Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas ENTRE LINHAS

Pazuello descobre a pólvora ao falar das variantes da COVID no país

Ministro da Saúde fala o que toda a comunidade médica já alertava há muito tempo


26/02/2021 04:00 - atualizado 26/02/2021 07:41

Pazuello embarcou no negacionismo de Bolsonaro e agora fala em estratégias bem atrasadas contra a pandemia(foto: SERGIO LIMA/AFP)
Pazuello embarcou no negacionismo de Bolsonaro e agora fala em estratégias bem atrasadas contra a pandemia (foto: SERGIO LIMA/AFP)
Há um ano, bem no começo da pandemia de COVID-19, se discutia se era uma “gripezinha”, como disse o presidente Jair Bolsonaro, ou umagrave crisee sanitária

O então ministro da Saúde, Henrique Mandetta, insistia que era preciso adotar a política de distanciamento social, para achatar a curva de contaminação e evitar o colapso do Sistema Único de Saúde (SUS), enquanto se esperava uma vacina eficaz contra o novo coronavírus.

Acabou demitido por contrariar Bolsonaro. O oncologista Nelson Teich, que o substituiu, pediu demissão, rapidinho. Bem mandado, o general de divisão Henrique Pazzuelo foi nomeado para o cargo.

Naquela ocasião, já se sabia que a pandemia cresceria exponencialmente. Entretanto, incentivados por Bolsonaro, os negacionistas embarcaram na canoa furada da gripezinha, nem mesmo máscaras usavam, e colocavam em dúvida a eficácia das vacinas, que finalmente estão chegando, mas em quantidade menor do que a necessária para conter a expansão da COVID-19.

Desprezaram o conhecimento e a experiência de sanitaristas, infectologistas e cientistas. O primeiro escalão do Ministério da Saúde foi substituído por um grupo de militares neófitos em saúde pública.

Bolsonaro agiu como aquele rei persa que apostou e perdeu a partida de xadrez. Como recompensa, o seu vizir pediu um grão de trigo no primeiro quadrado do tabuleiro, dois no segundo, quatro no terceiro e assim por diante, dobrando sempre as quantidades.

O rei achou a recompensa insignificante, oferecendo joias, odaliscas, palácios, mas o vizir recusou. Só desejava os montes de trigo. Na hora de pagar a aposta, porém, o rei teve uma surpresa muito desagradável. O número de grãos começou pequeno: 1, 2, 4, 8, 16, 32 (…) e foi crescendo, 128, 256, 512, 1024… Quando chegou na última das 64 casas do tabuleiro, era de quase 18,5 quintilhões.

A história foi contada pelo falecido físico norte-americano Carl Sagan (Bilhões e bilhões: Reflexões sobre vida e morte, Companhia das Letras, 1998) para chamar a atenção para a importância de se levar em conta os números exponenciais na análise da escala dos mais variados assuntos.

É o caso da pandemia de coronavírus, que pode virar uma endemia, se a política de vacinação do governo continuar errática, pra não dizer toda errada, como está sendo realizada.

COLAPSO

Na quarta-feira, chegamos a 250 mil óbitos, com média móvel recorde de 1.129 mortes por dia. Estudo da Fiocruz referente à Semana Epidemiológica 7 de 2021 (período de 14 a 20 de fevereiro) mostra que oito dos 27 estados brasileiros apresentam sinal de crescimento de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e de COVID-19 (95,4% do total de testes positivos), enquanto seis apresentaram tendência de queda.

Entretanto, todas as regiões do país estão em risco. Ceará, Santa Catarina e Tocantins apresentam sinal forte (probabilidade maior que 95%) de crescimento na tendência de longo prazo (seis meses). Bahia, Espírito Santo, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Sul mostram sinal moderado (probabilidade maior que 75%).

Ceará e Paraíba acumulam cerca de seis semanas consecutivas de crescimento, enquanto Tocantins apresenta cinco semanas. Alagoas, Goiás, Maranhão e Rondônia, embora estejam com sinal de estabilidade na tendência de longo prazo, vêm de longo período de crescimento.

Ontem, o ministro Pazzuelo anunciou que o governo tem três estratégias para enfrentar a pandemia: atendimento imediato em unidades básicas de saúde, estruturação de leitos de UTI e de enfermaria e impulsionar a vacinação.

Ou seja, descobriu a pólvora. Admitiu que a nova cepa do novo coronavírus, que surgiu em Manaus, já está em várias regiões do país. Citou aumento da contaminação no Pará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Goiás, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Na verdade, os sinais de que o Sistema Único de Saúde (SUS) pode entrar em colapso, como aconteceu em Manaus, vêm da escassez de leitos em Santa Catarina, Tocantins, Rondônia, Rio Grande do Sul, Bahia, Ceará, Paraíba, Maranhão e Sergipe.

Quando Pazuello fala em pronto atendimento nas unidades básicas de saúde, não fica claro qual é o tipo de tratamento.

Segundo a revista científica “New England Journal of Medicine”, a pesquisa Solidarity (Solidariedade) mostrou que medicamentos como hidroxicloroquina, remdesivir, lopinavir e interferon tiveram pouco ou nenhum efeito em pacientes hospitalizados com o novo coronavírus.

A pesquisa é organizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e, no Brasil, conduzida pela Fiocruz. Esse coquetel faz parte do chamado “tratamento precoce”, que era recomendado pelo Ministério da Saúde e foi desaconselhado pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS).



*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade