Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas COLUNA DO JAECI

Em seu melhor jogo no Brasileirão, Cruzeiro é derrotado pelo Flamengo

Apesar do resultado negativo, a Raposa mostrou que está evoluindo e tem tudo para sair das últimas colocações do Brasileiro


postado em 22/09/2019 04:00 / atualizado em 21/09/2019 20:17

David travou um bom duelo com Rafinha na derrota do Cruzeiro para o Flamengo por 2 a 1(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
David travou um bom duelo com Rafinha na derrota do Cruzeiro para o Flamengo por 2 a 1 (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)


O Cruzeiro fez uma grande partida. Jogou bem, encarou o Flamengo de igual para igual, mas sucumbiu ao melhor time do Brasileirão e acabou sofrendo mais uma derrota, que o mantém na zona de rebaixamento. Talvez o empate fosse o resultado mais justo, pelas oportunidades de ambos os times. Entretanto, encarar o poderoso Flamengo, que além de 11 titulares de alto nível tem um banco forte, realmente é difícil. Gabigol e De Arrascaeta definiram a vitória. Thiago Neves, de pênalti, fez o gol de honra. O Flamengo chega aos 45 pontos, é cada vez mais líder e agora vai encarar o Internacional. A postura do time azul me agradou e mostrou que ainda pode haver salvação. Os jogadores estavam comprometidos com a vitória, que só não aconteceu porque do outro lado havia um time muito forte. Fosse outro o adversário ontem e, não tenho dúvidas, o Cruzeiro teria vencido.

O Flamengo começou ditando o ritmo de jogo. O Cruzeiro, acuado em seu campo de defesa, não conseguia produzir nada. Os comentaristas só falam em percentual de posse de bola, como se fosse o futebol uma ciência exata. Gabigol, artilheiro da competição, aquele que só fez um gol em um ano de Europa, mostrou o cartão de visitas num chute que passou raspando a trave. No lance seguinte, mostrou o motivo de sua grande fase. Recebeu um cruzamento na área, cabeceou para o chão e venceu o paredão azul. Fábio ainda foi nela, mas não teve jeito. Flamengo 1 a 0. E o time rubro-negro continuou em cima, querendo decidir a parada no primeiro tempo. O Cruzeiro não conseguia criar, não dava trabalho a Diego Alves. Porém, numa jogada na área, Pedro Rocha e Rodrigo Caio se embolaram. O árbitro Raphael Claus marcou pênalti e nem quis atender ao chamado do VAR. Thiago Neves bateu forte, rasteiro, no canto esquerdo de Diego Alves. 1 a 1. Foi o que de melhor aconteceu nos primeiros 45 minutos. Pouco para uma expectativa tão grande em torno do líder do Brasileirão e de um Cruzeiro preso na zona de rebaixamento.

Outro jogo

No segundo tempo, Jorge Jesus tirou o inexpressivo Vitinho, que custou R$ 43 milhões e nada joga, e pôs Piris da Motta. O Flamengo atacava. O Cruzeiro contra-atacava e fazia sua melhor partida sob o comando de Rogério Ceni. O Flamengo quase marcou com Bruno Henrique e, no contra-ataque, Pedro Rocha quase marcou. Diego Alves salvou. No lance seguinte foi a vez de Fábio fazer grande defesa. Era lá e cá. Ezequiel chutou, a bola desviou em Filipe Luís e bateu na trave. O Flamengo deu sorte. Rogério Ceni fazia o Cruzeiro explorar as subidas do lateral do Flamengo e isso melhorou o desempenho ofensivo do time azul. O jogo melhorou bastante. Ezequiel, que entrou, dava muito trabalho pela direita. De Arrascaeta fez bela jogada pela esquerda e cruzou certinho, na cabeça de Bruno Henrique. Ele testou forte, mas Fábio fez uma grande defesa. Mais uma na conta do paredão azul. Era outro jogo na segunda etapa. O Cruzeiro com uma postura de time grande que é. O Flamengo tentando conseguir a sétima vitória consecutiva no Brasileirão.

Numa boa jogada pela direita, Arão cruzou, Gabigol fez o corta-luz e De Arrascaeta fuzilou, sem chances para Fábio. 2 a 1. Um golaço. O Flamengo pratica futebol em nível europeu. O Cruzeiro fazia sua melhor partida sob o comando de Ceni. Porém, era evidente o poderio do time rubro-negro. Orejuela falhou no passe, Filipe Luís tomou a bola e cruzou. Fábio salvou nos pés de Gabigol e de Bruno Henrique. Que jogo, senhoras e senhores! Agradava-me muito a postura do Cruzeiro. A entrada de Fred matou qualquer esquema de velocidade do time azul. Isso era ruim. De Arrascaeta fez grande jogada, deu uma caneta em Cacá, ficou cara a cara com Fábio, mas chutou por cima, quando tinha Gabigol e Bruno Henrique livres. No lance seguinte, Rafinha fez falta na entrada da área em Ezequiel. Uma grande chance para o time azul. Robinho chutou na barreira. Escanteio. Deivid perdeu o gol de empate, cabeceando para fora, livre. Realmente era um Cruzeiro com postura, com determinação, com vontade. O tempo passou, as chances foram desperdiçadas e o apito final do árbitro deixou a torcida azul frustrada, mas sabedora de que sua equipe talvez tenha feito a melhor partida no Brasileirão. O problema foi encarar o Flamengo, time mais bem montado, com peças de reposição. Rogério Ceni tem uma sequência de jogos difíceis pela frente. Mas não há outra opção. Tem que seguir sua filosofia e tentar o máximo. Eu gostei do Cruzeiro de ontem, apesar da derrota. Se mantiver essa postura e pegada, com certeza vai sair dessa fase ruim.
 
 


Publicidade