Publicidade

Estado de Minas

Mário Fontana


postado em 03/07/2019 04:00

Bruna DÉbut no Vila Ricardi Festa de 15 anos das mais bonitas e prestigiadas da temporada mundana em BH ocorreu no Vila Ricardi, na sexta-feira última, destinada a marcar o début em sociedade de Bruna Murta Martins, filha de Paola Murta e Vander Martins, donos da grife Skazi. Encontro caprichado, teve sua decoração baseada nas cores e paisagens da Ilha de Capri, executada pela decoradora Marcela Ferrari. As elegantes integrantes do cerimonial Le Cult comandaram a reunião, abrilhantada pela presença de gente de sociedade e de borbulhantes figuras da jeunesse dorée. O jantar ficou a cargo do Clube do Chef, música para danças da banda Lagum. Acrescente-se que a aniversariante esteve recentemente em Capri fotografando para a coleção de verão da Skazi. Mercosul/União Europeia Siderurgia brasileira Apesar de a maioria dos setores da indústria e da economia brasileira ter recebido com euforia o fechamento do acordo de livre-comércio entre Mercosul e União Europeia, o que é muito natural, pois quando entrar em vigor serão eliminadas tarifas de importação de mais de 90% dos produtos comercializados entre os dois blocos, o setor siderúrgico, ao que parece, não recebeu com alegria a medida. Segundo manifesto do Instituto Aço Brasil, que reúne as principais empresas siderúrgicas do país, poderá haver crescimento da importação do aço europeu em detrimento do produto nacional. No momento, a indústria siderúrgica brasileira, com capacidade instalada de produção anual de 50 milhões de toneladas, está com ociosidade de 33%, devido à queda da demanda interna e à alta oferta de aço no mercado mundial. *** A situação de livre-comércio criada pelo acordo poderá afetar diretamente o parque siderúrgico de Minas Gerais, que continua sendo o maior produtor de aço do Brasil, seguido de perto pelo Rio de Janeiro, devido às benesses que recebeu dos governos Lula e Dilma Rousseff. Nos primeiros quatro meses do ano, Minas produziu 4,53 milhões de toneladas de aço bruto, contra 3,94 milhões do estado do Rio. Além do mais, com o acordo, o aço produzido na Rússia e na Ucrânia poderá entrar no Brasil travestido de aço da União Europeia. Como a implantação total das disposições do pacto poderá demorar de dois até quatro anos, o jeito é esperar para ver como as coisas vão realmente se dispor para a indústria siderúrgica nacional. China Produção monumental Ainda sobre o setor da produção do aço no mundo, veja vocês que enquanto o Brasil produziu nos cinco primeiros meses deste ano um total de 14 milhões de toneladas de aço bruto, a China produziu de janeiro a abril nada menos do que 314 milhões de toneladas. Aí não dá! É aço demais no mercado. Negócio de louco. Em segundo lugar, veio a União Europeia, com 56 milhões. É muita concorrência. O Instituto Aço Brasil, presidido pelo mineiro Sérgio Leite de Andrade, presidente da Usiminas, tem toda a razão em temer as consequências do acordo Mercosul/União Europeia. Faemg Mérito Rural Será em 18 de julho a solenidade de entrega da Medalha do Mérito Rural, a mais alta condecoração do setor no estado concedida anualmente pela Federação da Agricultura de Minas Gerais, presidida por Roberto Simões. Evento com apoio de todos os sindicatos rurais mineiros. Às 19h, na Avenida Barão Homem de Melo, 3.090, no Estoril. TSE Lista tríplice Na lista tríplice enviada segunda-feira ao presidente Jair Bolsonaro pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, para preenchimento do cargo de juiz substituto do Tribunal Superior Eleitoral na vaga destinada aos advogados, um dos relacionados é o advogado mineiro Carlos Mário Velloso Filho, que, como o nome indica, é filho do ex-presidente do STF Carlos Mário Velloso. Com um largo currículo na profissão, Velloso Filho é apontado como o favorito para ser escolhido pelo presidente Bolsonaro. Os outros candidatos são os advogados Daniela Teixeira e Marçal Justen Filho. Extinção Eles se vão Nota a título de advertência. Muita gente não acredita que as espécies animais, quando caçadas de maneira predatória e à exaustão, simplesmente desaparecem. E não mais são vistas pela eternidade. Por exemplo, a data de hoje assinala o 167º aniversário em que foi visto pela última vez no Atlântico Norte um casal de arau-gigante, um pássaro que não voava, mas do qual se aproveitava tudo: carne, penas para travesseiros, gordura para óleo de iluminação e ovos para a alimentação. Mataram milhares deles no Atlântico Norte. Em Minas Gerais, um número cada vez maior de pássaros está sendo ameaçado de extinção, como no Brasil, principalmente os canoros e os de bela plumagem. E ninguém dá um vintém de mel coado por eles. Absurdos chorados Incentivo à cultura? Leitor da coluna, pedindo vênia, ao conhecer as benesses absurdas concedidas pela Lei de Incentivo à Cultura, a chamada Lei Rouanet, durante os governos Lula e Dilma Rousseff, apresenta seus protestos contra a situação critica em que se encontram hoje instituições que preservam a memória de grande figuras do país, sem recursos e completamente abandonadas pelo poder público. Cita o fato de o Instituto Lula ter recebido R$ 7,9 milhões de ajuda, enquanto que o Museu Santos Dumont, instalado na casa onde o inventor do avião nasceu, em Cabangu, ficou à míngua, sem recursos para funcionar. Ou a Casa de Juscelino, em Diamantina, o museu instalado também no imóvel onde nasceu o ex-presidente, estar atravessando um período difícil. Entre outros absurdos, cita o caso de a cantora milionária Cláudia Leite ter recebido ajuda de R$ 5,8 milhões para fazer turnê pelo país. Botando tranca depois da porta arrombada, o governo Bolsonaro tomou medidas para moralizar a lei de incentivo, o que já não é sem tempo. Agora é preciso que as injustiças sejam corrigidas. Gastronomia Mineira Prêmio Eduardo Frieiro Hoje, às 19h, o auditório da sede da Prefeitura de BH, na Afonso Pena, será movimentado com a entrega do Prêmio Eduardo Frieiro em evento que marca a abertura da Semana da Gastronomia Mineira, promoção que na verdade tem um mês de duração, já que seus eventos vão até 31 de julho. O prêmio é dado aos chefs e cozinheiros que praticam e mantêm as tradições da verdadeira cozinha mineira, sem inventar frescuras a respeito. Quanto ao nome dado ao prêmio, esclareça-se que Eduardo Frieiro foi mais um escritor e professor universitário do que um gastrônomo. Sua única incursão no setor foi o ensaio Feijão, angu e couve. Já amanhã, na Assembleia Legislativa, será oficializada a parceria entre a instituição e a Emater para realização na Praça da Assembleia da Feira de Agricultura Familiar da Emater.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade