Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas NOVO NORMAL

Fernanda Calabria Lage troca o Direito pela pintura artística de paredes

Advogada conta que, durante a pandemia, encheu a casa de cores e conquistou seu universo particular. Ela é a convidada da seção 'Virada de mesa', da coluna Hit


07/02/2021 04:00

Fernanda Calabria Lage se descobriu ao encher as paredes brancas de cores(foto: Leca Novo e Juliano Arantes/divulgação)
Fernanda Calabria Lage se descobriu ao encher as paredes brancas de cores (foto: Leca Novo e Juliano Arantes/divulgação)

Foi preciso apenas um ano e meio exercendo a advocacia e três meses de pandemia para Fernanda Calabria Lage descobrir que seu caminho era mesmo o das artes plásticas. “Advocacia, no conceito, é uma profissão muito bonita, mas no dia a dia... Direito é preto e branco, eu muito colorida”, compara, com bom humor.

Paralelamente à carreira, Fernanda, que morou por uns bons tempos na Inglaterra e na Itália, foi professora de inglês. Ela colocava em prática sua criatividade com os alunos – adultos e crianças. “Eram momentos de escape para o meu lado criativo”, diz, contando que procurava dar aulas divertidas e interessantes.

PANDEMIA 
A satisfação dos alunos com seu trabalho não bastou para deixá-la tranquila como profissional. Certo dia, a convite de uma das estudantes, foi trabalhar no Estudio Bingo (@estudiobingo), assumindo a responsabilidade pelas mídias sociais. Feliz da vida, curtia as novas funções “até que entrou a pandemia e o mundo virou de cabeça para baixo”.

Fernanda sabe que não pode reclamar, pois está bem de saúde e ninguém da família foi contaminado pelo novo coronavírus. Mas ela reconhece: foi desafiador se ver, de repente, em casa com paredes em branco.

Morando no bairro Santo Antônio com o marido, Daniel Alvim, e os pets (a dálmata Phoebe, o weimaraner Zoey e a gatinha resgatada Mika), já em isolamento por causa da pandemia, ela decidiu pintar as paredes de casa. “Estar aqui tanto tempo com esse espaço branco começou a chamar a minha atenção”, recorda.

Fernanda acredita que a estética de uma residência e o ambiente influenciam o estado físico do morador. A sala foi a primeira escolhida para a experiência. O processo foi tão natural que ela decidiu arriscar e pintou todas as paredes.

Logo veio o convite de uma amiga, Kenia Lopes, para pintar uma parede da casa dela. De novo, deu tudo certo. O resultado agradou.

Com a pandemia apertando, Fernanda decidiu montar no Instagram uma página com seleção de suas paredes – já eram várias, àquela altura. Fez seu portfólio (@fecalabria) e não parou mais.

Todo o trabalho dela segue protocolos. Até receber o OK para iniciar a obra, os contatos com informações sobre o tamanho da parede e o vídeo do ambiente para que a pintura fique em harmonia com o espaço ocorrem de forma virtual. Fernanda trabalha sozinha. Geralmente, entrega o serviço em um dia.
Fernanda e o marido, Daniel Alvim, com Zoey e Phoebe
Fernanda e o marido, Daniel Alvim, com Zoey e Phoebe

MOTORHOME 
O projeto está funcionando tão bem que ela pretende espalhar suas cores pela América Latina. Fernanda e o marido compraram um ônibus que será transformado em motorhome, no qual os dois pretendem seguir para Ushuaia, na Argentina, no fim do ano.

“Agora encontrei o meu lado criativo e não largo mais. Daqui para a frente, sou pintora. A pandemia me fez descobrir essa capacidade estética”, diz. Fernanda já tem propostas para levar seu trabalho a outros estados. “Vou deixar fluir, sem amarras. Vou pintar o mundo inteiro”, garante.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade