Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA DO JAECI

Com o Cruzeiro no fundo do poço, que a diretoria caia já

O que leva um dirigente, acusado de corrupção, lavagem de dinheiro e outras falcatruas mais, a querer se manter no cargo depois de jogar sua instituição na lama, na Segunda Divisão?


postado em 12/12/2019 04:00 / atualizado em 11/12/2019 21:40

Zezé Perrella e Adilson no dia do rebaixamento: dirigente e técnico seguirão à frente do Cruzeiro na Segundona?(foto: ALEXANDRE GUZANSHE/EM/D.A PRESS)
Zezé Perrella e Adilson no dia do rebaixamento: dirigente e técnico seguirão à frente do Cruzeiro na Segundona? (foto: ALEXANDRE GUZANSHE/EM/D.A PRESS)


Um clube de futebol pertence única e exclusivamente à sua torcida. Ela é o maior patrimônio esportivo do clube. Sendo assim, a campanha dela para o afastamento de toda a diretoria do Cruzeiro e, principalmente, do presidente Wagner Pires Sá, procede e é legítima. Com a atual diretoria, os torcedores propõem nenhuma adesão ao plano de sócio-torcedor. Se ela renunciar, aí, sim, se prontificam a ajudar o clube. Nada mais legítimo do que isso. O que leva um dirigente, acusado de corrupção, lavagem de dinheiro e outras falcatruas mais, a querer se manter no cargo depois de jogar sua instituição na lama, na Segunda Divisão? Sujou a gloriosa história de um dos clubes mais vencedores do país, culminando até na morte da torcedora símbolo, Dona Salomé. É um descalabro! As acusações são gravíssimas e o Ministério Público precisa dar uma satisfação à China Azul e à sociedade de bem. Não dá mais para essa gente continuar. Entendo que os vices eleitos não estão envolvidos em nenhum ato ilícito. São homens sérios e retos. Porém, é melhor a renúncia coletiva para que o Cruzeiro tome outro rumo e possa se recuperar do duro golpe.

O homem forte do futebol, Zezé Perrella, fez revelações cabulosas. Uma folha de R$ 20 milhões, maior que a do Flamengo, que ganhou quase tudo neste ano. Mais de R$ 70 milhões em comissões a empresários. Salários altíssimos para ex-jogadores em atividade e outros inexpressivos, e técnicos custando mais de R$ 700 mil mensais. O resultado não poderia ser outro, com tanta irresponsabilidade junta. A dívida chegou à casa dos R$ 700 milhões, sendo que há um atraso com a Fifa, em torno de R$ 60 milhões, o que pode custar mais um rebaixamento ao Cruzeiro. É terra arrasada! Sem ter nenhuma relação com isso, Perrella tenta ajudar o clube a se reerguer, mas acho que ele deve fazer isso com uma nova diretoria. Essa que aí está não tem o respaldo do torcedor e da sociedade de bem. O presidente do clube deveria renunciar e nunca mais passar na porta do Cruzeiro Esporte Clube. Sujou uma história quase centenária. Com essa dívida e sem receita, o Cruzeiro vai viver um ano de 2020 terrível. Há quem afirme que dificilmente irá voltar à elite, o que seria realmente uma tragédia para o seu torcedor.

Os torcedores me perguntam o que leva uma pessoa, acusada de desvios, corrupção e lavagem de dinheiro, que derrubou o clube, a querer continuar como presidente. Sinceramente, não sei responder. Amor ao clube eu garanto que não é. Onde estão os verdadeiros cruzeirenses, que têm condição financeira boa, são independentes e poderiam ajudar o clube nesse momento dificílimo? Sumiram? Essa é a hora de o torcedor saber quem é quem, pois na hora das conquistas e taças, todo mundo quer aparecer na foto. A situação do Cruzeiro é gravíssima, pré-falimentar. Não brinquem com isso, pois várias instituições grandes já foram extintas por conta de má gestão. O Cruzeiro tem de fazer uma barca gigantesca de ex-jogadores em atividade, mandar embora e ficar apenas com os mais experientes, que realmente amam o clube e dão sangue e suor por ele. O torcedor sabe muito bem quem são eles.

Não se iludam de que somente os jogadores da base farão o time subir. Não é assim que se faz futebol. Passada a comoção da queda, é preciso pés no chão, avaliar com cuidado para não cometer erros crassos. Claro que os jovens devem ser promovidos, mas com cuidado e cautela, para não queimá-los. E será Adilson Batista o técnico na Série B? Eu gosto muito dele, sei que tem a pele cruzeirense, mas seus últimos trabalhos não o credenciam. A Série B é uma competição dificílima, em que o nível técnico é bem rasteiro, e o componente raça realmente é vital. Já sugeri que o Cruzeiro ponha os jogadores em “voos rasteiros”, leia-se “busão”, pois quem está na Segundona não merece viajar em aviões. Os salários também terão de se adequar à nova realidade do clube. Lembro-me que os Perrella, os dirigentes mais vencedores da história do clube, não pagavam fortunas a técnicos e jogadores.

Como Zezé Perrella está de volta, acredito que vá manter sua filosofia de trabalho, com os pés colados no chão. E ao torcedor de bem vai aqui uma sugestão: pressione do começo ao fim e não ceda. O Cruzeiro precisa de gente nova, respirar ares da modernidade, com dirigentes sérios e comprometidos somente com o clube, sem nada tirar dele. Já passou da hora de os clubes brasileiros virarem empresas. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, acena com um belo projeto e um Refis imediato. Quem sabe o Cruzeiro não resolve sua gravíssima crise transformando-se em clube empresa?



Publicidade