Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Bra$il em foco

Por hora, é a inflação que está ganhando o jogo, caro ministro

Não há perspectiva de menos pressão inflacionária. Nas contas do mercado financeiro, o IPCA vai fechar este ano em 7,11%, a maior taxa desde 2015


26/08/2021 04:00 - atualizado 26/08/2021 07:35

 A tarifa da energia elétrica deve dobrar de valor entre este e o próximo ano e continuará pressionando os reajustes de preços no país(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 29/6/21)
A tarifa da energia elétrica deve dobrar de valor entre este e o próximo ano e continuará pressionando os reajustes de preços no país (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 29/6/21)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, continua adotando a tática de transparecer normalidade em momentos de desajustes e elevação dos riscos e de fazer ameaças para emplacar projetos da sua pasta. Em um e no outro caso sem muito sucesso. Esta semana Guedes considerou que a inflação brasileira muito além do teto da meta fixada para o ano e severamente pressionada por aumentos generalizados de preços está “dentro do jogo”. Ontem, o IBGE divulgou que a prévia do IPCA de agosto, medida pelo IPCA-15 ficou em 0,89%, a maior taxa para o mês desde agosto de 2002, o ano que sucedeu ao racionamento de energia elétrica imposto ao país em 2001. A taxa é mais de três vezes superior à de agosto do ano passado (0,23%) e maior do que os 0,73% de julho. Em 12 meses, o indicador chega a 9,30%.
 
E pior, os aumentos são generalizados, com avanço em oito dos nove grupos pesquisados pelo IBGE, com a maior alta registrada no grupo habitação, com 1,97% (impacto da energia e do gás de cozinha), seguido do transporte, com elevação de 1,11% (impacto dos combustíveis) e de artigos de residência (1,05%) e alimentação e bebidas, com aumento de 1,02% (impacto das commodities e da seca no país). Só o grupo saúde e cuidados pessoais (-0,29%) registrou queda no mês, influenciado pela redução do poder de compra dos brasileiros. Não há, no cenário de curto prazo, perspectiva de menos pressão inflacionária. Nas contas do mercado financeiro, o IPCA vai fechar este ano em 7,11%, a maior taxa desde 2015.
 
Guedes tenta transferir a inflação brasileira para um contexto internacional, onde preços estão em alta por causa da retomada das principais economias no pós-pandemia, o que pressiona a demanda mundial e eleva os preços das commodities, como petróleo e alimentos. Mas como a perspectiva é de que os Estados Unidos elevem as taxas de juros para conter a inflação por lá e a China cresça menos que o esperado, as commodities devem dar um alívio nos próximos meses. Será um fator a menos, mas não o suficiente para reduzir a pressão inflacionária no Brasil
.
O preço da energia elétrica vai mais do que dobrar entre este e o próximo ano, sendo que o aumento pode ser ainda maior em caso de racionamento, cujo risco se eleva com o agravamento da situação nos reservatórios das usinas hidrelétricas, como reconheceu essa semana o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico ao destacar, na terça-feira, que “predomina a degradação dos cenários observados e prospecções futuras, com relevante piora”. Para executivos de grandes empresas, hoje, os efeitos de uma restrição no fornecimento de energia preocupam muito mais do que os possíveis impactos da disseminação da variante delta do coronavírus.
 
Além da energia, a seca afeta também os preços dos produtos agrícolas, com o clima impondo prejuízo a diversas lavouras e afetando o custo de escoamento da safra por via hídrica. Esse fator pressiona os preços dos alimentos no mercado interno, neutralizando uma possível queda no valor das commodities agrícolas. Isso sem que contar que o real desvalorizado também pressiona a inflação. E parte da valorização do dólar no Brasil está associada ao aumento da percepção de risco pelos investidores, que temem o afrouxamento das regras de controle fiscal, como teto de gastos e Lei de Responsabilidade Fiscal, com a aprovação do Orçamento da União para 2022, ao eleitoral e de tentações populistas de gastos maiores. Se a inflação é do jogo, como diz Paulo Guedes, no Brasil ele vai durar mais tempo. Por hora, ela está ganhando.

Capitalização

R$ 906 milhões foi o movimento no mercado de títulos capitalização em Minas Gerais de janeiro a maio deste ano, segundo a FenaCap.

Incertezas

“O mercado financeiro atravessa uma tormenta, e até os investidores mais experientes estão de 'cabelos em pé'”. Essa é a avaliação da economista-chefe da Veedha Investimentos, Camilla Abdelmalack. Basta lembrar que a Bovespa chegou a 131 mil pontos em junho e agora está na faixa dos 120 mil. Ela lembra que o risco fiscal com a apreciação do Orçamento para 2022, reforma do IR e PEC dos precatórios, está no radar dos investidores

Cibersegurança

O ataque hacker que derrubou a Renner on-line chamou a atenção para a segurança nas operações na internet. “Qualquer tipo de empresa ou entidade que tenha uma porta conectada a Internet está sujeita a diversos tipos de ocorrência”, alerta Geraldo Guazzelli, diretor-geral da Netscout, multinacional para soluções de segurança. Equipe preparada, processos adequados e ferramentas de obstrução podem inibir os ataques.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade