Publicidade

Estado de Minas

Mário Fontana


postado em 20/08/2019 04:00 / atualizado em 19/08/2019 17:45

O senador Antonio Anastasia e o deputado Paulo Abi-Ackel em recente encontro do PSDB, quando discutiram a atual política dos tucanos e, na rebarba, regime para emagrecer(foto: Press Comunicação/Divulgação)
O senador Antonio Anastasia e o deputado Paulo Abi-Ackel em recente encontro do PSDB, quando discutiram a atual política dos tucanos e, na rebarba, regime para emagrecer (foto: Press Comunicação/Divulgação)

 
O desembargador Guilherme de Souza Nucci, do Tribunal de Justiça de São Paulo, é o jurista convidado para proferir a aula magna de abertura do curso de direito da UniBH, a se realizar amanhã no auditório do câmpus Buritis (Avenida Professor Mário Werneck), às 19h30. Professor da Universidade Católica de São Paulo, vai abordar na sua palestra assunto dos mais atuais e polêmicos do direito penal: “O sistema punitivo no BraCompanhia das Letras/reproduçãosil”.

Paul Klee
Equilíbrio instável

O Centro Cultural Banco do Brasil, na Praça da Liberdade, desde sua inauguração em 2013, quando passou a ser integrante do Circuito Cultural Liberdade, vem inserindo no calendário cultural de BH exposições de arte de prestígio internacional. Assim, mantendo essa elogiável iniciativa, inaugura dia 28 a mostra Paul Klee – Equilíbrio instável, reunindo 120 trabalhos do grande artista germano-suíço do início do século 20. Figura eclética, dono de uma biografia agitada, Paul Klee destacou-se em várias escolas da arte modernista, principalmente no surrealismo, no expressionismo e no cubismo. Artista de enorme poder de criação, deixou um acervo de mais de 9 mil obras. Os trabalhos que serão expostos no CCBB são procedentes do museu dedicado a Paul Klee da cidade de Berna, onde se encontram mais de 4 mil obras de sua autoria. A propósito, em 27 de agosto o CCBB de BH comemora seus seis anos de funcionamento. A mostra de Klee fica em cartaz até 18 de novembro.

La Traviata
Debut no Chico Nunes

A propósito do retorno da ópera La Traviata ao palco do Grande Teatro do Palácio das Artes, em temporada a acontecer de 18 a 24 de outubro, a título de curiosidade, não custa lembrar que a famosa ópera de Giuseppe Verdi foi a primeira a ser apresentada no circuito operístico de Belo Horizonte depois que acabaram com o antigo Teatro Municipal e o transformaram em cinema (Cine Metrópole). O palco em que La Traviata fez sua estreia em BH, no inicio dos anos 1950, foi o recém-inaugurado Teatro de Emergência, construído às pressas pelo prefeito Otacílio Negrão de Lima, que depois passou a se chamar Teatro Francisco Nunes. Na temporada de estreia, há 60 anos, o elenco era formado por cantores mineiros e solistas convidados do Rio e São Paulo. Os mineiros de destaque eram a soprano Lia Salgado (mulher do então vice-governador de Minas Gerais, Clovis Salgado), Murilo Badaró (que foi senador e ministro), Wilson Simão, Hermann Tiesenhausen e Pery Rocha França, junto com os cantores convidados Paulo Fortes, Nino Crimi e outro da cena lírica nacional. A ópera de Verdi sempre foi a preferida do público de BH, predileção que continua até hoje.

Pesar
Ex-ministro Roberto Gusmão

Repercutiu também em Minas Gerais o falecimento no final de semana do ex-ministro Roberto Gusmão, ocorrido na capital paulista, já que ele, apesar de ter feito sua carreira profissional e política em São Paulo, era mineiro de Belo Horizonte, onde sua morte foi lamentada por familiares e pelos setores políticos, financeiros e sociais. Curiosamente, iniciou sua carreira na política estudantil em BH, ao se eleger, em 1947, presidente da União Nacional dos Estudantes. Foi ligado aos ex-presidentes Tancredo Neves e José Sarney e a vários governadores de São Paulo, entre eles Franco Montoro. Foi também presidente do Banco de Desenvolvimento de São Paulo. Teve quatro filhos, netos e bisnetos. Um de seus netos é o atual presidente do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais, Sérgio Gusmão. Faleceu aos 96 anos.

Ferrovias
Abertura geral

Enquanto o governo de Minas Gerais anuncia o lançamento de seu Plano Estratégico Ferroviário, feito durante explanação do secretário de Infraestrutura e Mobilidade, Marco Aurélio Barcelos, na Assembleia Legislativa, continua em andamento no Senado um projeto de lei do senador José Serra, que coloca de maneira total ao alcance da iniciativa privada o setor de construção de ferrovias, área que demanda investimentos violentos. Portanto, pelo que se vê, depois que o sistema ferroviário brasileiro foi todo desmantelado, o ressurgimento da malha ferroviária nacional acabou virando assunto prioritário. Enfim, nunca é tarde para uma medida desse porte.

Paris liberada
Niver de 75 anos

Completam-se hoje 75 anos do início da liberação de Paris do domínio nazista, ação encerrada seis dias depois com a expulsão total das tropas alemãs da cidade. Houve festa na França e no mundo todo. O curioso da comemoração desse fato tão auspicioso (Paris ficou praticamente intacta) é que o então comandante militar alemão da cidade, o general von Choltitz, é também festejado e até chamado de “herói de Paris” pelos franceses. O motivo dessa estranha homenagem é que von Choltitz se recusou a obedecer as ordens de Hitler que tinha ordenado a destruição total de Paris antes da chegada das tropas aliadas. Não teve por onde. Esta teria sido a primeira vez que um general alemão na Segunda Guerra Mundial se recusou a cumprir uma insistente ordem do Fuhrer. Já pensaram na tragédia que seria Paris destruída?

Hermes Pardini
Missa de sétimo Dia

Será celebrada hoje, às 19h30, na Igreja da Boa Viagem, a missa de sétimo dia por intenção da alma do conhecido médico e empresário mineiro Hermes Pardini, falecido a semana passada, aos 85 anos. Fundou em BH, em 1975, o laboratório de análises clínicas que leva o seu nome, o qual transformou em um dos maiores e mais completos de todo o país, tendo se tornado referência nacional. Hoje, o laboratório atende a cerca de 6 mil laboratórios espalhados em todo o território nacional. É um mineiro que deixa saudades pelo seu espírito empreendedor e de solidariedade social e humana.

Ponte Nova
Memória e Patrimônio

Lançado em BH o livro Ponte Nova memória e patrimônio, de autoria do escritor e sociólogo Osias Ribeiro Neves, que teve concorrida sessão de autógrafos, com presença não só da colônia pontenovense de BH como também de figuras dos meios empresarial, político e sociais da capital. O livro, fruto de pesquisa que durou dois anos, contém não só um histórico da vida econômica, política e social da cidade, como também depoimentos de mais de 100 pessoas. Apresenta Ponte Nova da expansão cafeeira, das usinas de açúcar, da suinocultura, dos laticínios, relata suas crises e glórias e seu atual progresso.

Dia do Soldado
216 anos de Caxias

Como o presidente Jair Bolsonaro prega o incremento das celebrações patrióticas do governo e das instituições militares, o comando da 4ª Região Militar dá início a uma movimentada programação comemorativa em torno do Dia do Soldado, o 25 de agosto, data de nascimento do duque de Caxias. Hoje, haverá apresentação da Banda de Música da 4ª Região Militar no teatro do Minas Tênis Clube. De 22 a 25, a banda dará concertos no Pátio Savassi, Minas Shopping e Diamond Mall. Haverá também exposição de material militar nos shoppings. No dia 23, no 12º Batalhão de Infantaria, haverá solenidade militar, quando os soldados incorporados ao Exército em 2019 e os alunos do Centro de Preparação dos Oficiais da Reserva (CPOR) farão seu juramento à bandeira nacional.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade