Publicidade

Estado de Minas

Bolsonaro cavalga com a filha pra relaxar

Presidente participou de churrasco no Exército. Antes criticou derrubada de veto


postado em 01/09/2019 04:00 / atualizado em 31/08/2019 22:01

(foto: Lúcio Bernardo Jr/Câmara dos Deputados %u2013 22/2/17)
(foto: Lúcio Bernardo Jr/Câmara dos Deputados %u2013 22/2/17)

“Eu vetei, sou a maior vítima de fake news e não me preocupei com isso. A pessoa extravasa ali, não dou bola pra isso não, toca o barco”. Assim inicia o presidente Jair Bolsonaro (PSL), diante de penas mais duras aprovadas no Congresso para quem compartilha fake news nas redes sociais. Mesmo estando em dúvida, já que acrescentou com uma indagação: qual é o limite? Como vai saber se é fake news ou não? É para apavorar o povo”.

As declarações do presidente foram dadas quando ele deixou o Palácio da Alvorada, ontem de manhã, e a sua agenda oficial informava “sem compromisso oficial”. Em tradução simultânea, pura diversão. Nada de política. E com detalhe interessante. Teve uma estreia importante.

Foi a primeira aparição pública da garota do segundo casamento com a primeira-dama do país, Michelle Bolsonaro do presidente, desde que o presidente foi eleito. Na pista do regimento, pai e filha, cavalgaram lado a lado. Ao descer do animal, Bolsonaro errou a troca de pernas, desequilibrou-se e quase caiu.

Depois, teve churrasco, que ninguém é de ferro e a fome avisava para correr da imprensa, que foi impedida de acompanhar. A alegação, evento privado. Como foi em área militar, nada adiantava aos repórteres de plantão ficar insistindo. Faz bem dar uma relaxada. Mas não resistiu e deixou um grupo de jornalistas e motoristas entrar. Ressalva: sem gravações e sem fotos ou vídeos.

Afinal, amanhã, ele tem dois compromissos oficiais. Não será bem cedo, como o presidente costuma. Será à tarde. O primeiro deles é às 14h com o Ministro da Economia, Paulo Guedes. E deve ser demorada, já que o outro que Bolsonaro vai receber é Abraham Weintraub, Ministro da Educação às 16h. Duas horas econômicas e sabe-se lá quantas mais horas serão educativas.

Se a proposta de Orçamento da União para o ano que vem teve como a notícia do dia o valor do salário-mínimo, aquele que ficou um real mais baixo, cravado em R$ 1.039,00, outra importante ficou praticamente de lado. Trata-se dos investimentos do governo federal, leia-se obras aí, em que também foram pesados os cortes.

Bem, diante de tudo isso, traz aí um aparelho de medir pressão arterial para verificar se está tudo certo com o paciente. Afinal, o presidente Jair Bolsonaro deve estar bem saudável, garante o serviço médico do Palácio do Planalto. Ele próprio deixou claro. “Isso é normal”, avisou, acrescentando que ser “no mundo todo”. É claro que tem a Amazônia no meio do caminho.
Já que no meio do caminho tem a Amazônia, melhor ficar por aqui mesmo em Minas Gerais. Sem queimar a língua. Uma boa semana a todos. Aproveite o domingo para relaxar. É o melhor a fazer já que teremos Paulo e Abraham no meio do caminho. Vem mais maldade aí?

Shabat shalom!
Se teve processo, o argumento da defesa é atacar a imprensa. “Lamento mal-entendidos que possam ter havido, produtos de desonestidade jornalística ou de mal (sic) emprego eventual da língua portuguesa”, publicou Ciro Gomes em sua página no Facebook. Pegou mau mesmo, corrigindo para ele. Mais educado foi o presidente da Confederação Israelita do Brasil (Conib), Fernando Lottenberg. “A declaração de Ciro Gomes é um gesto importante de reconhecimento de seu erro e da necessidade de combater o antissemitismo”. Diante disso, a Conib vai reavaliar a ação judicial que abriu junto com a Federação Israelita do Ceará.

Palanque 2022
O vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) atacou mais uma vez o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Foi no dia seguinte em que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse, em transmissão ao vivo nas redes sociais, “vejo Doria dizendo de vez em quando que a bandeira dele jamais será vermelha. Quando estava mamando lá, a bandeira era vermelha”. Depois de ter pregado o voto “BolsoDoria” no segundo turno das eleições de 2018, Doria é considerado um potencial adversário de Bolsonaro em 2022. Daí o presidente partir de jatinho com os juros subsidiados pelo BNDES para o ataque contra João Doria. “Estava mamando nas tetas do BNDES”.

Per esportazione
“Demos alguns passos à frente… Apesar das diferenças marcantes”. O PSDB agora é exportador de subir no muro? Pois é o que está parecendo acontecer, diante do risco de evitar a convocação de eleições antecipadas na Itália. O Movimento 5 Estrelas, que é populista, e o Partido Democrata, de centro-esquerda, tentam imitar o PSDB, o Partido da Social Democracia Brasileira. O nome até ajuda, quem sabem descem do muro. “Demos alguns passos à frente”, afirmou o líder do grupo parlamentar do PD, Graziano Delrio.


Energia solar
Ex-deputado federal com cinco mandatos consecutivos e hoje suplente, José Carlos Aleluia (foto) (DEM-BA) é assessor especial do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS). Mas tratou foi do setor elétrico. “O Brasil atingiu recentemente a marca de 1GW em geração através de famílias e empresas que produzem sua própria energia (basicamente solar). Uma prática que tende a crescer, ajudando o país a se manter na vanguarda do uso de energia limpa em favor de um desenvolvimento global mais sustentável”. Calma, gente, ele é também conselheiro da Itaipu Binacional.

Trem alemão
Ao participar na Comissão Pró-Ferrovias da Assembleia Legislativa (ALMG), o diretor da empresa alemã Deutshe Bahn, Gustavo Gardini, foi direto ao ponto. E olha que falou mais de duas horas para deixar claro a importância de Minas Gerais sonhar com a volta dos trens. “É o momento para a gente abrir um pouco da visão e buscar soluções para não continuarmos agindo da mesma forma”. E foi otimista: “Tem jeito sim. Estamos com um novo governo e vivendo em um momento de crise. E crise é sempre um momento para se repensar na nossa forma de trabalhar, da nossa forma de ser”.

Pinga Fogo
É claro que foi um petista: “eu acho que o ápice desse processo foi na constituinte de 1988, quando, por meio de mobilização, não só da classe trabalhadora, mas da própria sociedade, fluiu para dentro da Constituinte os interesses de um país”.

Só que, pelo jeito, o senador Paulo Rocha (PT-PA) tucanou. Eu acho? Não tem certeza? Bem, ele logo voltou ao normal. Disse que foi a partir da tomada “dessa consciência coletiva que os trabalhadores puderam ir além e contribuir muito mais”. Leia-se, a criação da CUT.

A iniciativa do debate é do deputado Luiz Lima (PSL-RJ). Ele lembra que a edição do ano que vem será importante para analisar o legado da Rio 2016. “Até hoje, apenas a Grã-Bretanha melhorou seu desempenho logo após receber os Jogos Olímpicos”, ele justificou.

“As 171 medalhas do Brasil no Pan de Lima, quando os atletas conquistaram 55 ouros e a vice-liderança no quadro de medalhas do evento indicam uma evolução brasileira no contexto regional, que vamos ver se será confirmada globalmente”. Detalhe, o Brasil não foi líder desde 1963.

Bem diante de tudo isso e deixando o número de medalhas, já que o 171 tem duplo sentido e nada agradável, é melhor dar um basta por hoje. Afinal, hoje é domingo, o dia tão lindo. Aproveite com a família.





Publicidade