Publicidade

Estado de Minas EM DIA COM A POLÍTICA

Eleições 2020: elegante, goleiro Fábio dá aula aos políticos

'Nego qualquer conversa com qualquer partido, deputado, prefeito, vereador que seja'


postado em 04/09/2019 06:00 / atualizado em 04/09/2019 10:41

Jogador do Cruzeiro negou ontem que esteja pensando em se candidatar nas próximas eleições(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 10/718)
Jogador do Cruzeiro negou ontem que esteja pensando em se candidatar nas próximas eleições (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 10/718)

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tem tentado apagar o incêndio. Literalmente, já que ele estava falando sobre a Amazônia, mas não deixou claro de que lado está. “Não podemos errar na narrativa. Quando o licenciamento ambiental for aprovado, temos que estar com a narrativa correta para a sociedade brasileira e internacional: não vamos flexibilizar o nosso meio ambiente”.

A questão é que, por outro lado, Maia deixa aberta a questão: “o que vamos fazer é dar mais transparência e segurança jurídica para o setor produtivo”. Não poderia ser diferente, afinal o presidente da Câmara esteve reunido ontem de manhã, em Brasília, com representantes do setor agronegócio. Para onde ele vai pender, é ainda uma incógnita.

Tanto que ele não deixou muito claro. “Temos que pensar nossa pauta, o que a gente votou, o que a gente pretende votar, qual o nosso objetivo para que nossa viagem seja produtiva”. Rodrigo Maia (DEM-RJ) informou ainda que deve visitar nas próximas semanas, quantas não sei nem ele, para reunir tanto a bancada ruralista, que pouco liga para o meio ambiente, quanto o parlamento inglês e o parlamento europeu, que andam de olho na política brasileira na Amazônia.

“O objetivo é deixar claro que a agenda da Câmara é de preservação do meio ambiente e da floresta Amazônica”, ressalta ainda, acrescentando que “a gente precisa que os parlamentos brasileiro e europeus estejam próximos”. É tarefa indigesta e pouco adianta o governo federal espernear, sempre por perto rondando estará o risco de internacionalização da floresta.

O ditado mudou. Agora, nem precisa discutir se a política e o futebol se misturam. “O mais fácil e correto caminho seria me perguntar. Então aprendam. Nego qualquer conversa com qualquer partido, deputado, prefeito, vereador que seja. Sem mais. Valeu”.

A alegação dele foi bem maior, mas o goleiro cruzeirense Fábio chutou para bem longe a ideia de entrar na política e disputar a eleição do ano que vem. Que o outro goleiro, Cleiton, seja perdoado pela torcida pela falha. Na volta dos jogos da Seleção Brasileira olímpica.

Para encerrar, será por videoconferência que o presidente Jair Bolsonaro vai participar da reunião com os demais chefes de estado que integram a Amazônia, em Leticia, na Colômbia. O anúncio foi feito junto com o presidente do Chile, Sebastian Piñera, que esteve no Brasil em viagem oficial.

O encontro é sexta-feira, dia 6, véspera do Dia da Pátria, dai a videoconferência. E como não poderia deixar de ser, “estaremos reunidos com esses presidentes, exceto o da Venezuela...”

A boa energia

“Recentemente escrevi um artigo falando de como o Brasil se tornou referência no incentivo às energias renováveis e como o Nordeste está se tornando um polo exportador de energia limpa. A coluna do Baptista Chagas, do Estado de Minas repercutiu”. O tweet é do ex-deputado federal José Carlos Aleluia (DEM-BA). A coluna agradece.

A estreia

Em sua primeira visita à região Nordeste desde que se tornou ministro da Economia, Paulo Guedes, estará, quinta-feira, em Fortaleza onde dará palestra para empresários, industriais, executivos e formadores de opinião cearenses. A expectativa da plateia é ouvir do ministro Paulo Guedes uma análise de aspectos diversos da economia brasileira atual; as ações que vêm sendo desenvolvidas pelo Governo Federal em nível amplo e na região Nordeste, especificamente; bem como as perspectivas da economia diante das reformas previdenciária e tributária que tramitam no Congresso.
 

" Quero destacar nossa solidariedade ao presidente da Assembleia pela forma que ele vem conduzindo o Parlamento mineiro, com muita elegância e sabedoria, de uma forma muito colaborativa com o governo. Ele é um líder com visão de estadista, e esses momentos de crise precisam desses estadistas."

Nelson Missias, presidente do TJMG, sobre Agostinho Patrus, presidente da Assembleia Legislativa de MG

 
 

Pode esquecer

 

(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press - 3/7/17)
(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press - 3/7/17)

Quem defendeu, ontem, em plenário da Assembleia Legislativa (ALMG), uma reforma política urgente no país foi o deputado Alencar da Silveira Jr (PDT) (foto). Para ele, “já passou da hora de se promover uma eleição única neste país, de fazermos uma ampla reforma política. O momento é de colocar os pés nos chão para se gastar menos dinheiro”, ressaltou. O ideal, para Alencar, é que se faça uma eleição geral com mandato de cinco em cinco anos”. E sem direito à reeleição. Aí, não passa mesmo, nunca o projeto será aprovado.

Preso “famoso”

O líder do partido França Insubmissa, Jean-Luc Mélenchon, avisou que pretende visitar, amanhã, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na Superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba, sede da Operação Lava-Jato. Ao anunciar o encontro, Jean-luc não perdeu a caminhada e fez o comercial: “Lula é hoje o caso mais famoso no mundo de lawfare, este método de instrumentalização da justiça para eliminar um adversário político”. E teve mais. Cantor e compositor brasileiro, de estilo “popular-romântico-brega”, Odair José pegou carona: “Lula Livre, sempre! Eu costumo dizer: não se pode virar as costas para quem sempre nos olhou de frente. Lula Livre! Essa sacanagem já foi longe demais!”

Pinga-fogo

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) pediu para quem for participar dos desfiles do 7 de setembro usar  roupa verde e amarela. Corajoso ele. Afinal, fez, ele próprio, questão de dizer que nada teme. “Lembro que lá atrás um presidente falou isso e se deu mal. Mas não é o nosso caso”.

Se ele não citou o caso, quem se deu mal foi o então presidente da República, Fernando Collor de Mello. Resta saber se as bandeiras vermelhas das centrais sindicais e dos partidos de esquerda podem tirar um pouco o ‘collorido’ das manifestações.

“Vamos defender a vida, defender a democracia, defender o direito à cidadania, defender a soberania e a autodeterminação dos povos, defender a paz contra a violência, as liberdades individuais e, acima de tudo, construir um país mais justo e igual”.

Faltou alguma coisa? A frase é do senador Rogério Carvalho (PT-SE) na tribuna ontem do Senado. E óbvio, fez questão ainda, como petista que é, de destacar a perda de popularidade do presidente Jair Bolsonaro registrada na última pesquisa.

Por fim: “impossível o aproveitamento pela sua ilicitude”. É o despacho do desembargador João Pedro Gebran Neto, responsável processos da Operação Lava Jato da Polícia Federal (PF) no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), ao negar acesso a mensagens do Telegram.
 


Publicidade