Publicidade

Estado de Minas FORA DA CAIXA

Amazon de olho no potencial das startups em Minas


postado em 17/08/2019 06:00 / atualizado em 17/08/2019 12:14

(foto: André Nazareth/Divulgação)
(foto: André Nazareth/Divulgação)

A Amazon Web Services (AWS) se aproxima do ecossistema de startups (empresas de base tecnológica com produto escalável) de Belo Horizonte. Em recente visita à capital, para o primeiro AWS Startup Day BH, o líder de desenvolvimento do ecossistema de startups da AWS América Latina, André Nazareth, concedeu entrevista exclusiva ao Estado de Minas, e destacou a aposta da empresa no potencial de negócios concentrados por aqui: é um dos principais polos de inovação do país, com cerca de 600 startups em Belo Horizonte e 1 mil em Minas Gerais, incluindo referências nacionais, como MaxMilhas, Méliuz, Sympla e Hotmart.



A AWS é uma companhia da Amazon.com, que oferece produtos baseados na nuvem, como armazenamento de dados, ajudando empresas a reduzirem custos e crescer conforme a demanda do negócio. Isso porque não precisam mais adquirir e nem administrar equipamentos, podem apenas acessar o serviço pela internet e pagar o que consumir. A expectativa é faturar, em 2019, US$ 33 bilhões no mundo.

Segundo Nazareth, o valor médio do investimento de uma startup em cloud computing (nuvem) era de aproximadamente US$ 500 mil em 2005 – realidade que vem mudando desde a criação da Amazon, há 13 anos. Hoje, o investimento médio é de US$ 5 mil, sendo fácil conseguir acesso a programas que cedem créditos de até 100 mil dólares. “Se a ideia der errado, é só parar de pagar. Não se perde mais investimento”, disse. “Desde o seu lançamento, a AWS já reduziu os preços 73 vezes. É uma revolução”.

Assista entrevista com o líder de desenvolvimento do ecossistema de startups da AWS na América Latina, e que já teve a sua própria startup, no link: www.em.com.br
 
(foto: Francisco Jacinto/Divulgação)
(foto: Francisco Jacinto/Divulgação)

“A indústria 4.0 é uma nova forma de pensar os meios de produção, tendo como pilares a solução de problemas que são típicos da humanidade, como a economia, fome, doenças, segurança e mudanças climáticas”.
Jefferson Gomes, diretor da Fraunhofer Project Center e diretor-presidente do Instituto de Pesquisas Tecnológicas, no lançamento do Fiemg Lab 4.0.

(foto: Divulgação)
(foto: Divulgação)

“O ‘Lá da Favelinha’ gera identidade, oportunidade e renda para a comunidade. A gente resolve necessidades imediatas, de sobrevivência. E, isso resolvido, faz com que as pessoas se comprometam e se envolvam mais”. 
Kdu dos Anjos, artista independente e empreendedor cultural, no lançamento da 1ª edição do programa Aceleradora Ativa.
 
Notas
A Localiza Hertz promove, nesta sexta e sábado, o Growth Hackathon - uma maratona que desafia profissionais de comunicação, marketing, dados e negócio de Belo Horizonte a inovarem no setor de mobilidade. Inscrições até amanhã no site localizahertz.com/growthhacking.

Em meio às notícias em torno de casos de vazamentos de informações, o Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel) promove, em Santa Rita do Sapucaí (Sul de Minas), um desafio onde o objetivo é a proteção de ataques e invasões de hackers. A competição faz parte da Semana das Telecomunicações (19 a 24 de agosto), que neste ano debaterá segurança cibernética.

32% dos presidentes de empresas brasileiras acreditam não estarem preparados para um futuro ataque cibernético, segundo a pesquisa CEO Outlook, divulgada nesta semana pela consultoria global KPMG, realizada a partir de entrevistas com 50 CEOs que lideram empresas de diferentes setores com sede no Brasil.

O grupo BMG foi a empresa brasileira que mais se relacionou e desenvolveu projetos com startups no último ano, de acordo com o ranking da Open Startups. É um prêmio que destaca a atuação do BMG UpTech, criado há 3 anos com a missão de ser elo entre ideias e mercado. 
 
 


Publicidade