Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas PADECENDO

Existe carnaval depois dos filhos!

Queremos mostrar a cultura da alegria, do respeito, da música brasileira, da fantasia, do amor!%u2019


postado em 23/02/2020 04:00 / atualizado em 22/02/2020 20:37

Bebel Soares 
 
(foto: bruna tassis/divulgação)
(foto: bruna tassis/divulgação)
 

É carnaval, a festa mais popular do Brasil. Momento de se divertir nos blocos, ou aproveitar o tempo para descansar.

Quando a gente é criança associa carnaval com fantasia e com música. Confete, serpentina, alegria.

Crescemos e descobrimos outro lado da festa: “pegação”, mão boba, assédio, falta de limite. Mulher quer curtir o carnaval, quer se divertir, e quer ser respeitada seja qual for a roupa que estiver usando!

Não é não!

Hoje somos adultas, somos mães e a participação feminina no carnaval está mudando. Temos mulheres à frente de blocos, na organização. O protagonismo feminino e materno tomando conta das ruas.

E quando vamos curtir os bloquinhos com nossos filhos, mostramos para eles um pouco da nossa cultura. Que cultura queremos mostrar? A cultura do machismo? Da objetificação da mulher? A cultura do estupro? Não! Queremos mostrar a cultura da alegria, do respeito, da música brasileira, da fantasia, do amor! Aproveite a oportunidade para ensinar e aprender. Um carnaval brincante e saudável tem foliões que respeitam as “minas”!

Sustentabilidade nos bloquinhos

O spray de espuma sempre é muito vendido no carnaval. Infelizmente, não temos uma lei que proíba sua comercialização. O produto traz muitos riscos, especialmente para as crianças. Se lançado na rede elétrica, há risco de choque. O spray é condutor de eletricidade. (Orientação da Cemig.)

Érika Figueiredo Gomes, médica endocrinologista e mãe de três crianças, orienta: “As espumas de carnaval já foram estudadas e os resultados publicados na Revista Brasileira de Alergia e Imunopatologia (www.asbai.org.br/revistas/vol281/efeitos_potencialmente.pdf). 

Têm várias substâncias químicas, incluindo cocobetaína e resinas, além de gases butano e propano (derivados do petróleo, altamente inflamáveis e contribuem para destruir a camada de ozônio).

As vias de exposição são a pele, os olhos e a inalação. Podem causar irritação e sensibilização na pele e mucosas (olhos, boca, nariz e garganta), além de tonteira, excitação, asfixia, sonolência e intoxicação fatal, quando há exposição prolongada a essas substâncias. 

Elas também podem interagir com estruturas biológicas (membranas, enzimas etc.), podendo levar a alergias e efeitos sistêmicos.

Para evitar reações, evitar usar o produto diretamente na pele. Deve-se lavar o local em contato com o produto o mais rápido possível. Caso seus olhos sejam atingidos, deve-se lavá-los com água corrente e se os sintomas de ardência, irritação, sensação de areia nos olhos ou vermelhidão não melhorarem, ou haja piora da visão, procure um oftalmologista imediatamente. Evite automedicar-se.

Importante frisar que mesmo que nunca tenha apresentado nenhuma reação, seu organismo pode reagir de outra forma numa outra exposição”.

Carnaval e meio ambiente

A gente pode curtir de forma sustentável! O glíter e a purpurina já prejudicam a vida marinha, existem estudos que comprovam. Mas você não precisa deixar de brilhar, já existem no mercado várias opções de bioglíter feito de forma artesanal, à base de algas marinhas!

Os confetes são feitos de papel colorido reciclado, mas vêm em embalagens plásticas. Você pode produzir o seu próprio confete usando folhas secas e pétalas que caem das plantas, folhas de revistas ou jornais velhos, folhas de papel que iriam para o lixo. Você faz em casa e não gasta dinheiro! As crianças podem fazer em casa!

E os balões de hélio? Esses balões lindos que as crianças adoram. Vou ter que problematizar também! Você sabia que o gás hélio é um recurso não renovável? Sim, ele vai acabar, provavelmente em 30 anos. 

O grande problema é que ele é usado em equipamentos hospitalares, telescópios espaciais. Além disso, balões são feitos de látex ou de nylon, e viram lixo. Será que a gente precisa mesmo disso para se divertir?

Indico as páginas GreenMe e Menos 1 Lixo para quem gosta desse tema.

Algumas dicas para curtir o carnaval em segurança com os filhos:

– Colocar nas crianças uma pulseira de identificação com os dados dela e dos pais, incluindo telefone de contato. Identificar a criança a caneta no próprio antebraço caso não tenha a pulseira;
– Atenção à hidratação. Oferecer água sempre, mesmo sem a criança pedir. Água é sempre melhor que suco e refrigerantes;
– Associar o uso de protetor solar e repelente para as crianças acima de seis meses (cuidado com a dengue e com o sol);
– Levar um lanche de casa e evitar comidas sem conhecer a procedência ou expostas ao calor, pois podem provocar diarreia;
– Apostar em fantasias leves, sem muitos adereços;
– Escolher produtos antialérgicos para as pinturas e evitar as regiões das mucosas;
– Usar sapatos confortáveis, sem salto, e fechados para proteger os pés;
– Evitar grandes aglomerações e música muito alta, investindo em blocos próprios para as crianças;
– Não usar a espuma em spray.

Faça do carnaval um momento mágico! A vida pode ser mais alegre!


*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade