Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Mina$ em foco

Afetados pela COVID-19, maiores municípios de Minas são espelho de promessas eleitorais

Nos cinco municípios mais ricos do estado - BH, Uberlândia, Contagem, Betim e Juiz de Fora - há 124 candidatos a prefeito e vice-prefeito e 4.319 concorrentes a vereador entre promessas feitas e possibilidades que os orçamentos públicos oferecem e que influenciam o desempenho econômico do estado


23/10/2020 04:00 - atualizado 23/10/2020 07:25

Donos dos cinco maiores PIBs de Minas, incluindo Juiz de Fora, são também cidades sacrificadas por mais de um terço dos óbitos provocados pelo coronavírus e número de diagnósticos superior a 30% do total no estado (foto: Marcos Alfredo/Esp.EM 8/5/20)
Donos dos cinco maiores PIBs de Minas, incluindo Juiz de Fora, são também cidades sacrificadas por mais de um terço dos óbitos provocados pelo coronavírus e número de diagnósticos superior a 30% do total no estado (foto: Marcos Alfredo/Esp.EM 8/5/20)


O Aurélio apresenta uma das palavras mais repetidas na propaganda eleitoral – renovação – como um ato de modificar para melhor, mas na boca dos candidatos a expressão ganha ares de algo mágico, e, ao mesmo tempo, simples de ser feito, como se assentar nas cadeiras de prefeito e de vereador. Acomodado, o hoje candidato e amanhã eleito, claro, só terá o trabalho de assinar a ordem. Se a tática já havia perdido a persuasão para os eleitores atentos, caiu de vez por terra diante de um ano que vem atípico na economia, e, portanto, na gestão dos orçamentos públicos, com os efeitos da pandemia de COVID-19.

Ser contemplado pelo almejado voto de tampouco adianta. As tarefas que os prefeitos e vereadores terão de desempenhar já estão em xeque por uma crise econômica amplificada. Em Minas Gerais, ainda que a velocidade de contaminação e mortos pelo novo coronavírus tenha recuado, os indicadores da doença complicam a dureza que está por vir para a recuperação das empresas, do emprego e da renda e, por fim, do consumo que impulsiona o crescimento.

Donos das maiores economias do estado, medidas pelo PIB, os municípios de Belo Horizonte, Uberlândia, Contagem, Betim e Juiz de Fora, nesta ordem, são inspiração para qualquer política socioeconômica, seja para o bem, seja para o mal. Não por outro motivo, nesse rico quintal de Minas disputam vagas 124 candidatos a prefeito e vice-prefeito e 4.319 a vereador - cerca de 5,5% do total no estado, que alcança 81.448 concorrentes às eleições de novembro.

No entanto, essas cinco locomotivas da produção de bens e serviços mineiros respondem por mais de um terço (34,3%) dos 8.453 óbitos provocados pela COVID-19 e por 30,5% dos 336.648 diagnósticos que a Secretaria de Estado de Saúde registrava até segunda-feira. O curso das medidas do setor público para ajudar na reação da economia será tão fundamental nesse carro-chefe de municípios que, por si só, tem o poder de influenciar o PIB estadual, quanto a responsabilidade de tentar conter os efeitos do vírus.

É nessa perspectiva de reação da economia, reduzindo ao mesmo tempo a desigualdade social, que a promessa de renovação na política tem de ser cumprida. São medidas esperadas na contramão do velho discurso, que predomina hoje nos gabinetes de Brasília: a solução do aumento de impostos, combinada com redução dos gastos públicos e o fim de uma renda emergencial já parca para a parcela da população mais sacrificada com a crise. Para se chamar Renovação, teria que ser diferente disso, e, principalmente, tratando-se de carros-chefes da economia do Estado.

Há milhares de empresas a serem reabertas e empregos que precisam ser recuperados para quem deseja trabalhar, embora esteja desalentado com a busca sem sucesso ou o trabalho atual desvalorizado, além de 1,260 milhão de trabalhadores dispensados em Minas, segundo os dados mais recentes do IBGE. Segundo estimativa feita pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), Minas perdeu 16,1 mil estabelecimentos comerciais com vínculo empregatício apenas de abril a junho último.

Não se pode esquecer que cada um desses cinco maiores PIBs de Minas tem abrangência sobre o funcionamento e o desempenho de dezenas de outras cidades a seu redor. Epicentros da COVID-19 em Minas, BH tem PIB de R$ 88,95 bilhões, e Uberlândia, de R$ 34,20 bilhões. Na terceira posição, a produção de bens e serviços de Contagem soma R$ 28,99 bilhões, seguida de Betim, com R$ 23,09 bilhões e Juiz de Fora, com R$ 15,99 bilhões.


Gerdau


O grupo siderúrgico Gerdau lançou o seu programa de estágio com 150 vagas para estudantes universitários que deverão concluir formação entre dezembro de 2022 e dezembro de 2023. Serão aceitos alunos dos cursos de administração, ciência da computação, ciências contábeis, engenharia em suas várias modalidades, economia, psicologia, recursos humanos e áreas correlatas. As inscrições podem ser feitas até 20 de novembro no site www.ciadeestagios.com.br.

TEMPORÁRIOS


8,3 mil

É o número de trabalhadores que o varejo de Minas deve contratar para reforçar as vendas motivadas pelo fim de ano, segundo estimativa da CNC, que contempla queda em todo o país

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade