Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Abraham Weintraub bateu na língua? Não. Espancou!

Ministro da Educação postou no Twitter: ''Aonde está a pompa e a circunstância do cargo?'' O emprego do onde e do aonde tem regra clara. Na dúvida, fique com onde


postado em 19/02/2020 04:00

''Uma frase longa não é nada mais que duas curtas.''

Vinicius de Moraes


 
(foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
(foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
A pompa e a circunstância do cargo
(foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
(foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
“Aonde está a pompa e a circunstância do cargo?”, perguntou o ministro da Educação no Twitter. Leitores ficaram com o cabelo em pé. Sua Excelência bateu na língua? A resposta: espancou. O emprego do onde e do aonde tem regra clara. Na dúvida, fique com onde. Você tem 99% de chance de ganhar a aposta. O aonde é respeitável senhora casada. Resulta do encontro da preposição a com o pronome onde. Mas a união só ocorre com verbos de movimento que exigem a preposição a. O verbo ir serve de exemplo. A gente vai a algum lugar: Aonde você vai? Vou ao Rio. Não sei aonde você vai. Gostaria que me dissesse aonde você vai.

Superdica
Pintou a dúvida? Parta pro troca-troca. Substitua a por para. Se couber, vá em frente. Dê a vez ao aonde: Para onde ele foi? Não sei para onde ele foi. Gostaria que me dissesse para onde você vai.

Pare e pense
Atenção, gente fina. Não se precipite. Nem caia em armadilhas. O verbo assistir, por exemplo, exige a preposição a (a gente assiste a alguma coisa). Mas não é verbo de movimento. Com ele, o aonde não tem vez: Onde você assistiu ao programa? Não sei onde você assistiu à peça. Pode me dizer onde você assistiu ao espetáculo?

Troca-troca
Dizem que o diabo é perigoso não por ser diabo. É perigoso, sobretudo, por ser esperto. Na hora do sufoco, lembre-se do professor. O mestre frisava que a língua é um conjunto de possibilidades. Na dúvida, troca-se seis por meia dúzia. E contava esta história:

O chefe ordena à secretária:

– Faça um cheque de R$ 600.

Ela pergunta:

– Como se escreve seiscentos?

– Faça dois cheques de R$ 300.

– Trezentos se escreve com s ou z?

– Não sabe escrever 300? Faça quatro cheques de R$ 150.

– Chefe, o trema foi abolido?

Vencido, ele apela pra última saída:

– Pelo amor de Deus, mande pagar em dinheiro.

Pulga atrás da orelha
Outra questão arrepiou os leitores. Trata-se da concordância. Na frase “Onde está a pompa e a circunstância”, o sujeito é composto (pompa e circunstância). O verbo deveria estar no plural?

A concordância do sujeito composto joga em dois times. Figurar em um ou outro depende da colocação:

1. Se vem depois do sujeito, o verbo não tem saída. Concorda com o sujeito: A pompa e a circunstância onde estão? O pai, a mãe e o filho vão chegar.

2. Se vem antes do sujeito, o verbo pode concordar com o mais próximo ou com todos: Onde está a pompa e a circunstância? Onde estão a pompa e a circunstância? Vai chegar o pai, a mãe e o filho. Vão chegar o pai, a mãe e o filho.

Olho vivo
Concordar com todos os núcleos é preferível. Não obrigatório.

Leitor pergunta
O Detran-MA vai distribuir 1 mil coletes para mototaxistas, porém neles está escrito MOTO TAXI — grafado separado e taxi sem acento. Está correto?

Arthur Quirino, São Luís

Mototáxi se escreve assim – coladinho.

Táxi é paroxítona terminada em i. Pede o grampinho.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade