Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Diário da quarentena

Para professor de história, não é o surgimento da COVID-19 que causa surpresa

No Diário da quarentena, Caio Boschi diz que a constatação mais assustadora é o quanto estamos despreparados para enfrentar sua rápida expansão


20/07/2020 04:00

caio boschi
Professor de história na PUC- Minas. 
Membro da Academia Mineira de Letras
 
Não vou registrar rotinas ou episódios do meu cotidiano nesses tempos tormentosos. Opto por narrar desassossegos que neles e por eles fica(ra)m agravados. Nas linhas que se seguem, torna-se flagrante, desde o início, a ausência de originalidade e de exclusividade na percepção e na vivência expostas.
 
Começo por lembrar que epidemias e pandemias são recorrentes na história dos povos. Só por isso, o surgimento da COVID-19 não causa surpresa. O impactante é constatar o quanto estávamos - e estamos - despreparados para a sua manifestação e rápida expansão. Há tempos convivíamos, dentre outros indícios, com a crise do neoliberalismo, com avassaladora tragédia ecológico-ambiental e com variadas formas de mortalidades coletivas, fenômenos denunciados nas últimas décadas em tantos e tão disseminados protestos sociais.
 
Agora, então, cuidamo-nos uns aos outros, exercitando, dentre outras medidas profiláticas, o distanciamento social. Que disparate! Para ser solidário é necessário ser (por vezes) solitário. Mas, solidários com quem? Sem desdenhar ações individuais e coletivas de louvável empatia, assinale-se que a pandemia, uma vez mais, desnudou a histórica falta de solidariedade dos brasileiros.

No cenário, horrorizamo-nos com a naturalização da morte veiculada pelos noticiários. A mortandade versada como meras e frias estatísticas, uma permanente exibição de números. Escassos e superficiais comentários sobre a melancolia no momento da despedida e do sepultamento dos vitimados. Silêncio em torno dos imponderáveis reflexos psíquicos e afetivos de frustrados funerais.
A tais posturas somam-se o desvario, a insensibilidade e a indiferença de determinados (des)governantes, a quem, polêmicas conceituais à parte, não seria impróprio qualificar de genocidas.
 
Confrontado com esse bombardeio, outra inquietude é ter consciência de que a propagação do coronavírus não se opera indistintamente, do mesmo modo que a quarentena apresenta-se sempre discriminatória. São muitos os “coletivos sociais” por ela abrangidos, conforme apontou Boaventura de Sousa Santos em A cruel pedagogia do vírus (Coimbra: Almedina, 2020). Tampouco são universais as recomendações para a debelação da COVID-19. Basta mencionar o angustiante e criminoso descontrole das pessoas nas paragens e no interior dos transportes coletivos.
 
Não tergiversemos: a pandemia exacerbou nossas deploráveis desigualdades sociais! Ademais, considere-se que, na circunstância e mais do que nunca, o vocábulo quarentena nega seu significado de origem. Quarentena, por quanto tempo? E, até quando?
 
Não bastasse o diuturno desespero face à perspectiva do contágio, preparemo-nos para viver as recém-anunciadas evidências de que a transmissão da COVID-19 também acontece pelo ar. Seja como for, ao fim e ao cabo, desejamos todos que, a despeito do temeroso advento de novas doenças infecciosas, o antídoto decisivo ao atual coronavírus não tarde. Nesse ínterim, e sempre, propalemos a indignação e combatamos por uma humanidade mais justa!  

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade