Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

As preciosas lições do isolamento

No 'Diário da quarentena', o músico Gentil Nascimento revela como os dias de solidão transformaram sua vida


31/07/2020 04:00

Diário da quarentena

O tempo, a dor e a luz 

Gentil Nascimento 
Músico
 
Percebi, de forma intensa, como a privação de liberdades tem acelerado vários processos de transformação na vida das pessoas. Empresas se adaptando, novas tecnologias e – por que não? – amores se rompendo, amores se criando. Eu mesmo, lá no início, perdi um grande amor. A casa ficou vazia, sem vida, solitária, preenchida apenas por objetos cheios de história.

Distante dos amigos, dos bares e do direito de passar o tempo me distraindo, terminar um relacionamento em plena quarentena foi visceral. Foi o espelho mais claro em que já olhei. Não culpo a quarentena, mas a velocidade com que tudo tem acontecido. Muitas vezes, situações podem se tornar inadministráveis. O tempo pode ser traiçoeiro. Pra mim, ele foi.

A quarentena nos coloca de frente para questões internas, nos provoca e nos testa. Em relacionamentos, quase simula uma “prisão”. Em momentos como este, é raríssimo os seres humanos não entrarem em atrito uns com os outros. Com muito aprendizado, deixo aqui um conselho para o Gentil do futuro: dê tempo ao tempo, sempre esteja com alguém que saiba fazer o mesmo. Quarentenar a dois necessita de muito diálogo. Somente com paciência e transparência se vence o extremo. Ouvindo mais e sabendo a hora de usar as palavras.

O clichê nunca falha: o tempo é o melhor remédio. Desta vez, tive muito tempo só pra mim. O melhor remédio de todos, disponível o tempo todo. Uma ironia! Enquanto o isolamento nos faz sofrer, temos em mãos a cura para resolver qualquer problema.

O dia a dia na cidade grande é insano. Enquanto somos bombardeados de informações e estímulos, precisamos administrar nossas emoções entre um universo de coisas. Tudo se interrompe e, dessa forma, por que não aproveitar esse tempo para acelerar os nossos processos de cura? Vou além: enxergar a quarentena como perda de tempo é ignorância pura. Isso sim, seria perda de tempo.

A quarentena começou intensa. Intensidade que se tornou um longo processo de transformação pessoal. Não só pela cura de um amor perdido, mas pelo forçado voto de silêncio e pela profunda reflexão sobre as questões da vida. Quem são os verdadeiros amigos, o quão superficial pode ser o dinheiro e como nos embriagamos de alguns sentimentos só para esquecer outros. Tive tempo para pensar em mim. Neste processo, os beijos se tornaram mais doces, os toques ficaram mais leves e os olhares muito mais profundos.

Ainda não sei o tamanho do túnel, mas daqui já vejo a luz. De longe, enxergo um Gentil diferente. Gentil este que, na quarentena, aprendeu uma grande lição: se ignorá-lo, o tempo será o grande vilão. Se compreendê-lo, será um grande conselheiro. Se recebê-lo, o tempo será o seu melhor amigo. Como um grande amigo deve ser, estará sempre disponível para lhe ajudar a pensar em como ser uma pessoa melhor.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade