Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas EM DIA COM A POLÍTICA

Astro de cinema na defesa da Amazônia

Ativista, em 1998 ele fundou a Leonardo DiCaprio Foundation que atua para proteger lugares selvagens da Terra


postado em 01/12/2019 04:00

Ator de cinema e ativista da preservação ambiental respondeu a Bolsonaro e disse ter orgulho de apoiar quem defende a natureza(foto: Angela Weiss/AFP %u2013 28/9/19)
Ator de cinema e ativista da preservação ambiental respondeu a Bolsonaro e disse ter orgulho de apoiar quem defende a natureza (foto: Angela Weiss/AFP %u2013 28/9/19)

 “Neste momento de crise para a Amazônia, apoio o povo do Brasil que trabalha para salvar o seu patrimônio natural e cultural. Ele é um exemplo incrível, comovente e humilde do compromisso e paixão necessários para salvar o meio ambiente. O futuro desses ecossistemas insubstituíveis está em jogo e tenho orgulho de apoiar os grupos que os protegem.” Melhor começar com a declaração de Leonardo DiCaprio, o famoso ator de cinema norte-americano.

 

E não ficou por aí. Tem mais: “Embora dignas de apoio, não financiamos as organizações citadas. Continuo comprometido em apoiar as comunidades indígenas brasileiras, governos locais, cientistas, educadores e as pessoas que estão trabalhando incansavelmente para garantir a Amazônia para o futuro de todos os brasileiros”.

 

Para que fique claro, não é de hoje que ele é ativista. Em 1998, fundou a LDF – Leonardo DiCaprio Foundation, que tem como missão proteger os últimos lugares selvagens da Terra e salvar da extinção a vulnerável vida selvagem do planeta. Isso mesmo, há 21 anos.

 

Pelo jeito, o presidente Jair Bolsonaro não foi avisado ou ignorou o seu ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, aquele que foi recordista desta década de destruição da floresta amazônica, como ele próprio declarou em entrevista. Tratou-se como “qualquer número abaixo do que foi neste ano terá sido uma conquista, uma vez que a tendência é de subida”. Ah! O aviso foi: “É preciso ter uma boa estratégia para reverter de uma hora para outra uma tendência de sete anos”.

 

Bem, o estrago já foi feito. “Indict Jair Bolsonaro over indigenous rights, international court is urged Brazil president encourages genocide, campaigners argue. Rights groups seek action by international criminal court.”

 

Nem precisava, mas é, em tradução livre, a campanha internacional para denunciar Jair Bolsonaro destacando a urgência: “Presidente do Brasil incentiva genocídio, argumentam ativistas. Grupos de direitos humanos prometem apresentar uma ação em um tribunal criminal internacional”.

 

Melhor então é vacinar contra as más notícias. Ihh! Pelo jeito, não vai dar, basta o exemplo em Belo Horizonte. Cerca de 200 mil pessoas com idades entre 20  e 29 anos, o principal alvo da campanha, ainda não se vacinaram contra o sarampo na cidade. E é informação oficial, veio da própria Secretaria de Estado de Saúde (SES): “A capital lidera o número de infectados no estado”.

 

Sendo assim, o melhor a fazer é encerrar por hoje, já que está difícil encontrar uma vacina capaz de trazer melhores e saudáveis notícias.

 

Chocolates

A Comissão de Fiscalização e Controle (CTFC) do Senado tem reunião, terça-feira agora, com 14 itens na pauta. Um deles é o substitutivo ao projeto que estabelece percentuais mínimos de cacau em chocolates e derivados. O autor do projeto, Zequinha Marinho (PSC-PA), destaca que “o Brasil é o sexto maior produtor de cacau do mundo, sendo os estados do Pará e da Bahia responsáveis por cerca de 90% da produção nacional”. Zequinha, autor do projeto, foi elegante ao registrar ter resgatado uma iniciativa da ex-senadora Lídice da Mata (PSB-BA) e destacou “que o Brasil é o sexto maior produtor de cacau do mundo”. A propósito, se aprovado na comissão e não houver recurso para o Plenário, o texto seguirá direto para a análise da Câmara dos Deputados.

 

Queijos e mel

Inclua ainda azeites, vinhos, cervejas, cachaças, cafés, embutidos, frutas vermelhas, doces cristalizados artesanais e por aí vai. Desta vez, as guloseimas vêm é da Assembleia Legislativa (ALMG). Para deixar claro de uma vez, trata-se do evento sobre produtos especiais da agropecuária mineira, e as tecnologias utilizadas em sua produção são o destaque da Feira e Prosa do Campo à Mesa, que vai reunir 32 expositores indicados pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), pela Empresa de Pesquisa Agropecuária (Epamig) e pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA). Todos eles são parceiros do evento na ALMG.

 

(foto: PDT/Divulgação %u2013 30/6/18)
(foto: PDT/Divulgação %u2013 30/6/18)
 

Aula política

A parte boa é que será aumentada a quantidade de vagas para o chamado estágio-visita na Câmara dos Deputados diante da alta demanda de universitários de todo Brasil, para participar do programa que traz estudantes de todo o Brasil para acompanhar as atividades parlamentares durante uma semana. “Hoje, temos 10 edições por ano, com 70 vagas. Ampliamos, a partir de ato da Mesa, para 80 vagas em cada edição. Muitos colegas reclamam que a oferta das vagas acaba em poucos minutos. Sei que é preciso ser bastante ágil no cadastramento, porque a concorrência é enorme”. Essa é a ruim, ressalta o segundo-secretário da Mesa Diretora, Mário Heringer (foto) (PDT-MG).

 

Agora é fato

Perdeu Paulo Guedes. Quem mandou enfrentar o Centrão? Antes tinha a reforma da Previdência, fazia sentido. Só que agora, a panela de pressão esquentou foi para a liberação das emendas parlamentares. Com Orçamento a ser votado, se é que vai, e tudo mais, o governo teve que capitular. No mês que acabou ontem foram empenhados nada menos que R$ 2,26 bilhões. Vai pagar, já que é só empenho? Pode escrever, vai sim. Se tem o Centrão no meio do caminho, aquele que reúne vários partidos, comprar briga não será uma boa ideia. Provavelmente, o dinheiro vai sair.

 

Sem descanso

É isso mesmo que, em pleno sábado trabalhando, avisou: “Militares das nações amigas e, em especial, da América do Sul, nós não descansaremos enquanto todos os países-irmãos não respirarem democracia e liberdade. Que nossos povos não se deixem persuadir ou iludir com as facilidades. A democracia e a liberdade são o nosso oxigênio”. A frase é do presidente Jair Bolsonaro, em discurso na solenidade de entrega das espadas aos novos aspirantes formados na Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), em Resende (RJ).

 

PINGA FOGO

 

Em tempo, mais chocolate: o relator, senador Roberto Rocha (PSDB-MA), afirma que o projeto é meritório. No entanto, ele apresentou um substitutivo com “ajustes e aperfeiçoamentos”, para o texto “se tornar um marco regulatório na produção e comercialização de chocolate”.

 

Outro em tempo, é sobre a aula política: para participar do estágio-visita, o estudante precisa ser indicado por um deputado federal. O parlamentar precisa formalizar a indicação por meio de um cadastro em prazo preestabelecido. Caso seja selecionado, o aluno deve apresentar documentos.

 

Se o bife vai ficar mais caro, e o presidente Jair Bolsonaro diz que tivemos uma pequena crise agora, mas vai melhorar, é esperar para ver e crer. Afinal, é ele próprio quem diz: “É a lei da oferta e da procura. Não posso tabelar, inventar”.

(foto: Antônio Cruz/ABR %u2013 1/8/19)
(foto: Antônio Cruz/ABR %u2013 1/8/19)

Finalmente alguém está preocupado no atual governo com os baixos níveis da vacinação contra o sarampo. Aquela que fracassou país afora. E só podia ser ele. O próprio ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (foto). Pelo menos, isso, né?

 

Por fim, com as barganhas do Centrão, entre elas a proposta de emenda à Constituição (PEC) da emergência fiscal e ainda a Medida Provisória do Programa Verde e Amarelo, que eles podem ficar sem votar e deixar caducar, o jeito é ficar por aqui. 


Publicidade