Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA HIT

Vivências da comunidade LGBT inspiram fotógrafa de 'Cidade pandêmica'

Natasha Baur apresenta o resultado de trabalho que desenvolveu a partir de depoimentos. O projeto pode ser acessado em https://natashabaurr.wixsite.com/2020


10/02/2021 04:00

(foto: Clara Mello/Divulgação)
(foto: Clara Mello/Divulgação)

“2020: as vivências e dificuldades da comunidade LGBT durante a pandemia da COVID-19 é um projeto desenvolvido através de relatos direcionados a mim, com os quais construí uma narrativa imagética utilizando a vastidão restrita do meu próprio casulo para retratá-la. Abro as portas das possibilidades da minha morada para escancarar angústias, sentimentos, desejos e vivências da população LGBT durante a pior crise do século.
Com esse projeto, busco expor preconceitos, dificuldades e deleites de sermos quem somos e, assim, inserir um novo ponto de vista na história a ser contada, além de dar voz aos que sempre foram silenciados. Espero que este projeto traga sentimentos de pertencimento e afeto aos que compartilham essa vivência, mas que também permita novas percepções e entendimentos para os que são alheios a ela.”

(foto: Natasha Baur/Divulgação)
(foto: Natasha Baur/Divulgação)

FOTO DE NATASHA BAUR, 24 ANOS
Artista plástica, fotógrafa e tatuadora, que encontrou na multiplicidade de linguagens o seu fazer artístico 

BAGUERI
PÃES PELA CIDADE

Depois de Lourdes, é a vez de o Belvedere ganhar nova unidade da Bagueri Delicatéssen de pães. Com projeto da arquiteta Isabela Vecci, a loja deve ser aberta até o final deste mês. O empresário Felipe Santiago prevê novas inaugurações em outros bairros de BH até dezembro.

E-CARNAVAL
RIO/SP/BA/MINAS

Jota Quest participa, na sexta-feira (12/2), do E-Carnaval SulAmérica, que será comandado por Preta Gil. Serão dois blocos por artista. “O Péricles joga para mim, eu jogo para a Preta, ela para o Chiclete e vamos batendo essa bola em clima carnavalesco”, resume Rogério Flausino, vocalista da banda mineira, citando outros convidados da folia. A transmissão ocorrerá pelo canal da SulAmérica no YouTube, canais Like e 500/Claro TV, além das rádios Mix e SulAmérica Paradiso FM. “Vamos fazer uma festa carnavalesca, cada um puxando para seu estilo, tocando canções para pular carnaval sem pular os protocolos de segurança. Galera liga em casa e vai curtindo”, diz Flausino.

PAINEL
CONTRA O ESTRESSE

É do designer Sillas Maciel a obra que pode ser vista no Mural Templuz, na Avenida Nossa Senhora do Carmo, 1.150, em Belo Horizonte. “É um recado motivacional para encarar este novo tempo”, afirma ele, que considera a pandemia um grande desafio. “Você se manter produtivo e emocionalmente estável tem sido uma missão desafiadora”, diz Maciel.

VIRTUAL
VEIO PARA FICAR

Um dos nomes mais respeitados das artes cênicas em Belo Horizonte, o dramaturgo Sérgio Abritta não tem dúvida: o teatro virtual veio para ficar. A afirmação tem como base sua experiência mais recente, ao participar da montagem de Wilde.Re/Construído, que venceu o prêmio Palco em Cena, concedido pelo Cine Theatro Brasil-Valourec e Instituto Unimed-BH. Abritta assina texto e direção da montagem. Prevista para o fim de janeiro, a estreia foi suspensa devido ao decreto municipal que interrompeu o funcionamento de atividades 
não essenciais.

• • •

Abritta conta que não foi fácil montar a peça no formato virtual. “Primeiro, por causa dos ensaios, feitos com FaceChild e máscaras, o que impede a visão do rosto do ator. A voz também sai abafada. Segundo, porque tive de cortar várias marcas de aproximação, como beijos e abraços”, enumera. Mas, segundo ele, tudo isso valeu a pena quando a equipe foi para o palco. “Voltar à cena, mesmo com todos esses problemas, é como renascer do caos. A emoção é muito grande e os atores sentiram isso. Vimos que, tomadas todas as precauções, é possível fazer teatro!”, garante.

• • •

Abritta observa que uma outra espécie de teatro vai ganhando nova forma, com linguagem bastante diferente da usual. “Não dá só para filmar a peça, pois teatro filmado é muito chato. É preciso descobrir um outro tipo de teatro, o teatro virtual, que demanda uma série de procedimentos não exigíveis no 
teatro convencional.”

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade