Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Comportamento

A Deus sempre!

Expressões de otimismo e estímulo fazem sempre bem


21/02/2021 04:00

(foto: Pixabay)
(foto: Pixabay)

 
“Vá com Deus! ” É o que sempre ouço da parte de um dos porteiros de um condomínio de casas por onde passo de vez em quando. Confesso que sinto falta quando não o vejo de plantão. Ouvir aquela saudação é ao mesmo tempo tão divertido e prazeroso que muitas vezes meu filho convida: “Vamos passar na portaria do vá com Deus?”. Quando ficamos muito tempo sem vê-lo, nos preocupamos. Afinal, teria ele tirado férias, licença, se aposentado? Teria sido demitido ou arrumado emprego melhor? Torcendo para que da próxima ele esteja a postos.
 
Não sei, e muito menos me importa, qual seja a religião que esse porteiro professa ou se ao menos tem uma. Fato é que expressões que contenham otimismo e estímulo fazem sempre muito bem em qualquer situação. Afinal, gostamos de “ir com Deus”.
 
Costumamos empregar expressões como essa nem sempre observando e refletindo sobre o que estamos dizendo, tanto que muitas das que têm Deus como sujeito saem da boca de descrentes, que abrem exceções quando bem lhes convém. Já ganharam autonomia de significado, ou seja, todos entendem o que queremos dizer quando as empregamos.
 
“Deus te pague” parece transferir para outrem uma dívida que a princípio seria de quem assim se expressa, mas conota muito mais gratidão a quem praticou o ato que a preocupação de quitar algo, já que nem tudo tem valor venal. Afinal, fica para Ele mesmo quitar nossas maiores dívidas, principalmente as impagáveis, que insistem em nos perseguir.
 
Contam que “adeus” substitui a frase "a Deus vos recomendo", usada pelos padres católicos quando encomendavam a Deus a alma do moribundo durante a extrema- unção. Aos poucos, além de encolher a frase, todos achamos por bem encomendar-nos uns aos outros a Ele quando nos despedimos. Afinal, podemos planejar outros encontros, mas apenas Deus vai saber se de fato nos veremos adiante. Mas ainda há quem tema essa despedida pela morbidez que ela pareça carregar. Melhor então um tchau ou até logo!
 
Mas sou capaz de ariscar que “se Deus quiser” ainda é expressão mais falada por todos nós. Afinal, cabe a Ele também satisfazer nossos desejos e vontades mais íntimos, principalmente os incabíveis e inexequíveis, frutos de nossos devaneios. Devaneios esses que fazemos questão de perseguir como objetivos, mesmo quando sabemos serem impossíveis até mesmo para Ele.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade