaginação dos alunos, tem-se notícia de trabalhos acadêmicos sobre como lidar com situações de trancamento da movimentação econômica. O único superdotado a lidar com essa questão, descrevendo como seria a economia do isolamento, foi Raul Seixas, na sua O dia que a Terra parou.

Sempre que o ouvia cantar, me perguntava, como economista, sobre como vencer tal situação de depressão profunda, em que as pessoas, isoladas, não saíssem mais de casa para exercer qualquer atividade. Raul falava do isolamento aos pares, pois o professor não ia mais à escola por não ter aluno para ensinar, e vice-versa, até chegar ao ladrão, que não sairia para roubar por “não ter mais onde gastar”. Esse verso é essencial na fantástica intuição do nosso grande compositor baiano. Não ter onde gastar, ou seja, a inutilidade do dinheiro para adquirir a mercadoria que não estaria mais na prateleira da loja ou do supermercado, ou a ausência do serviço porque o prestador “também não estava lá”, constitui a chave para se entender a tragédia embutida na decretação oficial de uma economia do isolamento.

O Brasil tem características especiais: é uma sociedade fortemente urbanizada, portanto aglomerada em cidades (mais de 90% da população na maioria dos estados) e, dentro delas, em comunidades irregulares e adensadas (favelas, áreas invadidas etc). Além disso, nossa gente trabalha na informalidade e “se vira” no grande setor de serviços, que abriga mais de metade da geração de riqueza, isso incluindo o microcomércio, os serviços prestados na rua ou em estabelecimentos meio improvisados.

A empregada doméstica “precisa” continuar indo ao trabalho. Para ela, a terra não pode parar. Nem a escola deveria, pois impõe às famílias um desmedido desafio de lidar com o cuidado dos filhos em casa. O isolamento, a seu turno, provoca a antecipação preventiva de compras domésticas, desorganizando a cadeia de suprimento e criando elevação especulativa de preços. As PMEs, empresas pequenas e médias, sentirão o baque da redução de demanda direto como restrição de caixa. Mais uma vez, lembrando Raul Seixas, o essencial é ter onde e como gastar. A vitalidade de qualquer economia depende do gasto regular de cada um. A economia do isolamento perturba e interrompe o ciclo de gasto.

Mais do que liberar bilhões e trilhões, a rodo e sem critério de impacto, a gestão da economia do isolamento deve ser feita com foco em dois aspectos principais: 1) aumentar o fluxo de gastos em geral e 2) priorizar a velocidade de posta-em-marcha das medidas tomadas. Por exemplo: a liberação de bilhões em recursos retidos da população em contas do PIS ou do FGTS, embora volumosa, é medida burocrática que não põe dinheiro direto na mão de quem mais precisa, além de depender de verificação e liberação prévias, que não é veloz.

Muito mais eficaz seria a adoção de um refinanciamento geral de dívidas na rede bancária (Mario Simonsen fez isso, com o “refinanciamento compensatório”). O Banco Central pode promover a medida, convocando os bancos para essa missão. Em compensação, estes podem ter liberados os bilhões hoje retidos como recolhimentos obrigatórios, que são retenções absurdas sobre todos os depósitos, uma jabuticaba bancária nacional.

Outras duas medidas simples para concluir: retomar a linha do “BNDES Giro”, que emprestava a centenas de milhares de PMEs no país, mas foi injustificadamente fechada em 2019. Idem, em relação ao Cartão BNDES, que poderia funcionar acoplado a um seguro de pagamento gerido por fintechs, sem intermediação de bancos. Por fim, mas longe de esgotar uma lista criativa de medidas, o ministro da Economia deve promover a desindexação geral, desobrigando contratos, inclusive os de trabalho, de cláusula de reposição inflacionária, valendo também para o setor público. Isso seria capaz de trazer os juros bancários para patamares decentes e promover a irrigação do gasto, tão necessário neste momento.

O país sairá melhor e maior do que entrou nessa terrível crise da gripe corona, se meus colegas, “médicos da economia”, tiverem, minimamente, a competência e a destreza, além da dedicação, demonstradas pelas corajosas equipes da área da saúde. A eles e elas, médicos, enfermeiros, cuidadores, minha calorosa homenagem.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade