Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Comportamento

Bom domingo!

A verdade que Ele preconiza não é simples de realizar


28/03/2021 04:00 - atualizado 28/03/2021 08:07

(foto: Pixabay)
(foto: Pixabay)

 
A celebração do domingo de ramos marca o início da semana santa para os cristãos. Muitos aproveitam a data para se fixar principalmente na condenação e na morte de Jesus, pois certamente é mais fácil que refletir em como ele viveu, em seus atos, exemplos, palavras enquanto peregrinava, trabalhava, pregava, ajudava, acolhia.
 
O maior problema é que o que Ele ensinou há tanto tempo é muito desconcertante, exige da maioria de nós aquilo que, convenhamos, não estamos muito dispostos a dar. É melhor acreditar que a verdade que Ele preconizava não é assim tão simples de realizar.
 
Ele pediu para que nos amássemos, nos perdoássemos, que fôssemos tolerantes uns com os outros com base principalmente no simples fato de que todos, sem exceção, temos telhado de vidro. Em resumo, “que atire a primeira pedra quem nunca errou”, quem não faz a mesma coisa, com outra roupagem, com aquele que está condenando.  Mas, afinal, tudo o que faço tem justificativas plausíveis, já o que o outro faz... nem sempre. Daí toda a complexidade, o fato de que nem de longe sou parecido com os outros, sou superior.
 
Melhor então colocá-Lo na posição de um deus, como tal impossível de ser entendido e muito menos copiado, ou um ignorante, como tal não tem o que nos acrescentar, nem sequer merece ser ouvido.
Difícil entender o que Ele dizia? Não vou negar, mas se Jesus tivesse falado de maneira mais clara e objetiva continuaríamos a tachar suas palavras de complicadas. Só compreendemos aquilo que nos dispomos a compreender e disposição exige não apenas estudo e reflexão, mas principalmente mudança de atitude. Então, melhor deixar Ele lá pendurado na cruz, com pés e mãos bem agarradas no madeiro, e quando domingo que vem Ele sair de lá, que vá direto para o céu, lugar tão distante de nossa realidade que chega a não nos incomodar.
 
Não precisa acreditar que Jesus de Nazaré foi quem foi, nem mesmo que houve um Jesus histórico reduzido a um homem comum, para concordar que a mensagem por trás Dele é o melhor que há para qualquer um de nós individual e coletivamente.
 
Momentos como o que estamos atravessando deveriam ser encarados como oportunidades de reflexão sobre o que precisamos fazer para tornar real aquilo que Ele espera de nós, que vem a ser exatamente o que a gente espera para nós.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade