Publicidade

Estado de Minas COLUNA DO JAECI

Ceni dá nova esperança ao torcedor azul

Se o "campeão'' ainda não voltou, pelo menos entrou em outro ritmo, em que fazer gol é mais importante do que defender


postado em 19/08/2019 04:00 / atualizado em 18/08/2019 19:41

Em sua estreia pelo Cruzeiro, Rogério Ceni optou pela ofensividade e derrubou o líder, Santos(foto: ALEXANDRE GUZANSHE/EM/D.A PRESS)
Em sua estreia pelo Cruzeiro, Rogério Ceni optou pela ofensividade e derrubou o líder, Santos (foto: ALEXANDRE GUZANSHE/EM/D.A PRESS)


Em apenas 90 minutos o técnico Rogério Ceni, que fazia sua estreia no comando do Cruzeiro, mostrou como se deve escalar uma equipe e de que forma se joga ofensivamente. Tudo o que Mano Menezes fez nos últimos três anos, aquela retranca tipo boca de bode, Ceni repudiou e optou pelo drible, pela tabela, pelo gol. O Cruzeiro derrubou o líder, Santos, por 2 a 0, saiu do Z-4 e dá uma nova esperança ao torcedor azul. Claro que a expulsão de um zagueiro santista, com 3 minutos, facilitou as coisas. Porém, Ceni, que como goleiro via o jogo todo, gosta de jogar pra frente. Não o ouço dizer pega, quebra, marca, e, sim, toca, dribla, tabela. O Cruzeiro será assim daqui pra frente, não tenho dúvidas. Mesmo no Z-4, com Mano, todos sabemos que o time azul não cairá. Primeiro, porque agora tem um técnico que pensa e sonha com o gol. Segundo, porque há adversários terríveis, ruins tecnicamente, fadados à queda. Dizer que Ceni já mudou o time da água para o vinho seria incoerência da minha parte, mas que a presença dele determinou a vitória e o empenho dos jogadores, não tenho a menor dúvida. O Cruzeiro terá como próximo adversário o CSA, que bateu o Fluminense. Entretanto, não vislumbro outro resultado que não seja mais uma vitória do Cruzeiro para mostrar sua recuperação.

O futebol não tem mistério. Se uma equipe joga pra frente, ela vai dar espetáculo e a chance de vencer é grande. Sampaoli é um grande treinador. Está nos encantando, mas é um técnico suicida. Só quer ganhar e ganhar, sem a menor preocupação em ajustar os setores. Nem tanto ao céu nem tanto ao mar. Ele precisa achar o equilíbrio. As derrotas do Santos no Brasileirão se devem sempre ao seu ímpeto em só pensar em ganhar. Mas eu prefiro assim, pois o medo de perder tira a vontade de ganhar, e Sampaoli não tem medo de perder. O Cruzeiro tem bons jogadores, alguns fora de forma e outros ganhando muito e produzindo pouco. Ceni não é bobo, foi jogador e foi escolhido pelo grupo azul, o que acho um erro. Jogador não tem de escolher treinador, mas como o Cruzeiro vive um momento turbulento, com a diretoria acusada de corrupção, os jogadores foram consultados. Escolheram Ceni e essa cumplicidade deverá durar se a fase melhorar ou implodir o grupo, caso não dê certo. Eu acho que os jovens treinadores, como Ceni, merecem tempo e chance para se firmar. Estão em busca de um lugar ao sol, e desde que queiram jogar pra frente e resgatar o nosso verdadeiro futebol, terão meu apoio. A torcida azul voltou a sorrir e a cantar, vendo que o DNA ofensivo da equipe voltou. Se o “campeão” ainda não voltou, pelo menos entrou em outro ritmo, em que fazer gol é mais importante do que defender. Em que chuta várias vezes ao gol adversário e não fica 45 minutos atrás, sem incomodar, como foi contra o River, no Monumental de Núñez. Os ventos mudaram no Cruzeiro, e espero que para melhor. Espero que Ceni tenha todo o sucesso do mundo e que resgate o verdadeiro futebol azul. Só terá sentido se for assim.

Derrota

 
Perder para o Athletico, em Curitiba, não é demérito para ninguém, pois o Furacão é muito forte em seus domínios. Não vi o jogo, porque nenhuma TV transmitiu, mas ouvindo meu amigo Mário Henrique, o Caixa, percebi que o goleiro do time da casa foi fundamental para a vitória, pois o Galo não jogou mal. Perder pontos contra adversários fortes não é problema, pois no jogo de volta em BH o Galo poderá devolver o placar. O que não pode é perder pontos para times que estão brigando para não cair. Esses são irrecuperáveis. O Galo está fazendo um bom papel na competição, dentro de suas limitações técnicas e financeiras. Quando o Brasileirão começou, ninguém imaginava que o Galo estivesse entre os ponteiros, e ele surpreende positivamente, com futebol competitivo, de qualidade, principalmente depois que Chará, Cazares e Vinícius se entrosaram. A saída do péssimo Luan foi fundamental para que o Galo crescesse e para que esteja fazendo uma campanha surpreendente. O presidente da Assembleia Legislativa, Agostinho Patrus, agradece. Atleticano roxo, está feliz com a campanha atual.

Indenização

 
Se o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, que me parece não ter coração, se sensibilizar com a dor das famílias dos 10 garotos que morreram queimados no Ninho do Urubu e acertar uma indenização, tenho certeza de que o Flamengo poderá levantar taças neste ano. Se continuar ignorando, gastando uma fortuna no time, não vai ganhar nada. A Justiça dos homens é falha, mas a divina, não. Acho que é preciso calcular o tempo de vida útil dos garotos no futebol e pagar uma indenização justa. A vida não tem preço, mas pagar mensalmente, durante alguns anos, um salário justo para cada família, é o mínimo. Se isso ocorrer e o Flamengo for campeão, vou comemorar. Caso contrário, vou torcer contra, pois, para mim, acima de tudo está a vida, principalmente de garotos que sonhavam em dar conforto aos familiares. E vou além: é preciso que os culpados, no mínimo, por negligência, sejam punidos. É inadmissível morrerem 10 crianças num lugar que não tinha alvará para receber seres humanos e ninguém ir para a cadeia. Só no Brasil mesmo, pois, em qualquer país sério os negligentes pegariam, no mínimo, 10 anos de cadeia. Tá dado o recado!


Publicidade