Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas EM DIA COM A POLÍTICA

Bolsonaro dá mau exemplo ao aglomerar sem máscara no Distrito Federal

Presidente cumprimentou simpatizantes na maior cidade-satélite da região, chamada de Sol de Nascente


25/04/2021 04:00 - atualizado 25/04/2021 07:40

Sem máscara, o presidente da República Federativa do Brasil, Jair Messias Bolsonaro, chamou a atenção ao atrair simpatizantes e deu mau exemplo ao gerar aglomeração na maior cidade-satélite de Brasília, chamada de Sol Nascente. Ela é uma das cidades com o maior número de casos e de mortes por COVID-19 do Distrito Federal. Em seus registros oficiais, a agenda presidencial indicava apenas sem compromissos.

 

Só que ele deve ter convidado a ministra Flávia Arruda (PL-DF), que é deputada federal e está licenciada do mandato desde o fim de março, quando foi nomeada para a Secretaria de Governo, a pasta que, no atual governo, é responsável pela articulação política do Palácio do Planalto com o Congresso Nacional. Não é tarefa fácil. Ainda mais que esta semana tem a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que trata da COVID-19.

 

Voltando um pouco no tempo, vale o registro. A emissora é bem apropriada para o registro sobre o presidente da República na noite de sexta-feira. Primeiro um trecho da entrevista: “As Forças Armadas podem ir pra rua um dia sim, dentro das quatro linhas da Constituição, para fazer cumprir o artigo 5º, direito de ir e vir, acabar com essa covardia de toque de recolher.

 

Seria suficiente, mas teve mais. O mandatário do país acrescentou que o “direito ao trabalho, liberdade religiosa, de culto, para cumprir tudo aquilo que está sendo descumprido por parte de alguns governadores, alguns poucos prefeitos, mas que atrapalha toda nossa sociedade”.

 

Para deixar claro de uma vez por todas, a emissora é a TV A Crítica do Amazonas. Bem apropriada, né? O fato é que foi nela que o mandatário do país repetiu o mantra de sempre. A defesa da cloroquina e o ataque à imprensa mais uma vez.

 

Quem se cuidou, ontem, foi o precavido procurador-geral da República, Augusto Aras. Naquele sistema drive-thru da Torre de TV, em Brasília, ele tomou a primeira dose da vacina Oxford/AstraZeneca. Para registro, a idade de Aras é 62 anos. Gripezinha? Que nada, vacina aí rapidinho, ele deve ter dito, embora tenha sido indicado pelo presidente Jair Bolsonaro.

 

Antes de encerrar, vale o registro sobre a morte do presidente do PRTB, Levy Fidélix: “O movimento conservador brasileiro perde um dos seus principais representantes”. Ressaltou logo cedo o vice-presidente, general Hamilton Mourão (PRTB). E ele deve ter avisado o Palácio do Planalto.  “Expresso meus sinceros pêsames aos familiares e rogo a Deus que o receba”. Quem prestou condolências desta vez foi o presidente Bolsonaro. Sendo assim, já basta.

 

 

Valor 1.000%

A proposta é do deputado Fred Costa (Patriota-MG) e tem por objetivo conter “escalada de preços” desses produtos. “As denúncias em relação à prática de preços abusivos de máscaras e álcool em gel têm crescido de forma alarmante em todo o país. De acordo com reclamações recebidas de consumidores em órgãos públicos, o aumento do valor desses produtos chega a 1.000%”, disse. Pelo projeto, a punição para o crime será de reclusão, de 2 a 5 anos e multa. Tramitação: o projeto será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. Se aprovado, seguirá para o Plenário da Câmara.

 
Teatral!

Primeiro ato: o deputado Alencar da Silveira Jr. (PDT) protocolou, sexta-feira, o projeto de lei que prorroga por seis meses o prazo para renovar qualquer certificado digital. Se aprovada, a lei terá validade nos períodos de pandemia ou calamidade pública em Minas Gerais. Segundo ato, desta vez de ontem: “Precisamos ajudar os empreendedores. Adiar e isentar a renovação dos certificados digitais será importante, já que as empresas enfrentam dificuldades na pandemia”. Daí propor isenção das multas por atraso no pagamento do IPVA e da taxa de licenciamento.

 

O aviso dado

Os médicos alertam: “Neste momento de grave crise da saúde mundial, mais do que nunca, a Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH) orienta os cidadãos a reforçar os cuidados com o controle da pressão arterial”. O fato é que a hipertensão arterial é fator de alto risco para as doenças cardiovasculares, responsáveis pelas principais causas de morte em nosso país e no mundo, como o infarto do miocárdio e o derrame cerebral. O que importa de fato é que o alerta trata de mitos e fake news. Se tem gente que fala de “gripezinha”, faz todo o sentido alertar mesmo.

 

Fala doutor!

“Há necessidade de que a síndrome pós COVID-19 seja encarada com seriedade e senso de urgência. Ele pode atingir uma imensa massa de pacientes em todo o Brasil, com grandes prejuízos pessoais e sociais, e gera pressão sem precedentes sobre os sistemas de saúde”. Como a infecção pela COVID-19 atinge vários órgãos do corpo humano podem ser acometidos, não só os pulmões, responsáveis pela falência respiratória dos pacientes e a consequente morte por asfixia”. Quem diz é o deputado Mário Heringer (PDT-MG), que é do ramo. Ele é médico e gestor de hospitais.

 

(foto: EVARISTO SÁ/AFP 14/4/21)
(foto: EVARISTO SÁ/AFP 14/4/21)

 
Quem diria?

Mas é a agenda prevista de amanhã no Senado. O motivo é mesmo justo. Afinal, a Comissão Temporária da COVID-19 vai ouvir o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga (foto). Será de forma remota. A audiência pública remota no Senado Federal tem como objetivo debater as questões relacionadas ao Plano Nacional de Imunização. Os senadores querem saber sobre os prazos previstos para a vacinação no país. E óbvio, discutir ainda sobre as medidas de combate à pandemia da COVID-19. Para registro, o relator é o senador Wellington Fagundes (PL-MT).

 

PINGA FOGO

 

Para registro: o Projeto de Lei 1527/20 torna crime a elevação, sem justa causa, do preço de produtos destinados a evitar a contaminação pelo coronavírus, como máscara descartável e álcool em gel. O texto de Fred Costa tramita na Câmara dos Deputados. Deve ser aprovado, né?

 

Em tempo: sobre o texto que abre a coluna: o procurador da República, Augusto Aras, foi indicado pelo presidente da República, Jair Messias Bolsonaro (e o partido?), para o cargo de procurador-geral da República em 5 de setembro de 2019.

 

E tem mais: o detalhe mais interessante é que a indicação de Aras foi a primeira, desde 2003, a não seguir um dos nomes constantes da lista tríplice da Associação Nacional dos Procuradores da República, com os candidatos mais votados pela categoria.

 

(foto: EUGENIO GURGEL/EM/D.A.PRESS)
(foto: EUGENIO GURGEL/EM/D.A.PRESS)
 

 

“Minas Gerais e o Brasil perdem um dos seus mais brilhantes e ilustres homens públicos, que prestou relevantes serviços para o desenvolvimento da indústria e do país”, afirmou o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade. Ele se referia a João Camilo Pena (foto), 

um visionário.

 

Diante de tudo isso, o jeito é aproveitar o domingo. Vale a torcida no futebol, que deve ter, e também por melhores notícias na saúde dos brasileiros. FIM! 

 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade