Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Colula do Jaeci

Dia de decisão de Galo e Raposa pelo Estadual e na Copa do Brasil

Enquanto o Cruzeiro tenta um verdadeiro milagre contra o CRB, após perder em BH, Atlético e Tombense fazem primeiro jogo da final no Mineiro


26/08/2020 04:00

O Cruzeiro, de Enderson Moreira, tem dura missão em Maceió: vencer o CRB por pelo menos dois gols de diferença(foto: ALEXANDRE GUZANSHE/EM/D.A PRESS %u2013 8/8/20)
O Cruzeiro, de Enderson Moreira, tem dura missão em Maceió: vencer o CRB por pelo menos dois gols de diferença (foto: ALEXANDRE GUZANSHE/EM/D.A PRESS %u2013 8/8/20)


O Cruzeiro entra em campo hoje, em Maceió, para encarar o CRB pela Copa do Brasil. Horário excelente, 16h, haja vista que não pode haver torcedor nos estádios por causa da pandemia do coronavírus. Os torcedores azuis já nem se lembravam. O time entrará praticamente eliminado, pois levou 2 a 0 no Mineirão, no jogo de ida, e precisa de pelo menos diferença de dois gols para levar a decisão para as penalidades, ou três gols, se quiser avançar à próxima fase de forma direta. Vamos falar a verdade: é uma missão difícil demais, porém, não impossível. O futebol é o esporte coletivo em que o mais fraco pode vencer o mais forte e, curiosamente, o CRB de hoje é melhor que o atual Cruzeiro, ainda mais desfalcado de vários jogadores que atuaram na competição por outras equipes. Se com o time titular já acho o Cruzeiro fraco para vencer equipes do nível do CRB, imaginem sem sete titulares? A gente que não é torcedor e trabalha com a verdade, sem tender para clube A ou B, tem de mostrar a realidade. Seria ótimo o Cruzeiro avançar e faturar R$ 2 milhões em premiação. Porém, é improvável. Vejam bem: improvável, não impossível!

Mesmo faturando 10 pontos e ficando com 4, já que 6 foram tomados por punição da Fifa na Série B do Brasileiro, o Cruzeiro não me convenceu. O jogo que eu mais gostei foi contra o Guarani, quando mostrou um poder de reação incrível. Nos outros jogos, não achei nada interessante. É triste ver Marcelo Moreno se doando lá na frente, sozinho, sem ter ninguém para tabelar, sem receber bola, ajudando na marcação. A bola não chega com qualidade. Não há um armador capaz de criar situações para os atacantes. Dessa forma, ganha o jogo numa jogada de escanteio ou cobrança de falta. Não há uma jogada trabalhada, bem treinada, que se transforme em gols. A situação financeira caótica não permite contratações e, dessa forma, o time vai se arrastando em busca de vitórias. Nesse momento, distante dos ponteiros e a um ponto do 17º colocado. A situação é complicada e não pode esperar. Perder o contato com os ponteiros pode ser determinante para uma crise ainda maior. Diga-se de passagem, Enderson Moreira faz o que pode com o material humano que tem. Mas é pouco. O Cruzeiro tem de se concentrar em voltar à elite. Disputar duas competições ao mesmo tempo, para quem não tem nem um bom time, pode significar não atingir nenhum dos objetivos

Mineiro

Atlético e Tombense começam a decidir hoje, no Mineirão, o título estadual. O time de Tombos joga por dois empates ou vitória e derrota pela mesma diferença de gols por ter feito melhor campanha. O Atlético vive momentos de euforia do torcedor em função da Jorge Sampaoli, que parece ter a chave do clube. Manda em tudo! A cada partida, uma escalação diferente, alegando poupar jogadores. Não entendo o motivo. O Galo disputa apenas o Brasileirão, exceção para esses dois jogos da decisão do Mineiro. Não é normal um técnico preservar jogadores que precisam de ritmo de jogo para crescerem no Brasileiro. O time começou com três vitórias, mas sofreu duas derrotas seguidas, que não desanimaram o torcedor. Ele acredita no trabalho de Sampaoli, fechou com ele e está apostando no título. Por isso mesmo, criticar Sampaoli significa a “morte”. Parece até que foi ele quem inventou o futebol. É um técnico melhor que a maioria dos brasileiros, mas que comete erros, que é instável, e que não consegue definir um time titular. Concordo com mudança de peças e esquema de jogo durante uma partida. Porém, é preciso ter um time base, uma identidade, para que o torcedor confie no grupo. É só isso. Simples assim.

Acabou o respeito

De favorito à conquista do Brasileiro, o Flamengo virou chacota e os adversários já não o respeitam mais. O time já vinha mal, mesmo com Jorge Jesus nesta temporada, e quando o português foi embora, a coisa desandou. Eu avisei em meu comentário na Rádio Tupi, maior audiência do rádio brasileiro, que o Flamengo precisava de um técnico vencedor, capaz de ser respeitado no vestiário. Uma coisa é o cara ser auxiliar, outra, bem diferente, é ser o treinador. Além disso tudo, é visível os jogadores fora de forma e sem a mesma qualidade apresentada no ano passado. Não sei se há tempo de recuperação, pois o Flamengo está em três competições: Brasileiro, Copa do Brasil e Libertadores. Acho que a coisa já desandou na temporada. Curiosamente, Domènec Torrent é o menos culpado. Caiu de paraquedas num time de estrelas – nenhum craque, é verdade –, mas de bons jogadores, e “está mais perdido do que cachorro em caminhão de mudança”. Como neste ano não teremos mais nenhum campeão, pois as competições vão avançar por 2021, a diretoria rubro-negra aposta numa recuperação até lá. Sinceramente, não acredito!

EM on-line

Assim que os jogos terminarem, hoje você confere minha coluna on-line no site Superesportes. Faça a sua assinatura!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade