Publicidade

Estado de Minas

Mário Fontana


postado em 30/07/2019 04:00

CARGA TRIBUTÁRIA
E a Derrama, nada?

Divulgou-se ontem que em 2018 o brasileiro teve de trabalhar 128 dias do ano para conseguir pagar impostos, carga tributária pesadíssima que representou a mordida de 35,07% em seus rendimentos, total registrado no Produto Interno Bruto, o que acabou proporcionando a quantia recorde de R$ 2,39 trilhões aos cofres públicos. O diabo é que se o brasileiro se meter a refletir sobre o destino dado a essa portentosa quantia retirada patrioticamente de seu bolso pode até entrar em depressão. São milhões e milhões destinados a pagar, entre outras destinações, salários de figuras abonadas do Judiciário, do Legislativo e do Executivo, a financiar a construção e manutenção de palácios públicos em Brasília, sustentar milhares de aposentadorias públicas com vantagens extras, a cobrir os gastos do pessoal, que em certos estados provocam despesas que chegam a 90% dos 
impostos arrecadados.

>>>

Evidentemente, alguma coisa deve sobrar para a construção de escolas, hospitais, estradas, serviços de saúde, saneamento, segurança, transporte, previdência social e outras coisas importantes para uma nação que se preze. No mais, o que entristece é pensar que Tiradentes queria libertar o Brasil de Portugal porque a Coroa passou a exigir um quinto de todo o ouro produzido em Minas Gerais, banais 20% da produção aurífera, a chamada derrama. Portanto, saudades da derrama!

HOMENAGEM
Malheiros Fiúza

O saudoso advogado e professor universitário Ricardo Arnaldo Malheiros Fiúza, também escritor, servidor do Judiciário e apaixonado por Portugal, falecido em junho último, ganhará homenagem da Academia Mineira de Letras em 2 de agosto. Desde 2005, ocupava a cadeira número sete da entidade. Presidida por Rogério Faria Tavares, a AML promoverá sessão especial em que será lembrada a atuação de Fiúza durante os 15 anos em que integrou o ilustre sodalício. A coluna, particularmente, vem sentindo falta da contínua ligação que manteve com o homenageado, colaborador emérito nos setores acadêmico, jurídico e da lusofonia. A reunião será às 19h30.

QUEIJO ARTESANAL
Premiação funcionou

Os resultados práticos do 3º Festival do Queijo Minas Artesanal, realizado no fim de semana na Serraria Souza Pinto, acabaram superando as expectativas dos organizadores, não só em matéria de público, como principalmente de vendas. Em relação ao ano passado, a venda registrou aumento de 300%, enquanto previa-se chegar perto de 100%. No primeiro dia, o estoque quase chegou ao fim. Acredita-se que as 51 medalhas obtidas por queijos artesanais do estado em concurso mundial realizado na França tenham colaborado para esse feliz desfecho. Mas é preciso lembrar aos produtores que eles têm de se manter fiéis às origens, preservando a qualidade e sem cobrar preços indevidos pela iguaria. 


INSTITUTO CERVANTES
Nova sede na Savassi

O Instituto Cervantes, órgão do governo da Espanha que se dedica à divulgação da cultura hispânica, está com nova sede em Belo Horizonte, situada na Savassi. Fica na Rua Inconfidentes, 600. Local próprio, bem mais amplo do que o anterior, está dotado de várias salas para ensino do castelhano. O diretor é dom Luiz Javier Ruiz Sierra. 

AMBEV
Sucesso inesperado

Quinta-feira, na estufa do Be Green (Fazendas Urbanas), no Boulevard Shopping, haverá lançamento do livro De um gole só – A história da Ambev e a criação da maior cervejaria do mundo, de autoria da jornalista paulista Ariane Abdallah. Ela conta a história de sucesso da Ambev, empresa cervejeira dita brasileira que acabou se tornando a maior do mundo. Abalou o orgulho patriótico de várias nações, entre elas os Estados Unidos, fato provocado pela compra da Budweiser, a icônica cerveja norte-americana. Editado pela Companhia das Letras, o livro traz 170 entrevistas de figurões do setor. Autógrafos a partir das 19h.

PALADINO
Fazenda na Pampulha

Se me permitem, certa vez, em viagem a Bangcoc, o colunista foi levado a um restaurante típico tailandês, o qual, afirmava o anfitrião, era o maior do mundo, com capacidade para mais de 4 mil pessoas. Ver para crer. Situada na periferia, a casa era realmente danada de grande. Mas não o recomendamos a ninguém. A referência aqui vai porque no sábado o Restaurante Paladino, situado na Pampulha, promove uma grande feijoada para comemorar seus 17 anos. Até aí tudo bem. O que chama a atenção é que ele ocupa área de 30 mil metros quadrados. Não é um restaurante, mas um parque. Ou melhor, uma fazenda.

FERTILIZANTES
SÃO GOTARDO

Como o Brasil é um dos maiores produtores agrícolas do mundo, fertilizante só pode estar em alta. Tanto que a Verd AgriTech, que desde 2005 aplicou cerca de R$ 200 milhões em pesquisas de novos fertilizantes no município mineiro de São Gotardo, não só vai duplicar a produção de siltito glauconítico na unidade inaugurada em 2018, de 200 mil toneladas para 400 mil toneladas, como vai construir outra para produzir 800 mil toneladas anuais. É vapt-vupt. Calcula-se que as reservas na mina da Verd cheguem a três bilhões de toneladas. O ex-ministro da Agricultura Alysson Paulinelli é um dos conselheiros da empresa, presidida por Cristiano Veloso.

INHOTIM
Palco Brumadinho

Em 10 de agosto, o Instituto Inhotim dará início ao projeto Palco Brumadinho. Shows serão promovidos mensalmente nas áreas de entretenimento do centro de arte, com participação exclusiva de artistas da comunidade de Brumadinho – cantores, músicos, grupos folclóricos, etc. A abertura, com três atrações, ocorrerá nos espaços Magic Square, Tamboril e Centro de Cultura Burle Marx.  

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade