Continue lendo os seus conteúdos favoritos.
Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas CORAçãO DE MãE

Velhas estrelas

"Mas foi só depois dos 80 que os cabelos lisos e negros ganharam a cor e a textura das nuvens"


postado em 29/04/2019 14:31

(foto: Ilustração/EM)
(foto: Ilustração/EM)
No meu universo, quatro estrelas resplandecem. Têm luz própria e brilham sem parar. Cada uma do seu jeito, com grandeza e singularidade. São velhas estrelas, que me guiam pela trajetória do meu envelhecer: Amélia Januzzi, Dona Olympia, Efigênia Rolim e Íris Apfel. As duas primeiras já se foram, viraram poeira galática. As outras duas estão entre nós, com 87 e 97 anos, respectivamente, promovendo a ‘Revolução dos Velhos’, porque o envelhecimento populacional vem aí, como um tsunami.

AMÉLIA, A MULHER DE VERDADE

Nunca pintou os cabelos brancos. Aliás, Amélia Lage Januzzi, minha mãe, vibrava quando surgia um novo fio prateado. Mas foi só depois dos 80 que os cabelos lisos e negros ganharam a cor e a textura das nuvens. Limpa e perfumada, nunca pintou o rosto, não gostava de maquiagem. O guarda-roupa era repleto de terninhos que moldavam perfeitamente o corpo esguio. Não abria mão de um discreto colar de pérolas. Nunca teve estrias, celulite, veias e vasos arrebentados, mas pernas lisas e perfeitas até o fim. Andava todos os dias com as amigas no Parque Municipal de BH. Gostava de flores e de ipês. Comia de tudo e não abria mão dos doces caseiros, que fazia com mãos de fada.

Amélia era sábia em suas decisões. Morou sozinha até os 90, depois que os cinco filhos foram cuidar da própria vida. Poderosa, nunca quis morar com nenhum deles. “Não moro com filho nenhum. Se qualquer um precisar, venha morar comigo, mas quero ter a minha casa.” E todos entendiam a soberania de suas rugas. Na casa dela era rainha, senhora dos seus móveis, lembranças, da dor e de seus limites, das suas fotos, panelas e manias. Era dona do seu espaço, da dignidade de envelhecer, sem que os filhos a colocassem à margem da própria história, num lugar estranho. Viveu bem, lúcida, até partir, em 2008, aos 91,5 anos.

DONA OLYMPIA, A PRECURSORA


Dona Olympia (1889-1976) viveu até os 87 anos, em Ouro Preto, cidade histórica de Minas, hoje patrimônio mundial da humanidade. Sempre sentada na calçada da casa centenária, perto da Igreja do Pilar. Com chapéu de flores e o cajado ao lado, para enfeitar os seus dias. Atração turística dos anos 1970, Dona Olímpia contava histórias sobre dom Pedro e a musa Marília de Dirceu, que inspirou o inconfidente Tomás Antônio Gonzaga. Conversava com esses personagens como se estivessem sentados à mesa para o chá da tarde, como se pertencessem aos porões de Ouro Preto. Alguns diziam que era louca, mas com Dona Olympia aprendi sobre a lucidez do amor perdido, que, em vez de aprisionar, liberta. Com Dona Olímpia iniciei a minha profissão de repórter e ficava horas dialogando com ela e seus personagens. Nunca esqueci Dona Olympia, que, até hoje, é musa inspiradora. Tenho até uma foto dela, que foi tirada por Alberto Escalda, então marido de minha irmã, Kátia, e fotógrafo do jornal. Juntos, fazíamos grandes e preciosas matérias. Guardo a histórica foto de Dona Olympia, que, em breve, se transformará num quadro, sobre as mulheres que estão me ensinando a envelhecer. Olympia Angélica de Almeida Cotta nasceu em Santa Rita Durão, distrito de Mariana. Mesmo com condição econômica privilegiada e boas referências familiares, resolveu fazer da rua o seu espaço de vida, em tributo a uma história de amor.

Como definem os historiadores: “Sinhá Olympia revestiu de ternura as pedras das ruas e, de alegria a poesia dos telhados. O barroco solene da contracultura humanizou-se no regaço dessa graciosa senhora. Ela continua viva, sempre, na memória de todos os que tiveram o privilégio de conhecê-la”. Eu tive esse privilégio sagrado de conhecer e me espelhar naquela personagem ancestral, pop, com alegorias que a transformavam numa velha revolucionária.

EFIGÊNIA ROLIM, A RAINHA DO PAPEL DE BALA

Tive a rara oportunidade de conhecer e entrevistar Efigênia Rolim, de 87 anos, mineira de Abre Campo, mas que mora na periferia de Curitiba há 40 anos. Conhecida como a Rainha do Papel de Bala, Efigênia é dessas pessoas que fazem a diferença no mundo. Dessas que vieram para criar o céu na Terra. Foi transformador encontrar Efigênia Rolim, em visita a BH, para lançar o livro A viagem de Efigênia Rolim nas asas do peixe-voador, escrito pela jornalista Dinah Pinheiro. Aos 87 anos, Efigênia canta, inventa e conta histórias, desenha e dá cambalhotas: uma, duas, três vezes, sem reclamar de dor e sem o ranger dos ossos. Pede licença para vestir um de seus figurinos. Volta com um chapéu feito de papel de balas, bombons, fitas, plásticos jogados na rua. O manto que a envolve também vem do lixo, totalmente reciclado por ela. E outra cambalhota com as pernas para cima, então dá um pulo, conserta o corpo e volta ao prumo.

Efigênia faz moda com o lixo. É fashion porque a alma dela é transparente, reluz, reflete e desfila nas passarelas de um mundo melhor. Ela é um exemplo, principalmente para a legião de crianças e jovens que desfrutam da companhia dessa artista popular, que nunca esteve em nenhuma escola, que não frequentou universidade nem fez curso de artes plásticas. Ao contrário. Ela já foi boia-fria, moradora de rua e passou por muitas misérias humanas, que a deixaram mais perto do sagrado. Mas a porta do céu se abriu depois do encontro de Efigênia com um papel de bala, em 1991. Ela estava passando pela Rua XV de Novembro, perto do bondinho, em Curitiba, quando aconteceu. “Eu ia andando despreocupada pela rua quando vi algo brilhando muito. Logo pensei que seria uma esmeralda, uma pedra preciosa de muito valor. Quando toquei o objeto e percebi que se tratava de papel de bala, alguma coisa mudou dentro de mim.” Junto com o papel de bala veio um pé de sandália também encontrada na rua, que ela transformou numa floresta. A partir daí, começou a dar exemplos de salvação do planeta: uso de fibras, de garrafas PET, de bambu e de algodão orgânico. Antes de entender o que era sustentabilidade, ela percebeu que não havia para onde fugir por causa das mudanças climáticas, do aquecimento global, do desperdício - e encontrou no lixo a própria sobrevivência.

Se ela tem alguns parafusos a menos? “Sim”, ela responde prontamente. “Estão faltando dois parafusos na minha cabeça, mas é por esses buraquinhos que entram os raios de luz.” Depois de transformar o papel de bala na pedra preciosa da sua vida, Efigênia permaneceu durante 17 anos na Feira do Poeta, em Curitiba, onde conheceu a jornalista Dinah Ribas Pinheiro, que hoje é uma espécie de anjo da guarda dela. As duas são amigas do coração, irmãs cósmicas.

Efigênia contou como e por que começou a dar cambalhotas. Ela diz ter visto um filme com um chinês de 100 anos dançando balé. Então, pensou que ele não dançava mais com o corpo, mas com o espírito. Passou também a dar cambalhotas com o espírito. Entre uma cambalhota e outra, a Rainha do Papel de Bala conquista todos.

Efigênia é majestade e reina absoluta no meio do lixo reciclado. No poema Ensaio sobre a loucura, ela revela a sua lucidez: “Felicidade não é voar alto, mas ter onde pousar”. E ela tem, porque voa até para dentro da alma da repórter e chega a fazer cócegas com suas asas de anjo. Essa senhora de 87 anos não está salvando só o planeta, mas unge cada um de nós com o envelhecimento ativo.

ÍRIS APFEL, A MENSAGEIRA

Quando anda pelas ruas de Nova York, onde nasceu, há 97 anos, Íris Apfel esbanja estilo. Com roupas coloridas, looks ousados e marcados pela sobreposição, bijuterias extravagantes e elegância devastadora, ela simplesmente arrasa. Não raro, dá autógrafos e posa para fotos a pedido de transeuntes, embasbacados com tamanha personalidade.

Formada em história da arte pela Universidade de Nova York, seguiu carreira como designer de interiores. Casou-se em 1948 com Carl Apfel, já falecido, com quem fundou a Old World Weavers, empresa têxtil que os dois administraram até 1992, quando se aposentaram. Ela foi a responsável pela decoração da Casa Branca durante os mandatos de oito presidentes: Truman, Eisenhower, Nixon, Kennedy, Johnson, Carter, Reagan e Bill Clinton. Viveu e fez história. Desenvolveu uma linha de cosméticos para a canadense M.A.C., foi garota-propaganda da Coach, criou várias linhas de bijuterias (sua paixão!) e colaborou na coleção de vários estilistas famosos. Os óculos pretos, redondos e grandes completam o estilo marcante. As peças do seu guarda-roupa são adquiridas em brechós e em viagens por países exóticos.

Íris, na mitologia grega, era a mensageira dos deuses. A mensagem que ela nos traz é a de uma mulher que está revolucionando o jeito de envelhecer.

*Déa Januzzi assina esta coluna quinzenalmente


Publicidade