Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas EM DIA COM A POLÍTICA

A suprema canetada do ministro Fachin que mexe com a política brasileira

Magistrado anulou todas as condenações aplicadas pelo Lava-Jato ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva


09/03/2021 04:00 - atualizado 09/03/2021 07:12

Ministro Edson Fachin diz que ações contra Lula não poderiam ser julgadas em Curitiba (foto: EVARISTO SÁ/AFP)
Ministro Edson Fachin diz que ações contra Lula não poderiam ser julgadas em Curitiba (foto: EVARISTO SÁ/AFP)

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva ganhou um elogio do então presidente dos Estados Unidos (EUA) Barack Obama, em 2009. Ao encontrar o presidente brasileiro durante almoço que fez parte da reunião de líderes do G20, grupo de países desenvolvidos e em desenvolvimento, em Londres, Obama afirmou que Lula “é o cara”.
 
E o norte-americano fez questão de ressaltar, na época, que o presidente brasileiro era o “político mais popular do mundo”. “É porque ele é boa-pinta”, brincou o então presidente, do Partido Democrata norte-americano.

Para registro, Lula governou o Brasil de 2003 a 2011, depois de três tentativas infrutíferas. Em 1986, elegeu-se deputado federal por São Paulo, com votação recorde. Em 1989, concorreu pela primeira vez à Presidência da República, perdendo no segundo turno para Fernando Collor de Mello, aquele do impeachment.

Também foi candidato a presidente outras duas vezes, em 1994 e 1998, ainda como sindicalista, perdendo ambas as eleições no primeiro turno para Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Até se eleger, em 2002, ao derrotar José Serra, e se reeleger na disputa contra Geraldo Alckmin, ambos políticos tucanos, isso mesmo, do PSDB.

Chega de história. O fato é que o ministro Edson Fachin, indicado pela ex-presidenta Dilma Rousseff (PT), como ela gostava de ser tratada, anulou todos os processos contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva conduzidos pela 13ª Vara de Justiça Federal do Paraná no âmbito da Operação Lava- Jato da Polícia Federal (PF), em conjunto com o Ministério Público Federal (MPF).

Ou seja: Lula está livre e recuperou todos os seus direitos políticos, o que inclui uma eventual candidatura mais uma vez. “A decisão, portanto, está em sintonia com tudo o que sustentamos há mais de 5 anos na condução dos processos”, declararam logo seus advogados, Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Zanin Martins.

Só que teve mais: “Mas ela não tem o condão de reparar os danos irremediáveis causados pelo ex-juiz Sergio Moro e pelos procuradores da Lava-Jato ao ex-presidente Lula, ao sistema de justiça e ao Estado democrático de direito”.

Falar nisso, a Procuradoria-Geral da República (PGR), por meio de sua assessoria de imprensa, informou que o recurso será preparado pela subprocuradora-geral Lindôra Maria de Araújo, braço direito do procurador-geral Augusto Aras e que é responsável pelos processos envolvendo as questões da Operação Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF).
 

Interdição

 
O PDT entrou com representação na Procuradoria-Geral da República (PGR), na manhã de ontem, pedindo a interdição de Jair Bolsonaro. A ação é motivada pela gestão negacionista, obscurantista e genocida do presidente, que tem agravado a crise sanitária da COVID-19, o que contribui para elevar a contaminação no país. Alega que o número de mortos já ultrapassou pelo menos 260 mil brasileiros. Detalhe: não tem o ministro Edson Fachin no caminho, o presidente do partido, Carlos Lupi, já havia anunciado a ação na sexta-feira passada, em suas redes sociais.
 

Coincidência

 
“Só assim vamos transformar nosso país.” Assim começou o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), ao defender maior participação feminina na política. Ele fez questão de ressaltar que as mulheres são a maioria do povo brasileiro. Óbvio que tratava do Dia Internacional da Mulher, oficializado pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1975. Só que a luta foi antes, quando operárias de uma fábrica de tecido de Nova York entraram em greve em 8 de março de 1957 por melhores condições de trabalho. Ah! O 1975 e o 1957 é só coincidência numérica.


Monoparental

 
Família em que somente uma pessoa exerce a função de pai e mãe, arcando com todas as responsabilidades da criação de seus filhos. É a que arca sozinha com a responsabilidade da criação do filho ou dos filhos. Por que tudo isso? Resposta rápida: “R$ 250 é o valor médio. Se for uma família monoparental dirigida por mulher, é R$ 375. Se for um homem sozinho, é R$ 175. Se for o casal, são R$ 250. Isso é com o Ministério da Cidadania, só fornecemos parâmetros básicos, mas amplitude é com a Cidadania”. Quem ensina é o ministro da Economia, Paulo Guedes.
 
 

A gentileza

 
“Todo este momento quero apenas agradecer a gentileza desse encontro, reconhecemos a Pfizer como uma grande empresa mundial, grande espaço no Brasil também e, em havendo, repito, possibilidades, nós gostaríamos de fechar contratos com os senhores até pela agressividade que o vírus tem se apresentado no Brasil. Muito obrigado a todos, bom dia e Deus nos abençoe.” O fato é que o presidente Jair Messias Bolsonaro (sem partido) esteve reunido com executivos da Pfizer, uma das maiores empresas farmacêuticas do mundo. Não tinha alternativa.
 
 

First time

 
 
(foto: NELSON ALMEIDA/AFP)
(foto: NELSON ALMEIDA/AFP)
A Brazil Conference at Harvard & MIT será realizada pela primeira vez no Brasil. O evento ocorrerá em um novo formato, devido ao atual cenário que vivemos, onde os painéis serão montados na Fábrica de Startups, no Rio de Janeiro. Com o objetivo de debater temas importantes como democracia e justiça, diversidade e cultura, economia e negócios, além de políticas públicas e impacto social, a 7ª edição da Brazil Conference receberá grandes nomes. Entre eles, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (foto) e Guilherme Benchimol, CEO e Fundador do grupo XP.
 

Pingafogo

 
(foto: EMMANUEL PINHEIRO/EM/D.A. PRESS)
(foto: EMMANUEL PINHEIRO/EM/D.A. PRESS)
» Criador do Zé Gotinha (foto), ex-ministro da Saúde Luiz Carlos Borges da Silveira é vacinado contra a COVID-19. Considerado um dos ministros da Saúde mais atuantes da história brasileira, Borges da Silveira recebeu a primeira dose da CoronaVac na manhã de ontem, em Curitiba (PR).

» Em tempo, sobre a nota A gentileza: projeto aprovado pelo Congresso, semana passada, já autorizava a União, estados e municípios a assumir a responsabilidade civil por eventuais eventos adversos decorrentes da imunização contra a COVID-19 diante da emergência em saúde pública.

» Mais um em tempo, ainda sobre o ministro Paulo Guedes e seu economês: “É a vacina, e justamente para manter a economia em movimento, esta é a prioridade do governo”. Bastaria, mas para lembrar, o auxílio emergencial foi criado em abril do ano passado.

» E tem ainda o efeito Fachin: o índice Ibovespa, da Bolsa de Valores de São Paulo, recuou forte ontem. Óbvio que se trata de reflexo diante das preocupações com o cenário eleitoral de 2022, depois de o ministro do Supremo anular as condenações impostas ao ex-presidente Lula.

» Se os senadores Major Olimpio (PSL-SP), Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Lasier Martins (Pode-RS) continuavam internados até ontem, basta por hoje, né? Afinal, a semana está mal começando. Ihh! Sem trocadilho. FIM!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade