Publicidade

Estado de Minas COLUNA DO JAECI

Neymar chegou ao PSG como astro e pode sair sem deixar saudade

O camisa 10 não conseguiu levar o Paris Saint-Germain ao título da Champions e esteve fora nos momentos decisivos do time


postado em 28/08/2019 04:00 / atualizado em 27/08/2019 20:30

Neymar chegou pela porta da frente. Se sair, será pela dos fundos(foto: FRANCK FIFE/AFP - 17/8/19)
Neymar chegou pela porta da frente. Se sair, será pela dos fundos (foto: FRANCK FIFE/AFP - 17/8/19)


O Barcelona bateu o martelo e ofereceu 170 milhões de euros ao PSG por Neymar. O time francês ainda não respondeu, pois não quer abrir mão dos 52 milhões de euros que teria de prejuízo. Pagou 222 milhões de euros pelo jogador há dois anos e não teve o menor retorno. Neymar expôs o clube. Sua primeira providência foi brigar com Cavani por causa de uma cobrança de penalidade. Sofreu uma grave contusão no quinto metatarso (claro que não tem culpa disso), mas, ainda assim, não deixou de curtir festas, mesmo de muletas ou com um pé numa bota ortopédica. Contratado para dar ao PSG uma Champions League como protagonista, fracassou. E vai sair de Paris, caso seja negociado, pela porta dos fundos. É sabido que o príncipe catariano, que contratou Neymar também como garoto-propaganda da Copa do Mundo naquele país, está decepcionado e não se importará se mantiver o atleta, a contragosto, em Paris. Dinheiro não é problema, mas ele não quer facilitar em nada a saída do nosso único grande jogador. Neymar chegou a Paris sendo homenageado pelos operadores da Torre Eiffel, que lhe deram as boas-vindas com luzes no principal monumento da França. Porém, poderá deixar a Cidade Luz de forma apagada, como o maior prejuízo da história do clube francês. As escolhas erradas, os conselhos dos chamados “amigos” e a falta de profissionalismo acabaram por destruir o sonho de Neymar. Com certeza, ele é um dos jogadores mais ricos do mundo sem ter ganho praticamente nada, em termos de carreira, como jogador. A Champions League de 2015 do Barcelona, em Berlim, só aconteceu porque ele tinha em Messi o seu grande protagonista.

Quarenta taças

Daniel Alves, 36 anos, foi eleito o melhor jogador da Copa América e resolveu jogar no São Paulo com contrato de dois anos, e um salário irreal para o futebol brasileiro. Ele se gaba de ser o jogador com mais títulos na história – se não me engano, mais de 40. O problema é que na Europa eles contam cada competição como título que dá dó. Vou dar o exemplo de Thiago Silva, que em 7 anos de Paris Saint-Germain ganhou seis campeonatos franceses, quatro Copas da França, cinco Copas da Liga e sete Supercopas da França. Só aí são 22 títulos. Viram como é fácil enumerar e se considerar, no caso de Daniel Alves, o jogador com mais títulos na história? E olha que ele jogou com Messi, que ganhou três Champions League, como protagonista, e premiou os companheiros, como Alves. Só que quando ele propaga esse número aos quatro cantos do Brasil, os brasileiros ficam pasmos, achando realmente que todos esses títulos têm algum valor. Desculpe-me, mas tirando a Champions League e o Mundial Interclubes, o resto é balela. Até mesmo o Campeonato Espanhol é fraquíssimo, com Barça e Real se dividindo nas conquistas e, esporadicamente, o Atlético de Madrid entrando no meio. Thiago Silva nunca foi campeão da Champions, nem tampouco do Mundial, mas pode se gabar de ter esses 22 títulos na França, que, para dizer a verdade, nada valem. Ser campeão inglês ou italiano tem um peso. Mas alemão, espanhol e francês, me desculpem, mas nada acrescenta na vida de um jogador. Só mesmo para se gabar e iludir os bobos que não conhecem futebol.

Luxemburgo

Aqueles que davam a carreira do técnico Vanderlei Luxemburgo como acabada estão se dando mal. O técnico faz um grande trabalho no Vasco, que tem um time medíocre e fraco. Luxa está na vanguarda desde 1993-94, quando ganhou o bicampeonato brasileiro com o Palmeiras. Naquela época, já fazia trabalhos memoráveis e é o único pentacampeão brasileiro. Luxa dirigiu alguns clubes e não ganhou taças, e isso fez com que parte da imprensa o detonasse, dizendo que estava ultrapassado. Os imediatistas gostam de encerrar carreiras prematuramente. Luxemburgo é realista. Sabe que o campeonato do Vasco é o de brigar para não cair, para fazer os 45 pontos e se manter na elite. Não adianta: sem limões, ninguém faz uma limonada. Ponham Luxemburgo no Flamengo ou no Palmeiras e vocês o verão sendo campeão outra vez.

Libertadores

O Flamengo entra em campo hoje, no Beira-Rio, com vantagem gigantesca para chegar à semifinal da Libertadores. Se fizer um gol, o Inter terá que fazer quatro. O rubro-negro pode até perder por um gol de diferença que estará classificado. Desde a década de 1980, o Flamengo não chega a uma semifinal da competição. E só ganhou o título uma vez, em 1981. Como gastou R$ 200 milhões em contratações, a torcida está esperançosa.



Publicidade