Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas EM DIA COM A POLÍTICA

Eleição de Jair Bolsonaro fez quem é de extrema-direita mostrar a cara

Antes da vitória do ex-capitão não se encontrava um malufista provocando um petista ou um tucano


09/10/2020 04:00 - atualizado 09/10/2020 07:42

Bolsonaro voltou a agradeceu aos policiais federais que o acompanhar a Juiz de Fora, quando sofreu atentado(foto: SERGIO LIMA/AFP - 20/9/20)
Bolsonaro voltou a agradeceu aos policiais federais que o acompanhar a Juiz de Fora, quando sofreu atentado (foto: SERGIO LIMA/AFP - 20/9/20)


O presidente Jair Messias Bolsonaro (sem partido) agradeceu, mais uma vez, aos policiais federais que o acompanharam durante a campanha eleitoral, em Juiz de Fora, quando levou uma facada no abdômen, em 6 de setembro de 2018. Além disso, o presidente fez questão de elogiar o trabalho da corporação no combate à corrupção.

“Um dos efeitos do profícuo trabalho de vocês foi a mudança do status quo da política brasileira. Vocês ajudaram a mudar paradigmas, a mostrar para todos no Brasil que nós temos como ser um país melhor e diferente”, relatou aos formandos dos cursos de formação profissional para os cargos de agente, escrivão e papiloscopista da Polícia Federal (PF).

E Bolsonaro fez questão de ressaltar: “Eu sou a prova viva do trabalho de vocês”. Já que estava em sua praia militar, o presidente não perdeu a caminhada. Anunciou que um novo edital está sendo construído para recompor o efetivo da PF. Serão duas mil vagas. Isso mesmo, ele pretende fazer concurso, a ser realizado no ano que vem.

Já que estamos na seara presidencial, vale outro registro: “Bolsonaro é um cara que fez uma coisa para o Brasil: dar cidadania à extrema-direita brasileira, que tinha vergonha de ser extrema-direita.

Você não encontrava um malufista no bar fazendo provocação para um petista, para um tucano. Eles não tinham coragem de dizer que eram da extrema-direita. Bolsonaro recuperou essa gente do ralo da política e lhes deu cidadania”. Dessa vez, o registro veio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

E o ex-comandante petista acrescentou: “Deu a eles: xinguem, mintam, provoquem, utilizem a internet e xinguem a mãe de todo mundo. Xinguem o pai”. Bastaria, mas Lula ainda deixou claro que ele fez as pessoas saírem do silêncio mortal para gritar: “Agora, tem um cara para defender vocês. Defenda o regime militar, seja contra o aborto, defenda a tortura, o estupro, que eu estou aqui para defender vocês”. É óbvio para quem foi o último recado.

Só que teve outro, desta vez para marcar uma despedida honrosa: “Ninguém, nem mesmo o chefe do Poder Executivo da União, está acima da autoridade da Constituição e das leis da República, não dispondo, por isso mesmo, de qualquer legitimidade para supor-se, aristocraticamente, titular de tratamento seletivo extra ordinem e sequer previsto ou autorizado pela Lei Fundamental do Estado”.

Já deu para perceber que, desta vez, se trata do ministro Celso de Mello em seu último ato na mais alta corte de Justiça do país, o Supremo Tribunal Federal (STF).

Endemia política

Demorou um dia, mas integrantes da Operação Lava-Jato da Polícia Federal (PF), em conjunto com o Ministério Público Federal (MPF) do Paraná, reagiram ontem. Melhor os procuradores que a integram deixarem claro: “Os procuradores da República designados para atuar no caso reforçam o seu compromisso na busca da promoção de justiça e defesa da coisa pública, papel constitucional do Ministério Público, apesar de forças poderosas em sentido contrário”. Bastaria, mas teve mais: “A Lava-Jato é uma ação conjunta de várias instituições de Estado no combate a uma corrupção endêmica e, conforme demonstram as últimas fases dos trabalhos, ainda se faz essencialmente necessária”.

Fogo cruzado

Que vem de um mineiro. Em vídeo postado em suas redes sociais, o senador Carlos Viana (foto) (PSD-MG) avaliou que a indicação de Kassio Nunes Marques chega sob fogo cruzado. “O desembargador Kassio Nunes Marques está sofrendo fogo cerrado não só daqueles que são contra o presidente da República, Jair Messias Bolsonaro (sem partido), mas também da base. Kassio vem com o carimbo da indicação do Centrão. Se a indicação foi muito aplaudida por políticos denunciados pela Operação Lava-Jato, nada a declarar é necessário.

E a pandemia

Direitos e liberdades fundamentais? A Alemanha, até agora modelo na gestão da pandemia de coronavírus, vive um aumento de casos que suscita o receio de uma propagação incontrolável do vírus. As autoridades registraram mais de 4.000 novos casos nas últimas 24 horas, números idênticos aos do início de abril. Já a Justiça espanhola rejeitou, ontem, o confinamento de Madri e arredores para o combate à COVID-19. A decisão aumenta a confusão sobre a gestão da pandemia e a incerteza entre os 4,5 milhões de habitantes já que desde sexta-feira só podiam sair de sua cidade para trabalhar ou estudar, ir ao médico ou cuidar de dependentes.

E tem ainda…

… o Renda Brasil: “Se nós não o criarmos, eles não terão do que se alimentar”. A frase é do relator, senador Marcio Bittar (MDB-AC), sobre como financiar o substituto do Bolsa-Família. Ele diz que ainda não há consenso sobre o financiamento. E ponderou: “Não adianta eu apresentar sozinho. Não por medo de críticas, pois sou homem público, preparado pra isso, mas porque se eu apresentar sozinho não anda, não passa, não aprova”. Ele deixa clara a situação: “Se não criarmos o Renda Brasil, eles não terão como se alimentar”. E deu números, ao ressaltar que 8 milhões de brasileiros ficarão sem dinheiro quando chegar ao fim o auxílio emergencial, em janeiro de 2021.

Trilha sonora

“Com Russomanno e Bolsonaro, quem ganha é a nossa cidade.” É um trecho da música do deputado federal Celso Russomanno (Republicanos-SP), que disputa a Prefeitura de São Paulo, óbvio. E tem mais na trilha sonora da campanha dele. No refrão do jingle consta o trecho “e Bolsonaro apoiando”. Em dose dupla, isso mesmo, é repetido duas vezes. O fato é que o jingle vai ao ar no horário político das eleições 2020, que começa hoje. Só falta combinar com os eleitores da cidade de São Paulo. A rejeição a Bolsonaro por lá atinge nada menos que 47% dos paulistanos. Registro do Ibope em setembro.

PINGA FOGO

  • Governo lança programa para simplificar normas da aviação. Objetivo é desburocratizar setor e estimular investimentos. Em cerimônia no Palácio do Planalto, foi lançado ontem o Voo Simples, que reúne uma série de medidas para flexibilizar e revogar normas da aviação civil no país.

  • Para clarear: “Abrimos o capital estrangeiro, removemos uma grande barreira regulatória, mas agora nós vamos diminuir a regulação paulatinamente. O esforço começa no dia de hoje”. É declaração de ontem do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.

  • Mais uma pesquisa, desta vez, sobre a eleição em Belo Horizonte. E tem um favorito. Trata-se do prefeito Alexandre Kalil (PSD). Ele tem nada menos que 56% das intenções de votos na pesquisa Datafolha divulgada ontem. O segundo colocado, João Vitor Xavier, aparece com 6%.

  • Segmentando a pesquisa, vale o registro. Os que aprovam a gestão de Alexandre Kalil atingem 78% e entre os que aprovam a sua administração no enfrentamento da pandemia da COVID-19 chegam a 71%. Ou seja, será difícil reverter.

  • Na política, a prudência não é uma virtude, é obrigação. Com números assim, no entanto, será difícil reverter. Um bom dia a todos.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade