Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Tecnologia pode ser usada para provocar melhorias em qualquer lugar do planeta


postado em 30/03/2019 09:39 / atualizado em 30/03/2019 10:15


As carências de economias emergentes, como a latino-americana, tornam-se oportunidades para estrangeiros que veem na tecnologia uma forma de desenvolver soluções que impactam a vida de milhões de pessoas. Sim, podem ser consideradas usuários ou clientes, mas está tudo bem. Estando todos imersos na era digital, fato é que a tecnologia é ferramenta que pode – e deve – ser usada para provocar melhorias em escala e em qualquer lugar do planeta.


O grupo japonês Softbank (SBG) tem pressa. Poucos dias após lançar o Innovation Fund, maior fundo de investimentos focado exclusivamente no mercado de tecnologia da América Latina, com valor inicial de US$ 2 bilhões, anunciou que o seu diretor-executivo para a região, Marcelo Claure, iniciou uma jornada para conhecer empreendedores e visitar startups que têm a disrupção de indústrias tradicionais no centro de seu negócio. Informou ainda que outros US$ 3 bilhões serão captados pelo grupo, também para investimento no ecossistema de inovação da região.

A cifra bilionária chamou a atenção do mercado. Representa, no entanto, 5% de uma intenção global. O SoftBank Group Corp é ligado ao SoftBank Vision Fund, que planeja investir até US$ 100 bilhões em negócios globais e tecnologias que acreditam permitir a próxima etapa da Revolução da Informação.

Masayoshi Son, presidente do SBG, nascido e criado na América Latina, disse: “Testemunhei em primeira mão a criatividade e a paixão das pessoas. Acredito que as oportunidades de negócios nunca foram tão fortes. O SoftBank Innovation Fund se tornará um grande investidor em empresas latino-americanas transformadoras que estão prontas para redefinir seus setores e criar oportunidades econômicas para milhões de pessoas”. Estão no foco e-commerce, serviços financeiros digitais, saúde, mobilidade e seguros, entre outros.

Cenário

 Algumas características da região chamam a atenção dos japoneses: representa 10% da população mundial e 8% do PIB mundial (duas vezes o PIB da Índia e metade do da China); há mais de 375 milhões de usuários de internet e 250 milhões de smartphones; as vendas de e-commerce no varejo cresceram de US$ 29,8 bilhões em 2015 para US$ 54 bilhões em 2018.

E não para por aí. O SBG destaca que as atividades bancárias estão sendo realizadas on-line cada vez mais, mas aproximadamente 70% (400 milhões de latino-americanos) permanecem sem banco ou sem acesso a ferramentas bancárias. A região sofre com o transporte público severamente subdesenvolvido: de 1992 a 2010 a região investiu apenas 0,5% do PIB em transporte contra a média global de 1,6%; os serviços de saúde são fragmentados ao passo que deve aumentar a incidência de doenças não-transmissíveis, casos de câncer e o número de pessoas que sofrem de diabetes.

São fatores que contribuem para a criação de um mercado atraente para empresas de tecnologia emergentes e a necessidade de capital para apoiá-las em suas jornadas.

Construtechs 1

A Sii Technology, startup de hardware de monitoramento de ambiente fundada em Belo Horizonte, foi uma das construtechs (startups da área de construção) que se destacaram no último ranking da 100 Open Startups. Segundo a plataforma, são cerca de 300 empresas embrionárias do setor e mais de 1,2 mil avaliadores interessados. Segundo o CEO da 100 Open Startups, Bruno Rondani, 75% das startups foram criadas nos últimos três anos, o que mostra um movimento em expansão.


Construtechs 2


As startups belo-horizontinas Net Resíduos e Obrazul foram selecionadas para o primeiro Vedacit Labs, um programa de inovação aberta da empresa que atua no mercado de impermeabilização e produtos para a construção civil. A Net Resíduos é uma plataforma para gerenciamento dos dados referentes à cadeia de geração, transporte e destinação de resíduos. Já a Obrazul é um marketplace que ajuda o consumidor a encontrar produtos e profissionais em sua região.


Agenda

» A semana “Minas Digitais” oferece oficinas, palestras e happy hour para pequenos empreendedores, de segunda (1) a quinta (4), na A Central (Praça Rui Barbosa, 104, Centro). Saiba mais em bit.ly/SemanaMinasDigitais.

» O RD On The Road, evento organizado pela startup Resultados Digitais sobre marketing e vendas, faz sua primeira parada em Belo Horizonte, na quarta (3), no Palácio das Artes (Av. Afonso Pena, 1.537). Ingressos: rdontheroad.com.


Publicidade