Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Loucuras de verão: desnomeação vapt-vupt

Mineira Luciana Feres ficou menos de 24 horas no cargo de presidente do Iphan, nomeação que a coluna aplaudiu


postado em 14/12/2019 04:00 / atualizado em 13/12/2019 21:46

A arquiteta mineira Luciana Feres, que entrou no affair de sua nomeação para a presidência do Iphan como Pilatos no credo(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press )
A arquiteta mineira Luciana Feres, que entrou no affair de sua nomeação para a presidência do Iphan como Pilatos no credo (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press )


O secretário especial de Cultura do governo federal, Roberto Alvim, devido às recentes mudanças registradas no ministério do presidente Bolsonaro, que extinguiu a pasta da Cultura e colocou-a na estrutura do Ministério do Turismo, hierarquicamente é subordinado ao ministro do Turismo, o mineiro Marcelo Álvaro Antônio. No entanto, pelo que se viu no caso da nomeação da belo-horizontina Luciana Feres para a presidência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Alvim tem muito mais força e prestígio com o presidente Bolsonaro do que o ministro Álvaro Antônio. Não há como discutir. Em menos de 24 horas, Alvim desfez a nomeação de Luciana Feres, indicada pelo ministro para o comando do Iphan, ao conversar diretamente com Bolsonaro, que apoiou a sua “desnomeação”. Alvim está agora à procura de um novo nome para o Iphan.

***

A coluna faz essa referência à “desnomeação” porque, ontem, não só aplaudiu a indicação de Luciana Feres para o cargo, já que ela tem prestado bons serviços na área, como também elogiou o prestígio do ministro do Turismo no governo Bolsonaro. Pois bem. Como se vê, a coluna acabou entrando pelo cano nas duas afirmações. Luciana Feres, sem ter nada com o processo, perdeu o seu suposto posto em tempo recorde, e o ministro Marcelo Álvaro Antônio acabou não tendo sua indicação confirmada, conforme se esperava. Como dizem os franceses, aconteceu aí la journée des dupes. Ou seja, a jornada dos frustrados. Agora, é esperar para ver como ficarão as coisas.

Santa Casa
Acelerador nuclear

A Santa Casa de BH, que está comemorando seus 120 anos de fundação, sempre enfrentando dificuldades,  continua a se modernizar. Segunda-feira, inaugura mais um equipamento da maior importância para compor o seu Instituto de Oncologia, que entrará em funcionamento em março de 2020. Trata-se do seu segundo acelerador linear, destinado a aumentar o número de sessões de radioterapia do hospital. O atendimento aos pacientes oncológicos será ampliado em cerca de 120%. Possibilitará também oferecer radioterapia a pacientes em preparação para transplante de medula óssea. Investimento de R$ 4,4 milhões, o acelerador foi importado da Alemanha.

Yoga Clássica
Novos professores

Maria José Marinho, decana das professoras de yoga clássica no Brasil, preside, no próximo dia 21, a solenidade de formatura de mais uma turma de professores de sua escola de yoga Ponto de Equilíbrio, a mais tradicional do estado. Os formandos recebem seus diplomas divididos em três categorias – a do mestrado, a de professores e a do curso EAD. O evento terá lugar na sede do consulado da Índia, no Funcionários, às 19h.

Cartões de crédito
O tsunami continua

Não é mais novidade que os cartões de crédito estão dominando as transações comerciais no Brasil. O que espanta é o crescimento contínuo da atividade, que supera todas as previsões. Por exemplo, no primeiro semestre deste ano, foram realizados 10,3 bilhões de transações por meio dos cartões, o que deu a média incrível de 40 mil operações por minuto. O total gasto via cartões foi de R$ 850 bilhões, quase 20% a mais do que no primeiro semestre de 2018. R$ 534,4 bilhões foram em operações com cartão de crédito. O cartão de débito totalizou R$ 308 bilhões. Para este segundo semestre, a previsão é que os totais dispendidos em transações superem em 10% o total do primeiro semestre. No mais, qualquer descuido na manipulação do dito-cujo pode ser fatal.

Colarinho Branco
Fundos de pensão

Até hoje não foi aprovado pela Câmara dos Deputados projeto de lei enviado pelo Senado em 2018 que amplia penas dos chamados crimes do colarinho branco. Inclusive, consta do projeto o aditivo do senador Antonio Anastasia que cria penas mais severas para as fraudes e má gestão ocorridas nos fundos de pensão existentes no país, muitos dos quais vêm acusando prejuízos bilionários em vez dos lucros que teriam a obrigação de registrar. São simplesmente inacreditáveis os rombos que há muito tempo vêm ocorrendo nos fundos de pensão, que em 2015 e 2016 chegaram a registrar a quantia estupefaciente de R$ 70 bilhões. Em 2017, o déficit foi de R$ 33,7 bilhões e, em 2018, de R$ 29,2 bilhões. Os dados são da Associação Brasileira de Entidades de Previdência Complementar (Abrapp).

Salas a granel
Edifício Línea

Comunicação natalina da construtora EPO, do engenheiro Gilmar Santos, entre outras, contém um dado que pode refletir a melhora do mercado imobiliário de BH, que andava meio cabisbaixo. Informa que todas as 144 salas do bonito edifício Línea, situado em Lourdes, com suas fachadas em vidro, lançado recentemente, foram vendidas em tempo menor do que o previsto. Projeto do arquiteto Bernardo Farkasvolgyi, entra na faixa do novo estilo de edifícios de BH.

TCEMG
Lupa de Minas

O Tribunal de Contas de Minas Gerais lança segunda-feira, em ato a se realizar em sua sede, às 9h30, o aplicativo Lupa de Minas, uma nova ferramenta da instituição, que permitirá que qualquer pessoa tenha acesso, via celular, aos principais dados fiscais de qualquer município mineiro nas suas diversas áreas de atuação, como educação, saúde, obras e convênios. O cidadão vai poder avaliar a eficiência da gestão municipal direto e reto. Evento presidido pelo conselheiro Mauri Torres. O senador Antonio Anastasia é o convidado especial.

Educação
Quem será o próximo?

Em Brasília, ao que parece, já não se discute mais se o atual ministro da Educação, Abraham Weintraub, vai ser ou não demitido do cargo. Há 90% de certeza de que, quando ele terminar suas férias, iniciadas ontem, não retorna ao posto. Os comentários agora giram em torno de quem será o futuro ocupante de um ministério da maior importância, mas que o governo não consegue encontrar ninguém que acerte com o lugar. O colombiano naturalizado brasileiro Ricardo Vélez Rodriguez foi um desastre. E de Weintraub nem se fala.

Brexit
Excesso no tema

Questão de opinião. Leitor da coluna manda e-mail para condenar o que chama de excesso no noticiário da imprensa brasileira em torno do badalado processo do Brexit, que envolve o desligamento do Reino Unido da União Europeia, lenga-lenga iniciado em 2016. Diz ele que há meses o noticiário dedica um tempo enorme ao tal de Brexit, um chove não molha que os ingleses não resolvem nunca, coisa com a qual os brasileiros não têm nada a ver. Comentar sobre o Brexit uma vez ou outra, tudo bem; mas exagerar na medida, não dá. O pessoal precisa andar mais devagar com o andor. Realmente.

ZAK

A Zak, conhecida loja de artigos masculinos de BH, homenageada na Assembleia pelos seus 50 anos na praça, inaugurou quinta-feira sua primeira loja em São Paulo, na Rua Haddock Lobo, ponto badalado dos Jardins. Houve coquetel anfitrionado por Bruno Gomide, diretor da grife.

O engenheiro Ricardo Valadares Gontijo, dono da Direcional, doou a construção do bunker do acelerador linear que a Santa Casa inaugura na segunda-feira (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)
O engenheiro Ricardo Valadares Gontijo, dono da Direcional, doou a construção do bunker do acelerador linear que a Santa Casa inaugura na segunda-feira (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade