Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas EM DIA COM A POLÍTICA

Bolsonaro volta a provocar aglomerações em manifestação de ruralistas

A cerimônia será na sede da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), amanhã, em Belo Horizonte. O investimento é de R$ 100 milhões


16/05/2021 04:00 - atualizado 16/05/2021 07:44

Bolsonaro andou a cavalo entre os seus apoiadores no Centro de Brasília (foto: EVARISTO SÁ/AFP)
Bolsonaro andou a cavalo entre os seus apoiadores no Centro de Brasília (foto: EVARISTO SÁ/AFP)
 
 
“Porque o bandido foi posto em liberdade, foi tornado elegível, no meu entender, para ser presidente na fraude. Ele só ganha na fraude no ano que vem. Eu tenho falado, se o Congresso votar e promulgar uma PEC (proposta de emenda à Constituição) do voto impresso, teremos voto impresso no ano que vem. Eu respeito as decisões do Parlamento. Os outros poderes também têm que respeitar”. A declaração é do presidente da República Federativa do Brasil, Jair Messias Bolsonaro. Óbvio que sem citar o ex-presidente Lula.
 
Melhor atualizar: nesse sábado, leia-se ontem, Bolsonaro voltou a provocar aglomerações em Brasília. Em evento fora da programação oficial, o chefe do Executivo foi até o Centro de Tradições Gaúchas (CTG) para almoçar. Na visita, o presidente causou tumulto e desrespeitou as medidas de isolamento social.
 
Depois do encontro com os ruralistas de praxe na comunidade gaúcha em Brasília, onde almoçou, Bolsonaro fez um sobrevoo de helicóptero sobre a Esplanada dos Ministérios. E como não poderia deixar de ser, muitos de seus apoiadores estavam sem máscaras e não respeitaram o distanciamento mínimo. O coronavírus deve ter adorado.
 
Já o Datafolha informa: 49% dos brasileiros apoiam o impeachment do presidente Jair Bolsonaro, enquanto 46% se dizem contrários. O levantamento indica um crescimento da rejeição ao presidente. Para lembrar, o impeachment de Bolsonaro chegou a ser rejeitado por 53% dos entrevistados. Foi no início do ano, em janeiro. Naquela ocasião, 42% apoiavam a cassação. A virada da curva preocupa o Planalto.
 
Diante deste cenário político, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, faz questão de convidar para o lançamento do Edital de Chamada Pública para a seleção de projetos para melhorar a gestão de resíduos sólidos em Minas Gerais do Programa Lixão Zero.
 
A cerimônia será na sede da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), amanhã, em Belo Horizonte. O investimento é de R$ 100 milhões. A boa grana vem do já conhecido acordo judicial da Vale, que dispensa maiores detalhes.
 
O site global optou por dar esta notícia: manifestantes realizaram na manhã de ontem, em frente à Embaixada da Autoridade Palestina em Brasília, ato de protesto contra o bombardeio de territórios palestinos por Israel e a expulsão de famílias de casas na Faixa de Gaza e Jerusalém Oriental. Só de curiosidade mesmo. Para relaxar.

Os detalhes

O presidente da República, Jair Bolsonaro, chegou montado a cavalo ao Centro de Brasília. Depois de apear, fez questão de declarar: “Nosso patrimônio é a fé. Queremos que nossos filhos sejam melhores que nós. Mas não era assim. Nós levamos porrada 24 horas por dia. Mas as pessoas não entendem que eu sou imbroxável...” Tirem as crianças da sala para que não sigam o mau exemplo presidencial com este palavreado. Já os ruralistas adoraram: “Brasília está cercada pelos produtores rurais. Os caminhões e tratores chegaram”.

Adiamento

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) exigiu que o governo federal seja obrigado a realizar o Censo Demográfico no ano que vem. Por causa da pandemia da COVID-19, no ano passado, o Censo, que deve ser realizado de 10 em 10 anos, foi adiado. E, pelo jeito, deve continuar assim, a menos que a população do país já esteja vacinado em sua totalidade. O relator, ministro Marco Aurélio Mello (foto), queria que fosse este ano. Só que o ministro Gilmar Mendes abriu divergência e foi acompanhado pelas ministras Rosa Weber e Cármen Lúcia e pelos ministros Dias Toffoli, Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso.

Ecos da novela

E foi cedinho, 6:26 AM, May 15, 2021, Twitter for iPhone. Arthur Maia (DEM-BA) insulta o ex-correligionário chamando-o de “Nhonho”. A referência é sobre o personagem da série mexicana Chaves, que as crianças adoravam. Para lembrar, o DEM quer expulsar o ex-presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia depois de agredir ACM Neto para forçar a expulsão e tentar driblar a lei eleitoral, pois a expulsão teoricamente não dá perda de mandato..

Agora vai?

A Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa (ALMG) vai tratar, amanhã, isso mesmo, em plena segunda-feira bem cedinho, o pagamento, pelo governo estadual, da ajuda de custo, diárias e férias-prêmio aos servidores das forças de segurança. O secretário de Estado de Fazenda, Gustavo Barbosa, é aguardado no debate. O fato, mesmo que educadamente, se ele não aparecer o tempo pode esquentar. Afinal, ele havia prometido participar, mas pediu o adiamento. Detalhe: “relatos de servidores destacam que estão há seis anos sem receber suas férias-prêmio.

Para encerrar

Tem um registro que pode ser o campeão da bobagem política do ano. Ele vem do ministro Ricardo Salles. Melhor deixar claro o que ele disse, ontem: “O agronegócio é o maior amigo do meio ambiente. As cidades é que poluem a natureza”. Bastaria, mas tem outra ignorância ambiental. Desta vez, é o general Walter Souza Braga Netto, que não foi mineiro como deveria ser: “As Forças Armadas estão em ação para 'proteger' o agronegócio. Bolsonaro também falou, mas deixa pra lá.  O que interessava seria tratar da CPI da COVID, mas sobre isso nada falou o presidente.

pingafogo


  • Notícia triste: oito crianças, foram mortas durante um bombardeio israelense na Faixa de Gaza. Só um bebê sobreviveu. O prédio de 12 andares na Faixa de Gaza que abriga os escritórios (foto) da Associated Press (AP), dos Estados Unidos, e da emissora Al Jazeera, do Catar, desabou.

  • “O Exército de Israel avisou o proprietário do prédio onde fica o escritório da Associated Press (AP) que o local seria alvo de um bombardeio” A rede de televisão Al Jazeera confirmou no Twitter que seus escritórios ficavam no prédio e transmitiu ao vivo as imagens.

  • Em tempo, sobre a nota Os detalhes: o presidente da República Jair Bolsonaro destacou, sob efusivos aplausos dos ruralistas, que está “cada vez mais” legalizando as armas no Brasil. Mais uma vez: vale ressaltar que mais armas na população, mais mortes a caminho.

  • Mais um: ainda sobre o Adiamento do Censo Demográfico: a decisão dos ministros da mais alta Corte de Justiça do país foi por causa de uma ação ajuizada pelo estado do Maranhão contra a União e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

  • Para registro, ainda sobre a Comissão de Segurança Pública da Assembleia: a reunião vai ocorrer no Auditório José Alencar, com transmissão e participações on-line. Sendo assim, melhor esperar a novela terminar. Por hoje, basta. FIM!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade