Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Encolhimento do mercado dos patinetes sugere que esse foi um modismo passageiro

A empresa Grow anunciou a suspensão de suas atividades em 11 das 14 cidades em que atua no Brasil


postado em 24/01/2020 04:00

(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A.Press )
(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A.Press )

Patinetes
Decepção no setor?

A crise da empresa de patinetes Grow em suas operações no Brasil, anunciada ontem pela imprensa, que abordou a suspensão de suas atividades em 11 das 14 cidades em que atua no Brasil, seria apenas um reflexo da situação geral pela qual passam as empresas de patinetes em todo o mundo. Apontado a princípio como um fato revolucionário no setor de transporte urbano individual, o uso dos patinetes parece que não vem correspondendo às expectativas. Desde o início de utilização dos patinetes nas principais cidades do mundo, devido aos abusos registrados, as maquinetas acabaram sendo vítimas de um número enorme de restrições, a começar pela proibição de trafegarem pelas calçadas. E por aí a coisa foi. Além da Grow, também a Lime suspendeu suas operações no Brasil. Com grande parte das peças dos patinetes sendo importadas, a alta do dólar também está prejudicando sua expansão no país. Mas nem tudo são espinhos no setor. A firma paulista Drop anunciou que passará a fabricar patinetes na Zona Franca de Manaus. Quanto ao futuro dos patinetes no mundo, por enquanto não há nada certo. Já estão sendo consideradas como um mero modismo.

Orgulho
mas nem tanto

Pesquisa realizada pelo Ibope junto com a Rede Nossa São Paulo para medir a satisfação do morador da cidade de São Paulo, tendo como motivo o aniversário de 466 anos da capital paulista, a se registrar amanhã, revelou um fato interessante, de certa maneira até meio cômico. Grande parte dos entrevistados disse ter grande orgulho de morar na enorme e pujante metrópole paulistana. No entanto, a maioria dos moradores da Pauliceia, ou seja 64%, afirmou que, apesar de todo esse orgulho, caso tivessem condições deixariam a capital paulista e se mandariam para um outro lugar qualquer, mais sossegado. Decisão a ser tomada sem essas nem mais aquelas.

Bal Masqué
Pré-carnavalesco no A.C.

Enfim, um baile de máscaras em BH. Bailes a fantasia na temporada pré-carnavalesca da cidade tornaram-se raros. A lacuna vai ser preenchida com a realização, nos salões de festas do Automóvel Clube, em 14 de fevereiro, do Royal Grand Bal Masqué de 2020. Fantasias serão obrigatórias. Máscaras de todos os tipos serão aceitas. De preferência, as venezianas. Borbulhas nos salões Dourado e Príncipe de Gales.

Professores
Desigualdades gritantes

Professores de universidades estaduais de todo o país devem estar comemorando com enorme satisfação a decisão tomada – ainda que liminarmente – pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, de equiparar os salários dos professores de universidades estaduais com os salários de professores de universidades federais, que ganham muito mais do que os estaduais. O salário de um professor de universidade federal tem como teto o salário de um ministro do Supremo, que vai até R$ 39 mil, enquanto o salário de um estadual geralmente tem como limite o salário de governadores dos estados onde trabalham, cujo índice mais alto não ultrapassaria os R$ 20 mil. Se a decisão do ministro Toffoli se tornar permanente, os governos dos estados, que estão praticamente quebrados, vão ter de atender a mais um desfalque de monta em seus orçamentos.

***

Por outro lado, a decisão de Toffoli, feita em nome da igualdade de direitos nas universidades, traz à tona as desigualdades salarias reinantes no país, ressaltando a enorme diferença entre os salários de professores universitários e os professores de cursos da educação básica. Pelo novo piso salarial do professor do chamado ensino básico, estabelecido pelo governo, o mestre de estabelecimentos de ensino estaduais e municipais deve ganhar no mínimo R$ 2.886 por mês. O novo piso do professorado já começou a provocar protestos, tanto dos governadores como dos prefeitos, que declararam que os cofres públicos não têm condições de atender a mais esse compromisso salarial. Por outro lado, vejam vocês como são as coisas: um professor universitário pode ganhar até mais de R$ 39 mil mensais, com as vantagens do cargo, enquanto um professor de ensino básico tem de se contentar com seus contados R$ 2.886 por mês.

Convenção no Tauá
Unimed Minas

O Tauá Resort Hotel, em Caeté, vai sediar, de 13 a 15 de fevereiro, a 16ª Convenção de Mercado e Encontro de Comunicação da Unimed de Minas Gerais, que terá como objetivo definir a estratégia das operações do Sistema Unimed no estado para 2020. Os profissionais das áreas comercial, de comunicação e marteking da instituição assinarão o ponto. Outra meta do encontro será buscar o realinhamento geral do sistema em Minas.

Arquidiocese
Romaria a Brumadinho

O arcebispo da Arquidiocese de BH, dom Walmor Oliveira de Azevedo, e o arcebispo auxiliar dom Vicente Ferreira, estarão à frente da 1ª Romaria a Brumadinho, a se realizar amanhã, tendo como motivo o primeiro aniversário da tragédia do rompimento da barragem do Córrego do Feijão. A romaria terá início às 8h, no Centro de Brumadinho. Às 17h, dom Walmor rezará uma missa campal. Haverá caminhada pelas ruas da cidade. Serão recitados os nomes das 270 pessoas vítimas do rompimento da barragem, homenagem às famílias atingidas  pelo desastre.

Confronto
Mercado automobilístico

O mercado automobilístico nacional está sendo agitado pelo princípio de confronto entre concessionárias de veículos e locadoras provocado pelo fato de que as locadoras passaram a fazer da venda de seus veículos usados um negócio até mesmo maior do que a própria locação de carros. A renovação constante da frota de veículos das locadoras (com destaque para a Localiza) e a consequente venda dos veículos usados a preços convidativos, vem aumentando a concorrência com as concessionárias de veículos novos e com as empresas de venda de semiusados. A questão foi posta à mesa. Agora, é esperar pelos resultados da pendência.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade