Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA DE JAECI CARVALHO

'Nos embalos de sábado à noite' não tem erro, e o Galo vence todas

Vale lembrar que ele tem um jogo atrasado do turno, que fará na quarta, no Mineirão, contra o Athletico-PR


14/11/2020 21:12 - atualizado 14/11/2020 21:21

'Nos embalos de sábado à noite' não tem erro, e o Galo vence todas (foto: Atlético/divulgação)
'Nos embalos de sábado à noite' não tem erro, e o Galo vence todas (foto: Atlético/divulgação)
O Galo derrotou o Corinthians, de virada, 2 a 1, e assumiu a liderança do Brasileirão com 38 pontos e 12 vitórias. Parece que “nos embalos de sábado à noite” ninguém consegue parar o Atlético. Vale lembrar que ele tem um jogo atrasado do turno, que fará na quarta, no Mineirão, contra o Athletico-PR. Vencendo, irá a 41 pontos e manterá a liderança de forma isolada.

O Galo buscava a liderança para mostrar, mais do que nunca, que continua sério candidato ao título. Já antecipei no meu Blog que que a chapa de consenso, formada por Sérgio Coelho e José Murilo Procópio, tendo os 4 Rs no suporte financeiro - Rubens e Rafael Menin, Ricardo Guimarães e Renato Salvador -, vai buscar dois grandes jogadores no mercado. Hulk, que rescindiu com os chineses, é um nome que agrada. O futuro presidente já pôs o nome dele à mesa para a avaliação do grupo. A ideia é trazer dois jogadores que lotem o aeroporto, pois o Galo quer buscar taças, assim como aconteceu na gestão Kalil, quando ganhou Libertadores, Copa do Brasil e Recopa. 

Antes disso, o Galo só tinha um título de expressão, o Brasileiro de 1971, quando foi o primeiro campeão. Todos vão trabalhar no clube, remunerados pela paixão, assim como fizeram Alexandre Kalil e Rodolfo Gropen. O próprio José Murilo Procópio, advogado dos mais brilhantes, já trabalhou para o clube e jamais cobrou um centavo sequer. 

Outra decisão que será tomada nos próximos dias será a demissão do diretor de futebol Alexandre Mattos. Ele está sem função no clube, já que Sampaoli trata direto com Gabriel Andreata e Renato Salvador. Mattos ganha muito para pouco trabalho. 

O presidente, que será eleito dia 11, só não decidiu se o mandará embora assim que assumir o cargo ou se vai esperar mais um pouco. As denúncias contra o diretor de futebol, principalmente no Palmeiras, acusado pela Mancha Verde e por Valdívia, de fazer rachadinha com empresários em negociações, é muito malvista pelos homens que vão assumir o clube. Além disso, ele foi uma contratação do atual presidente, sem o ok de nenhum dos investidores. 

Ninguém entendeu o motivo de ele ter colocado um empresário para negociar com Vargas, já que bastava um telefonema de Sampaoli para o jogador chileno, e um acordo financeiro entre Renato Salvador, que é quem acerta os contratos, e o atleta. Não precisava de intermediários.
Dito isso, o jogo no Itaquerão foi muito movimentado. Com a derrota do Inter para o Santos, uma vitória daria a liderança ao Galo. Vargas fazia sua estreia. Mas foi o Corinthians quem marcou. Ramiro cruzou para Matheus Davó que faz 1 a 0, de cabeça. 

Antes disso, os jogadores do Galo reclamavam uma penalidade de Gil em Vargas. O VAR da vergonha não foi chamado. Por que não checaram? Foi pênalti claro. Gil puxou Vargas. Que vergonha!!!

 Logo depois, Arana cobrou escanteio e a bola sobrou para Vargas, diante do gol. Ele chutou torto, para a lateral. O Corinthians criava muitas situações e acuava o Galo. O Galo não conseguia sair. Tinha que dar chutão, pois o Corinthians marcava a saída de bola. Guga fez uma boa jogada e cruzou para Zaracho. Ele fuzilou para fora. O Galo não conseguia chegar. 

O Corinthians mantinha a bola no seu campo de ataque. Keno não conseguia seus dribles pela esquerda. O Corinthians sobrava em organização e disposição. O Galo não fazia uma boa partida. Muito preso ao seu campo de defesa, sem nada criar. 

Jair teve uma chance, na entrada da área. Ele dominou e chutou por cima. O Corinthians foi superior e não permitiu que o Galo desse as cartas. Cássio não fez uma defesa sequer. É bem verdade, Everson também não, mas o Timão pôs uma bola lá dentro. Davó quase marcou outra vez, mas Everson saiu bem, nos seus pés e salvou. 

O que digo há tempos, vou repetir: posse de bola e matemática no futebol não valem nada. O Galo teve 68% de posse, mas quem colocou a bola na rede foi o Corinthians.
Os jogadores do Galo voltaram para o segundo tempo, reclamando do pênalti não marcado em Vargas. E realmente aconteceu. Porém, não vi esses jogadores reclamarem do gol legítimo, anulado do São Paulo, contra o Galo, aquele gol do Luciano, nem o gol do Fortaleza. Os árbitros erram contra e a favor. Não deveriam, mas são humanos. O questionamento é o fato de o VAR não ter indicado a revisão ao árbitro. 

O Corinthians mantinha sua postura e não dava espaços ao Galo. Mas o Atlético conseguiu o empate com um golaço de Arana. Vargas tocou de calcanhar e Arana dominou e chutou forte, sem chances para Cássio. 1 a 1. 

Arana não comemorou já que foi atleta formado no Corinthians. Sampaoli pôs Marrony e Nathan e tirou Zaracho e Sacha. 

Num escanteio a bola não entrou por um milagre. O Galo fez uma tabelinha aérea e Cássio salvou em cima da linha. O Atlético melhorou no segundo tempo e corria atrás do gol que lhe daria a liderança do campeonato. 

E o gol saiu com Marrony. Keno recebeu na direita e cruzou. Marrony deu um toque com muita categoria e fez 2 a 1. Nesse momento o Galo reassumia a ponta do Brasileirão. Chegava aos 38 pontos e 12 vitórias. 

Não tem erro: quando o Galo joga aos sábados à noite a vitória é certa. Atlético é líder do Brasileirão, com um jogo a menos, 38 pontos e 12 vitórias. A competição está embolada, pois há vários times com pontuação entre 33 e 36 pontos. O torcedor está eufórico. Galo líder, continuando sua busca pelo bi do Brasileiro.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade