Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas EM DIA COM A POLÍTICA

Fumaça de queimadas fez o avião do presidente Bolsonaro arremeter

Cresce a pressão internacional sobre o governo brasileiro para controle de incêndios florestais


19/09/2020 07:00 - atualizado 19/09/2020 09:49

Jair Bolsonaro continua minimizando a gravidade das queimadas no Brasil (foto: ALAN SANTOS/PR)
Jair Bolsonaro continua minimizando a gravidade das queimadas no Brasil (foto: ALAN SANTOS/PR)

 
É isso mesmo o que aconteceu ontem com o presidente da República Federativa do Brasil, Jair Messias Bolsonaro (sem partido). A visibilidade não estava muito boa. “Hoje, quando o avião foi aterrissar, ele arremeteu.”  E continuou o presidente: “Foi a segunda vez na minha vida que acontece isso. A primeira vez foi no Rio de Janeiro, e, obviamente, algo anormal está acontecendo, no caso é que a visibilidade não estava muito boa”. A declaração foi dada quando Bolsonaro chegou a Sinop, cidade com população perto de 150 mil habitantes, no Mato Grosso (MT).


De acordo com a administradora do aeroporto de Sinop, havia fumaça no momento do pouso e o piloto não tinha 100% de visibilidade da pista. A aterrissagem da comitiva, que levava ainda o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, e o chefe da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, ocorreu normalmente na 2ª tentativa.
 
Já em terra firme, o presidente rumou para o município de Sorriso e teve discurso aos ruralistas. Bolsonaro declarou: “Temos sofrido uma crítica muito grande. Porque, obviamente, quanto mais nos atacarem, mais interessa aos nossos concorrentes, para o que temos de melhor, que é o nosso agronegócio”. E acrescentou haver “alguns focos de incêndio que sempre acontecem pelo Brasil”.
 
Para registro, teve tweet do primeiro-ministro da França, Jean Castex. Não é a primeira nem será a última, mas vamos lá: “O desmatamento coloca em perigo a biodiversidade e perturba o clima”. Assim, ele começou, mas a ressalva é o que interessa: “A coerência dos compromissos ambientais do nosso país e da Europa depende disso”. Parlez vous français?
 
Deixa pra lá. Afinal, o vice-presidente, general Hamilton Mourão, já deu o devido troco: “Ora, vamos lembrar que na Guiana Francesa nós temos garimpo ilegal e temos desmatamento, é uma província francesa, mas não vou colocar a discussão nesse nível, essa é uma discussão de baixo nível”.
Melhor voltar a Bolsonaro: “Vocês não pararam durante a pandemia. Vocês não entraram na conversinha mole de fica em casa, a economia a gente vê depois. Isso é para os fracos”, foi trecho do discurso em Sorriso. E claro que o presidente não usou máscara, como sempre tem feito.
 
Diante de tudo isso, sem mais conversas e muito menos no diminutivo, a única alternativa é encontrar um jeito de encerrar a coluna por hoje. Quem sabe os próximos capítulos possam trazer ações políticas propriamente ditas e coerentes com as necessidades dos brasileiros neste cenário de pandemia. Se for possível, né?

Bola pra frente

“Estou preocupado, e obviamente é um verdadeiro problema, especialmente se a pandemia não parar ou afrouxar, ou se não começarmos a jogar de uma forma normal”, disse o presidente da Federação Internacional de Futebol (Fifa), Gianni Infantino, a repórteres depois do congresso da Fifa. “Estamos nas mãos das autoridades de saúde.” Política, tema da coluna, e futebol não deveriam se misturar, mas os fatos em temporada de pandemia valem o registro. E trazer um detalhe mais otimista: ele acrescentou que a realização da Copa do Mundo do Catar, em novembro e dezembro de 2022, dá à Fifa algum espaço de manobra.

Extra! Extra!

O Ministério da Economia publicou Edital de convocação nº 1, de 18 de setembro de 2020, que “convoca os peritos médicos federais e os supervisores médico-periciais para o retorno ao atendimento presencial”. A presente convocação não se aplica aos servidores enquadrados nas hipóteses específicas de trabalho remoto e demais situações de afastamento do trabalho, conforme normas em vigor. Assinam o secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco Leal, e o secretário de Previdência, Narlon Gutierre Nogueira.

Para registro:

Diferentes representantes de órgãos públicos do meio ambiente, universidades, organizações não governamentais e voluntários se uniram em uma força-tarefa para tentar estimar o número de animais mortos pelas queimadas no Pantanal, que já consumiram mais de 2,9 milhões de hectares na região. “É um trabalho sem precedentes no Pantanal e muito importante pela união de diversas instituições em prol de um só objetivo”, alerta Diego Viana, pesquisador do Instituto Homem Pantaneiro.

Pegando fogo

A situação na região é de fato extremamente grave. O fogo já consumiu cerca de 2,3 milhões de hectares do Pantanal. Daí o fato de, desde ontem, estarem na região, com direito a encontro marcado que incluem entidades, bombeiros e gestores da região. Melhor só fazer o registro da escalação: são os deputados Professor Israel Batista (PV-DF), Professora Rosa Neide (PT-MT), Nilto Tatto (PT-SP), Paulo Teixeira (PT-SP) e Dr. Leonardo (Solidariedade-MT). E o mais importante da comitiva, o presidente da Frente Parlamentar Ambientalista, deputado Rodrigo Agostinho (PSB-SP).

COVID-MG

“O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, testou positivo para coronavírus nesta sexta-feira. O ministro encontra-se assintomático e seguirá trabalhando de casa, adotando todos os protocolos recomendados pelo Ministério da Saúde.” Com ele, já são sete as autoridades infectadas que participaram da solenidade de posse do novo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux. E Marcelo Álvaro Antônio (foto) é o nono ministro do governo a contrair o coronavírus da pandemia da COVID-19.

pingafogo


  • O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, esteve ontem em Boa Vista,  capital de Roraima. A visita de Pompeo coincide com o aumento da pressão do governo norte-americano pela saída do poder do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro (foto).

  • O anfitrião governador de Roraima, Antonio Denarium, lembrou que os EUA já destinaram US$ 50 milhões – cerca de R$ 265 milhões – para o Brasil aliviar os venezuelanos que estão lá. Em breve tour pela América do Sul, Pompeo visitará ainda Colômbia, Suriname e Guiana.

  • Em tempo, sobre o Instituto Homem Pantaneiro: ele tem como missão “preservar o Pantanal e ser um produtor de natureza reconhecido mundialmente. E destaca ainda o respeito, a história e a cultura do pantaneiro com confiança e credibilidade”.

  • Mais um, da Extra! Extra: à medida que novas agências da Previdência Social forem inspecionadas e consideradas adequadas para a prestação do atendimento presencial pela perícia médica federal, novos editais de convocação serão publicados com a atualização da relação.

  • Por fim, o inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF), relatado pelo ministro Alexandre de Moraes, tramita em segredo de Justiça. São os atos antidemocráticos. O fato é que o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro vai depor. A notícia deve esquentar. Então, basta por hoje, né?

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade