Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas EM DIA COM A POLÍTICA

A rotina de Bolsonaro de defender voto impresso e atacar presidente do TSE

Presidente também ataca pesquisas que apontam liderança do ex-presidente Lula na disputa para o ano que vem


24/07/2021 04:00 - atualizado 24/07/2021 07:18

Bolsonaro também continua insistindo na defesa do tratamento precoce contra COVID(foto: Miguel SCHINCARIOL/AFP)
Bolsonaro também continua insistindo na defesa do tratamento precoce contra COVID (foto: Miguel SCHINCARIOL/AFP)

 

“Eu não posso falar que sou candidato agora, porque é crime eleitoral. E outra, só vou falar em eleição no ano que vem. Março, como último mês de filiações, daí eu decido o futuro aí. Para mim, não é meio de vida disputar Presidência ou ganhar a Presidência. Isso aí é uma missão, né?” Quem disse, ontem, foi o presidente da República, Jair Messias Bolsonaro.

 

O fato é que as pesquisas mostram que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, (PT) tem liderado as pesquisas para as eleições do ano que vem. Bolsonaro não se deu ao trabalho para esticar o assunto. Preferiu atacar o ministro Luís Roberto Barroso, que é o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). “O Barroso… sem comentários.”

 

“No grito, Bolsonaro não ganhará.” Parecia até que o relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), Renan Calheiros (MDB-AL), estava adivinhando. É dele a declaração no blog do Valdo Cruz. “Sem chance”, disse o emedebista da pandemia da COVID-19. E acrescentou, com razão, que “não passa de puro desespero”.

 

O presidente Jair Bolsonaro concedeu entrevista ao vivo, durante 40 minutos, ontem, à Rádio Grande FM, de Dourados, no Mato Grosso do Sul. Ele repetiu o discurso em defesa do tratamento precoce contra a COVID-19, apesar da falta de comprovação científica. E claro, não deixou de cobrar o voto impresso nas eleições de 2022, já que só pensa nisso nos últimos dias.

 

“Aprendi que a democracia não tem preço. Então, R$ 2 bilhões, ou pouco menos do que isso, já estão acertados com a Economia. Estamos prontos para colocar no orçamento e fazer com que as sessões eleitorais de todo o país tenham sua urna eletrônica acoplada a uma impressora”, acrescentou o presidente da República.

 

Já que parece que os palanques eleitorais já estão sendo devidamente montados, que tal trazer o presidente do Partido da Causa Operária (PCO), Rui Costa Pimenta, para as notícias? É que ele afirmou à TV 247 que “o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), passa a se destacar como o principal nome da chamada terceira via para disputar a campanha presidencial de 2022.

 

Um operário com um candidato tucano e vindo do estado mais rico país fica mesmo meio estranho, mas vale mais um registro. Doria deve vencer as prévias do PSDB contra o outro possível candidato, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB). É ainda de Rui Costa.

 

Diante disso, só resta esperar os próximos capítulos, que virão com certeza. A novela promete muito mais capítulos antes de vir outra temporada para entreter os eleitores, porque parece estarmos em uma comédia cada vez mais sem graça.

 

A implicância

O fato é que o presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, decidiu vetar integralmente o projeto de lei que asseguraria o repasse de ao menos 70% dos recursos previstos para parcerias com o terceiro setor durante a pandemia da COVID-19. A intenção da proposta era evitar que os repasses públicos das organizações sociais fossem congelados ou interrompidos. Para que fique claro e evidente o motivo do veto, basta dizer que os autores eram o PT inteirinho, além do PSB, PCdoB, alguns do PDT e do PV, e ainda o Psol. Está devidamente explicado, né?

 

Ato oficial

Senhor Presidente do Senado Federal, comunico a Vossa Excelência que, nos termos previstos no inciso 1º do art. 66 da Constituição, decidi vetar integralmente, por inconstitucionalidade e contrariedade ao interesse público, o Projeto de Lei nº 4.113, de 2021, que ‘institui normas de caráter transitórios aplicáveis a parcerias celebradas pela administração pública durante a vigência de medidas restritivas relacionadas ao combate à COVID-19, e dá outras providências’. Essas, Senhor Presidente, são as razões que me conduziram a vetar...  E submeto à apreciação do Congresso.”

 

Fraturas

A investigação é feita pela Polícia Legislativa pelo fato de o caso ter ocorrido com uma deputada federal e dentro de um apartamento sob responsabilidade da Câmara dos Deputados. O fato é que a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) prestou depoimento, na tarde de ontem, à Polícia Legislativa sobre as lesões que sofreu em seu apartamento funcional, na Asa Sul. Exames realizados em um hospital de Brasília apontaram cinco fraturas, além de um corte no rosto da congressista e uma lesão nas costelas.

 

Só faltava…

Esta notícia. Ela é oficial: o Ministério da Economia pediu a suspensão de um site falso registrado no exterior que pode coletar as informações de usuários e senhas do Sistema de Gestão de Acesso do Governo Federal (Sigac). O sistema permite que gestores alterem dados do funcionalismo federal. O alerta foi publicado pela Secretaria de Gestão e Desempenho de Pessoal do Ministério da Economia. O endereço falso é o sigacgestor.com. Cuidado com ele, funcionários públicos.

 

Para encerrar

A primeira edição da Festa da Palavra, totalmente on-line e gratuita, teve direção artística da atriz, escritora e poetisa Elisa Lucinda. Na programação foram oficinas, palestras, apresentações musicais e teatrais e gente famosa, como o músico Chico César, o ator Lázaro Ramos, o escritor e jornalista Jean Wyllys e por aí vai. Tudo isso foi em evento para estimular o hábito da leitura e celebrar o encontro dos escritores da língua portuguesa com o seu público. Acontece até amanhã, na internet.

 

PINGA FOGO

 

  • Em tempo, sobre as notas A implicância e Ato oficial: a proposta havia sido aprovado tanto pela Câmara dos Deputados, comandada pelo deputado Arthur Lira (PP-AL), como pelo Senado Federal, comandado por Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

  • Os autores eram o PT inteirinho, além do PSB, PCdoB, alguns do PDT e do PV, Psol. O Executivo, no entanto, alegou inconstitucionalidade e contrariedade ao interesse público para instituir o veto, que foi devidamente publicado no Diário Oficial da União (DOU) de ontem.

  • Já sobre a nota Só faltava, do Ministério da Economia, vale o registro: em caso de dúvidas, os servidores públicos devem entrar em contato com a Unidade de Gestão de Pessoas do seu órgão ou com a Central de Atendimento Sipec, no telefone 0800-978-9009.

  • Se estamos nesta praia econômica, o secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, prevê que a dívida pública federal deve se aproximar de 82% do PIB brasileiro até o final de 2021. No túnel do tempo, a conta ultrapassou R$ 5 trilhões pela primeira vez na história no fim de 2020.

  • Já que tem esta dinheirama toda trazendo algumas más notícias, tanto na economia quanto na política o melhor a fazer é encerrar por hoje. FIM!

 

 

 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade